Convertido, ex-muçulmano funda a primeira igreja em seu país após 700 anos de hegemonia islâmica

Kosovo é um país de predominância islâmica, com ampla influência do antigo Império Otomano e que, mais recentemente, conquistou a independência da Sérvia. Essa nação não via surgir uma igreja cristã há pelo menos 700 anos, mas agora a comunidade de seguidores de Jesus Cristo tem um templo para se reunir em culto a Deus.

Localizado no sudeste da Europa, Kosovo está vivendo um tempo histórico: um ex-muçulmano que se converteu ao Evangelho passou a compartilhar a mensagem de Jesus junto às pessoas mais próximas e estruturou uma igreja na cidade de Malisevo, um município do distrito de Prizren.

De acordo com informações da emissora Christian Broadcasting Network (CBN), a implantação da igreja interrompe sete séculos de ausência completa do cristianismo no país. O homem usado por Deus para mudar essa escrita é Urim Bogaj, que cresceu em uma família muçulmana e odiava os cristãos.

Seu testemunho de entrega de vida a Jesus remete a 1999, quando o território do Kosovo ainda pertencia à Sérvia, e ele ouviu o Evangelho de sua tia, que estava refugiada na Albânia em fuga da guerra em sua terra natal e terminou conhecendo as mensagens de Jesus.

Convertida, ela compartilhou sua transformação com Urim, que na época tinha apenas 15 anos e estudava no Ensino Médio em Pristina, capital do Kosovo. “Era difícil ouvir e receber o que ela tinha a dizer. Sempre soubemos que os cristãos eram serpentes. As serpentes eram más. Não queria ser cristão”, relatou ele à Global News Alliance.

 

Milhões se convertem no Irã após assistir programas de TV via satélite

Quem viu pela televisão as imagens dos protestos no Irã nas últimas semanas talvez não entendeu tudo o que está acontecendo. Pelo menos 21 pessoas morreram em confrontos com a polícia e mais de 1000 foram presos. As agências de notícias falaram muito sobre as manifestações serem por questões econômicas e contra decisões do governo.
Contudo, em grande parte a questão religiosa foi ignorada. Vídeos compartilhados nas redes sociais mostravam que as pessoas estão fartas da teocracia islâmica.
O missionário Mike Ansari diz que a turbulência política está criando oportunidades únicas para compartilhar o amor de Cristo. Ele é presidente dos Ministérios Heart4Iran [Coração pelo Irã], que trabalha junto a 86 ministérios diferentes, com o objetivo de servir e abençoar o povo do Irã.

Ele diz que grande parte do que está realmente acontecendo dentro da nação islâmica não é vista pelo mundo por causa da censura à internet. “Deus está trabalhando no Irã”, declarou Ansari. “Jesus está edificando sua igreja, o Espírito Santo está transformando vidas e o evangelho se espalhando”, explica.
O Heart4Iran é responsável pelo canal Mohabat, que em 2006 tornou-se o primeiro a transmitir 24 horas de programação evangelística em farsi, língua falada no Irã. Hoje, existem outros três canais de televisão por satélite que transmitem programação cristã para o Irã.

“Essas transmissões de TV desempenharam um papel vital no sucesso do movimento subterrâneo da igreja doméstica”, explica Ansari.
Recentemente, 20 iranianos, muitos dos quais aceitaram Cristo após assistirem programas da Mohabat, viajaram para um local não revelado para serem batizados.
Para o experiente missionário, as igrejas domésticas do Irã estão vivendo um crescimento explosivo, assim como milhares de habitantes do Oriente Médio que estão abandonando o Islã para seguir a Jesus.
“De acordo com a Missão Mundial, a igreja subterrânea do Irã é uma das igrejas de crescimento mais rápido do mundo”, aponta Ansari, que completa: “A maioria dos líderes cristãos iranianos acreditam que o movimento das igrejas em casa é que sustenta o cristianismo dentro deste país”.

O repórter George Thomas, da CBN, entrevistou Mike Ansari recentemente, o missionário disse que um dos motivos para o crescimento do cristianismo no Irã é por que o povo está desiludido com o islamismo e eles estão procurando respostas para o sentido da vida. “Eles estão procurando por novas respostas, não estão satisfeitos com sua condição espiritual. Além disso, parece que um grande número deles está realmente tendo sonhos e visões sobre um homem brilhante, vestido de branco, muito antes de nós começarmos a lhes falar sobre Jesus”.
Ansari diz que após quase 40 anos do regime islâmico, “o iraniano médio está percebendo que o islamismo está falido e o Islã não consegue dar as respostas para os dilemas com os quais eles estão lidando, em especial os mais jovens”.
Enfatizou também que “cerca de 16 milhões de iranianos nos últimos 12 meses viram um ou mais dos nossos programas na televisão por satélite e também em seus dispositivos móveis (celulares e tablets). Isso significa aproximadamente 20% da população do Irã e esse é um número irresistível. Nos últimos 11 anos, desde que lançamos nosso canal para o Irã, tivemos um aumento de mais de 400% na audiência o que, para nós, foi absolutamente fenomenal”.
Encerrou dizendo que o canal de TV tem um call center, para onde as pessoas podem ligar gratuitamente para saber mais sobre Jesus. Segundo os registros, são em média 700 contatos por dia. Todos recebem uma oportunidade de aceitar a Jesus, o que lhes permitiu computar 3 decisões a cada hora de agora ex-muçulmanos.

Conheça as maiores religiões do mundo: espiritismo e islamismo são as que mais crescem

A revista Superinteressante publicou em seu site um breve panorama sobre as oito religiões com maior número de seguidores no mundo, trazendo detalhes curiosos e interessantes sobre cada uma delas. Na lista o cristianismo figura em primeiro lugar, seguido pelo islamismo.
O oitavo lugar da lista publicada pela revista está ocupada pelo espiritismo. A doutrina não é exatamente uma religião mas entrou na lista por ter cerca de 13 milhões de adeptos, sendo que o Brasil detém a maior comunidade espirita do mundo com 1,3% da população do país.
O judaísmo vem em seguida com 15 milhões de adeptos espalhados pelo mundo, sendo que a maioria dos judeus reside em Israel e nos Estados Unidos. Mas mesmo com números menores a Argentina tem um percentual de judeus maior que os Estados Unidos em sua população: 2% contra 1,7% do país norte-americano.
De acordo com o estudo é errado pensar que o judaísmo é uma das três maiores religiões monoteístas do mundo ao lado o islamismo e cristianismo. O desconhecido sikhismo, surgido na Índia onde é praticado por 1,9% da população, é a sexta maior religião do mundo e a terceira maior monoteísta, com seus 20 milhões de adeptos.
Em quinto lugar da lista está o budismo, com 376 milhões de fiéis, seguido pelos 400 milhões de adeptos da religião tradicional chinesa, que é uma complexa interação entre as diferentes religiões e tradições filosóficas praticadas na China.
Em terceiro lugar na lista está a religião baseada nos textos Vedas. Com 900 milhões de seguidores, entre eles 80% da população da Índia e do Nepal, o hinduísmo abrange seitas e variações monoteístas e politeístas, sem um corpo único de doutrinas ou escritura.
Com 1,6 bilhões de fiéis o islamismo é a segunda maior religião do mundo e projeções indicam que em 20 anos os muçulmanos serão um quarto da população mundial, e dobrará o número de adeptos ao islã nos Estados Unidos.
Apesar da grande mudança no perfil dos cristãos e da diminuição de dois terços para apenas um quarto de adeptos na Europa o cristianismo segue como a maior religião do mundo com 2,2 bilhões de adeptos em todo o mundo. A região do mundo onde o cristianismo mais cresce é a África Subsaariana onde em um século a população de cristãos cresceu de 9 para 516 milhões de fiéis.

Por não aceitar pagar propinas, Pastor tem seu ministério fechado

O missionário cristão Chin, que não teve seu verdadeiro nome revelado, foi forçado a regressar à sua terra natal, ao ser acusado de não participar do chamado “trabalho voluntário” e de não pagar propina às autoridades.

Em Mianmar, as minorias religiosas, incluindo cristãos e muçulmanos, têm sido forçadas a pagar propinas, alimentos e materiais para manter os templos budistas e servir aos militares, de acordo com o relatório anual de 2011 da USCIRF (Estados Unidos da Comissão Religiosa Internacional de Liberdade).

Um dos líderes cristãos de Mianmar disse que o pastor expulso e sua família ficaram em um quarto, na missão em que trabalhavam. Eles foram expulsos do bloco Kungpho, depois que as autoridades cobraram as propinas e, como punição por eles não pagarem, cortaram-lhes a eletricidade e a água.

“As autoridades advertiram que medidas adicionais poderiam ser tomadas; caso eles não obedecessem, emitiriam uma ordem proibindo os filhos do pastor de estudar na escola”, acrescentou um morador local que pediu para não ser identificado.

Não tendo outras opções, o pastor, com sua família, que viveu na região por cerca de 2 anos, sendo muito conhecido, deixou a cidade e foi para uma cidade mais próxima do sul do país.

Falando por telefone no último sábado, o pastor disse: “Eu estou preocupado, e preocupado com os membros da igreja; quero realmente voltar, o mais rápido possível. Por favor, orem por mim, para que a porta seja aberta para continuar o meu trabalho com os membros da igreja e para que eu seja fiel e forte neste momento tão difícil.”

Apesar do crescimento do número de evangélicos, brasileiros pouco se dedicam a missões e evangelismo

O acelerado crescimento numérico dos evangélicos no Brasil, que já alcança 20,23% da população poderia ser um indício de que o País se tornará uma potência nas obras missionárias em todo o mundo. Porém, a realidade é que a obra missionária nacional segue de forma bem mais lenta do que deveria.

Apesar de tamanho crescimento e o conhecimento cada vez mais difundido das demandas missionárias, os esforços para o evangelismo global ainda são insuficientes. O trabalho é deixado em mãos de poucos missionários de carreira e agências especializadas.

Enquanto isso, estima-se que todos os anos 2.5 milhões de pessoas morram sem sequer saber da existência da Palavra de Deus ou de Jesus Cristo. Isso porque ainda têm aproximadamente 2.251 línguas sem um versículo bíblico traduzido. São cerca de 2.200 grupos étnicos que nunca ouviram nada sobre Jesus, 193 milhões de pessoas que não têm acesso algum às Escrituras.

De acordo com o pastor José Crispim Santos, promotor setorial da Junta de Missões Mundiais da Convenção Batista Brasileira (CBB), a igreja brasileira está bem inteirada acerca dos desafios missionários da atualidade, mas as ações ainda não são suficientes para o tamanho deles.

Convocação à Igreja no Brasil

Ainda assim as lideranças cristãs mundiais continuam apostando no potencial do povo brasileiro. Um dos motivos é a “boa receptividade que a nação tem em todos os países, particularmente os de religião islâmica e hindu”, explica o diretor executivo da Junta de Missões Mundiais (JMM), pastor João Marcos Barreto Soares.

O pastor Soares também questiona o potencial dos brasileiros: “estamos preparados para isso? Temos feito tudo o que podemos?” Ele lembra, fazendo alguns cálculos de acordo, apenas, com o número oficial de evangélicos batistas, de que as ofertas destinadas a missões mundiais e nacionais alcançaram um montante considerável, mas se dividido pelo número de crentes, o resultado é desanimador. São 66 centavos por semana destinados à obra missionária.

A responsabilidade dos brasileiros também é lembrada pelo Pastor Waldemar Carvalho, presidente da Missão Kairós: “o povo brasileiro foi evangelizado ‘errado’. Como se nós fôssemos os “confins da Terra e não como se tivéssemos de ir até lá evangelizar, conforme ordenança de Jesus em Atos 1.8”.

Somente em um “retângulo” do mapa, na chamada “janela dez por quarenta”, está localizada mais da metade da população do mundo. A China com 1 bilhão e quatrocentos milhões de habitantes, Índia com 1 bilhão, Bangladesh com 145 milhões, sem mencionar os demais países que somam outros bilhões de pessoas a serem evangelizadas.

O pastor Waldemar lembra: “Neste trecho do mapa foi onde aconteceu a chamada de Abraão, muitos episódios do Antigo Testamento, o local onde Jesus nasceu, treinou seus discípulos e para onde os enviou a evangelizar. Porém, nesta região em que até o século VII o cristianismo predominava, hoje é proibida a pregação do Evangelho. E cadê a Igreja Poderosa?! Precisamos obedecer o ‘ide’”.

A presença missionária brasileira atualmente chega a 2300 missionários no exterior atuando em 50 países.

Fonte: CPADNews

 

 

CORÉIA DO NORTE “Perseguição contra cristãos gera crescimento na igreja”

A perseguição em países como a Coreia do Norte tem ajudado no crescimento da Igreja, permitindo-lhe utilizar ferramentas que a Igreja do Ocidente já esqueceu, de acordo com o pastor Eric Folley, que planeja usar essas ferramentas para ajudar a igreja livre.

Folley, pastor da Igreja Evangélica de Colorado Springs, acredita que os ditadores agressivos – tais como Kim Jong Il, da Coreia do Norte, perseguidor de cristãos – podem ajudar a igreja a repensar sobre o que tem feito ultimamente.

Enquanto ministrava na Coreia do Norte, Folley notou que a perseguição extrema aos cristãos tem sido um grande catalisador para que a igreja cresça mais.

“Na Coreia do Norte, não é apenas ilegal possuir uma bíblia ou ir à igreja, mas também inclinar a cabeça, fechar os olhos e adorar. Então, como resultado dessa perseguição, a igreja tem crescido. Ao longo da história, igrejas tiveram que fazer discipulado com restrições, o que fez com que elas investissem para que os cristãos crescessem em plenitude para o Reino de Deus”, disse Folley.

De acordo com Folley, as diferenças entre a Igreja perseguida e as Igrejas ocidentais são atribuídas ao fato de que o Ocidente não entende a diferença entre a liberdade de religião e a liberdade em Cristo, levando-os a confiar muito mais em ferramentas materiais do que nas espirituais.

Folley acredita que as ferramentas usadas na Igreja da Coreia do Norte e na Igreja do Novo Testamento são baseadas na liberdade em Cristo. Ele acrescenta que, se não houver evangelismo no Ocidente, há pouca chance de acontecer um verdadeiro crescimento e discipulado.

Folley diz que parece que a perseguição purifica a Igreja. Segundo ele, a igreja do mundo livre pode aprender muito com nações como a Coreia do Norte, de modo a permitir uma mudança para melhor no cristianismo ocidental.

Missionária luta na justiça para proteger crianças indígenas de sacrifícios

Márcia Suzuki, uma missionária metodista, tem enfrentando uma briga na justiça para conseguir continuar com os trabalhos da ONG Atini, localizada nos arredores de Brasília, que abriga índios que praticam o infanticídio, uma prática cultural que nas leis brasileiras não é considerado crime.

A ONG não é mantida por igrejas, mas como os voluntários são em sua maioria evangélicos, alguns antropólogos e sociólogos costumam criminalizar a atitude de pessoas que assim como Márcia desejam proteger essas crianças da morte.

Até a Funai (Fundação Nacional do Índio) é contra a interjeição da ONG na vida dos índios, pois para eles interferir na cultura indígena é uma ação negativa. “A Funai afirma que a interferência é sempre negativa, mesmo que as crianças estejam em risco. Nós acreditamos que respeitar os índios também significa respeitar e proteger a vida deles”, diz a missionária.

Já a Associação Brasileira de Antropologia acusa os ativistas de repetir métodos dos colonizadores portugueses. “Tirar índios de suas aldeias para criá-los sob a ética cristã é uma interferência violenta, não um projeto humanitário”, diz João Pacheco de Oliveira, dirigente da entidade e professor da UFRJ.

Atualmente a ONG Atini abriga 12 famílias que recebem mantimentos e cuidados médicos. Mantida por doações. O desejo de Márcia Suzuki é que o Governo Federal ajude-os a proteger essas crianças.

Projeto de Lei Muwaji

Muwaji Suruwahá, 33, resolve fugir da aldeia onde morava para não ter que matar sua filha, Iganani, hoje com oito anos, que nasceu com paralisia cerebral. Eles fugiram em 2005 e hoje vivem sob os cuidados da ONG Atini.

O Projeto de Lei Muwaji tenta responsabilizar agentes públicos pelas mortes de recém-nascidos que quando nascem com algum problema de saúde devem ser sacrificado, segundo a tradição indígena.

Acontece que o Congresso não entrou em um acordo em relação a esse projeto de lei até porque a Funai se opõem veementemente contra ela.

Em 2010 a fundação chegou a processar o grupo missionário Jocum (Jovens Com Uma Missão) pela exibição de um suposto documentário sobre o infanticídio. A Justiça Federal determinou a retirada do vídeo do YouTube por entender que ele incitava o preconceito e causava dano à imagem dos índios sem provar as mortes.

 

Ex-lutador de UFC abandona o esporte para fazer missões

O americano Justin Wren, ex-lutador de UFC, com 10 vitórias em 12 apresentações, deu um tempo nas lutas para fazer missões. A partir deste mês de agosto, Wren e três outros missionários da Unusual Soldiers vão viajar para uma tribo na República Democrática do Congo, uma região dilacerada pela guerra civil, além de sua população ser vítima de estupros e até canibalismo. “Parece que eles estão vivendo no inferno na terra”, diz Wren “E isso precisa mudar.”

Segundo Wren, sua mãe veio chorando e implorando para que ele não vá para o Congo, mas ainda assim o atleta vê um propósito maior na sua missão e se mostra confiante em seu retorno.

O lutador peso-pesado, disse estar preocupado e pensa muito nas dificuldades e perigo que vai encontrar, mas que sente que foi chamado por Deus para ir lá.

Wren conta que antes de encontrar Deus tinha uma vida perdida em drogas e álcool e que estava em um lugar profundo e escuro e que era suicida. O quadro mudou quando em Las Vegas, um jovem pastor amigo da família o convidou para um retiro evangélico.

“Nunca quis ser cristão, odiava esse título, odiava as pessoas que se chamavam assim. Mas eu mudei quando conheci algumas pessoas que estavam vivendo essa vida, amando Deus e amando as pessoas, sem serem falsas.”

Essa não é a primeira missão evangélica de Wren. Ele já esteve no Haiti e na República Dominicana, porém sua próxima missão no Congo será mais desafiadora.

Wren e seus três amigos vão acampar no nordeste do país, no meio da selva, onde os pigmeus estão cercados por cerca de 20 grupos rebeldes.

Crianças afetadas pela violência continuam a ser negligenciadas

  As crianças continuam a ser negligenciadas e impedidas de estudar, ainda três anos após os ataques que ocorreram em Kandhamal.

    De acordo com um ativista dos direitos das crianças, Mahendra Parida, milhares de crianças ainda estão desanimadas e não recebem nenhum apoio do governo.

    Depois da violência ocorrida em 2008, diz Parida, as crianças foram obrigadas a abandonar as escolas e a ingressar em massa no mercado de trabalho.

    Parida apresentou suas descobertas em uma audiência pública, em âmbito estadual, pela Comissão Nacional de Proteção dos Direitos da Criança (NCPCR).

    Os horríveis incidentes de violência ocorridos em Kandhamal tiveram um impacto muito negativo na vida das crianças e muitas delas ainda carregam traumas pelo ocorrido, disse Parida .

    O distrito de Kandhamal foi o epicentro da violência anticristã, entre agosto e outubro de 2008, quando centenas de igrejas foram queimadas e milhares de pessoas foram forçadas a fugir de suas residências e de suas comunidades, que sofreram com as multidões violentas.

    Enquanto milhares de crianças foram obrigadas a sair das escolas, muitos outros fugiram para lugares distantes em busca de alternativas para sobreviver.

    Além disso, a falta de acesso adequado à alimentação e nutrição provocou uma grave deterioração na saúde dessas crianças.

    De toda a população afetada pela violência, quase 36% tinham menos de 18 anos de idade. Parida apresentou suas descobertas na quarta-feira, depois de interrogarem mil diferentes famílias atacadas, que moravam em Kandhamal.

    Dr. Shantha Sinha, presidente da NCPCR, alegou que o governo do Estado não tomou as medidas e recomendações necessárias e eficazes para que a vida dessas crianças tivesse melhorias.

Fonte: Portas Abertas

O apóstolo da China “Irmão Yun”

O livro de Atos dos Apóstolos menciona a trajetória de homens que se tornaram verdadeiros heróis da fé por anunciar o Evangelho em um mundo hostil à mensagem cristã. Gente como Pedro, Silas e, principalmente, Paulo sofreram na própria pele o preço de seguir a Jesus e fazê-lo conhecido: foram perseguidos, espancados, presos e alijados dos mais elementares direitos por sua opção de seguir o “Ide” do Mestre. Das páginas da Bíblia aos dias de hoje, quase tudo mudou, menos a disposição de alguns crentes em arriscar a própria vida em favor das almas sem salvação.

Conhecido simplesmente como Irmão Yun, o chinês Liu Zhenying é um homem simples, de pouca instrução formal, para quem o conhecimento do Reino de Deus vem muito mais pela experiência prática do que dos bancos teológicos. Mas tem construído em plena pós-modernidade uma biografia daquelas que a própria Bíblia define como a de homens dos quais o mundo não é digno.

Missionário por convicção, Yun dedicou a maior parte de sua vida à pregação do Evangelho aos seus compatriotas. Foi preso diversas vezes, submetido a trabalhos forçados, fome e maus tratos. Mesmo assim, nunca perdeu a disposição e a visão do Reino de Deus. Ele é o “Homem do Céu”. O apelido, que dá nome ao seu livro autobiográfico escrito em parceria com Paul Hattaway (lançado no Brasil pela Editora Betânia), surgiu depois de um dos muitos problemas que teve com as autoridades de seu país por insistir em fazer proselitismo cristão, o que, pelas leis comunistas que regem a China, é proibido. Líder da Igreja doméstica chinesa – que, ao contrário da Igreja oficial, monitorada pelo governo, luta para viver sua fé livremente (ver quadro com entrevista) –, ele certa vez recusou-se a dar aos policiais o seu verdadeiro nome e endereço, para não pôr em risco seus irmãos na fé. Simplesmente gritou: “Sou um homem do céu, meu lar é o céu!”, senha que, ouvida pelos outros crentes, permitiu que todos fugissem a tempo das casas vizinhas.

Nascido em 1958, Yun veio ao mundo numa aldeia pobre da província de Henan, região central da República Popular da China. Era uma época de extrema repressão política no país, quando a Guarda Vermelha da Revolução Cultural espalhava o terror entre os considerados inimigos do regime. Como a Bíblia era um livro proibido e pregar o Evangelho, um crime contra o Estado, só mesmo uma evidente manifestação do poder de Deus poderia levar alguém a crer em Jesus. E ela aconteceu quando o pai de Yun, abatido por um câncer mortal, teve a saúde restabelecida, fato atribuído pela família a um milagre divino. A partir dali, a casa da família virou uma igreja doméstica, onde o nome de Jesus era pregado entre portas trancadas e janelas cerradas. Uma congregação sem Bíblias, mas com extremo ardor missionário, nasceu.

Nasce um pregador – “Eu tinha 16 anos de idade quando o Senhor me chamou para segui-lo”, lembra Yun. Seus primeiros passos na fé foram marcados por situações inusitadas – como certa vez em que sonhou que dois homens lhe davam uma Bíblia. Por toda a China, pouquíssimos exemplares das Escrituras resistiram às fogueiras do Partido Comunista. Apenas a leitura do Livro Vermelho de Mao Tsé-Tung era permitida. Após orar e jejuar semanas a fio por uma Bíblia, os dois homens que vira no sonho foram sorrateiramente à sua casa e lhe entregaram um exemplar da Palavra de Deus. Após ler e decorar passagens inteiras, o jovem Yun ouviu alguém lhe dizer, no meio de uma noite, que seria enviado a pregar o Evangelho. Pensou que era sua mãe quem o chamava, mas após ouvir a voz mais duas vezes, entendeu, à semelhança do que ocorreu com Samuel, que era o próprio Deus que o comissionava como sua testemunha.

Em pouco tempo, a história do rapaz que havia recebido “um livro do céu” correu a região. Yun começou a ser chamado a várias vilas, sempre encontrando pessoas ávidas por ouvi-lo. Batizava os novos convertidos às escondidas, durante as madrugadas. “Multidões se convertiam todos os dias”, relata em seu livro. Começou a ser perseguido, e à semelhança dos apóstolos do Novo Testamento, compartilhava a Palavra de Deus por onde ia ou era levado – inclusive na cadeia. Chegou a passar três anos preso, e numa dessas detenções conseguiu fugir inexplicavelmente pelo portão principal da penitenciária. Esteve com a vida por um fio diversas vezes, como na ocasião em que jejuou por mais de 70 dias. “Tenho fome de homens e almas”, dizia resolutamente aos que lhe aconselhavam a comer.

Para Yun, os longos períodos de prisão, embora o afastassem da igreja, da mulher, Deling, e dos dois filhos, eram uma oportunidade e tanto para evangelizar os companheiros de cela. “Eu fiz um acordo com o líder da prisão, que se eu fizesse bem as minhas tarefas, ele me deixaria ficar com a minha Bíblia”, lembra. “A maioria dos prisioneiros não era formada por criminosos perigosos e descobri que muitos deles tinham membros da família que eram cristãos”. Após sucessivos processos, foi solto pela última vez em 1999 e fugiu da China com a família, primeiro para Myanmar e depois para a Alemanha, onde obteve a condição de refugiado. Mesmo no Ocidente, Yun mantém contato frequente com a Igreja clandestina chinesa e atua mobilizando a comunidade evangélica internacional em favor dos crentes perseguidos de seu país. Ele fundou a missão Back to Jerusalem (“De volta a Jerusalém”), que treina missionários para pregar o Evangelho na chamada Janela 10-40, região imaginária situada entre aqueles paralelos geográficos e que inclui as nações menos evangelizadas do mundo, inclusive a China.

Presença requisitada no mundo todo, o missionário visitou o Brasil pela primeira vez em abril. Aqui, esteve em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Brasília, entre outras localidades. “Minha primeira impressão sobre o país veio pelas palavras de um jogador de futebol brasileiro que, depois da conquista da Copa do Mundo de 1994, disse que foi Deus quem lhe deu a vitória”, diz Yun.

 

“Orem pela Igreja clandestina”

O missionário Liu Zhenying atendeu com exclusividade a reportagem de CRISTIANISMO HOJE na Alemanha. Nesta entrevista, concedida em mandarim, ele faz um relato da situação dos cristãos em seu país e apela à Igreja ocidental que renuncie ao materialismo e assuma posição de relevância na obra de evangelização mundial. “Orem pela China”, apela.

CRISTIANISMO HOJE – Qual é a real situação, hoje, da Igreja perseguida em seu país?
IRMÃO YUN – Ela está crescendo, apesar da constante perseguição. No dia 8 de março recebi um telefonema dando conta de que, nas últimas três semanas, mais de setenta líderes das igrejas não-oficiais, somente na minha cidade de origem, foram presos. Os policiais tomaram deles tudo o que possuíam – que já era pouco – e ainda lhes aplicaram uma multa em dinheiro. Como todos os nossos pastores e líderes são pobres, não têm como pagar; então, permanecem na prisão por muito tempo.

Estima-se que a população cristã na China de hoje beire os 80 milhões de indivíduos, o que a colocaria na segunda posição mundial em números absolutos de crentes. Esse número corresponde à realidade?
Bem, conforme os últimos relatos do ministério encarregado dos assuntos religiosos do governo chinês, o número de cristãos na China já passou dos 100 milhões. Os dados passados pelos responsáveis do governo são reais, pois há poucos dias um líder da Igreja doméstica me confirmou esse número. Eu, pessoalmente, acredito que são mais de 20 mil conversões por dia. Mas há organizações que falam em mais de 30 mil novos convertidos ao Evangelho diariamente.

Quantos deles pertencem às igrejas clandestinas?
Cerca de 70% dos crentes chineses são ligados às igrejas clandestinas e às comunidades evangélicas domésticas. Os outros são membros da Igreja oficial.

Qual o perfil social da membresia da Igreja chinesa?
Antigamente, havia cristãos somente nas pequenas províncias, e eles eram muito pobres. Após 1989 [N.da redação: naquele ano, houve um grande levante estudantil contra o regime chinês, que desencadeou o Massacre da Praça da Paz Celestial, na capital Pequim], muitos estudantes se converteram a Jesus. Desde então, pessoas de poder aquisitivo também passaram a crer em Jesus.

O senhor acha possível ser um verdadeiro cristão estando ligado à Igreja oficial?
É possível, sim. Eles amam a Deus, assim como os outros cristãos da Igreja subterrânea também o fazem. Esses irmãos trabalham para o governo, mas seus corações pertencem a Jesus.

Existe algum diálogo entre o Estado e a Igreja não-oficial?
Não existe esse diálogo porque o governo chinês não dá a nenhuma oportunidade de conversação. Eles perseguem a Igreja clandestina continuamente.

Quais são as maiores penalidades a que um cristão pode ser submetido pelas leis chinesas?
Na China, o cristão pode ser condenado até mesmo à pena de morte. É proibido  falar do Evangelho. São permitidos apenas os cultos realizados pela Igreja oficial – e o governo impõe dia, hora e local para a realização dessas reuniões. Quem não cumpre exatamente o estabelecido é multado como os setenta pastores recentemente punidos. Como já disse, que não tem dinheiro para arcar com essas multas acaba preso.

Como é o ensino religioso e a formação de obreiros na China?
Existem escolas bíblicas nas igrejas oficiais. Nas congregações subterrâneas, temos seminários clandestinos para preparo de líderes. Mas quando as aulas são dadas por um professor estrangeiro e ele é descoberto pelas autoridades, é imediatamente deportado e não pode retornar ao país durante cinco anos.

É possível montar uma liderança forte nestas condições?
As igrejas clandestinas têm a sua liderança autóctone muito forte e bem preparada – para ser aprovado para dirigir uma igreja não-oficial, é necessário que o candidato a líder tenha passado pelo cativeiro ao menos de uma até três vezes. Apenas estudar numa escola bíblica não é suficiente.

Como é o dia-a-dia de um crente perseguido em função de sua fé?
Um cristão ou líder perseguido não deve retornar para sua casa. Caso a sua família ou os seus amigos o acolham, tornam-se seus cúmplices, e também podem ser presos. Muitos vão para as pequenas províncias para fazer o trabalho missionário. Mas, muitos outros, mesmo correndo o risco de serem presos, permanecem onde estão, falando do Evangelho por amor a Jesus.

Como é o seu ministério hoje, depois que obteve asilo na Alemanha?
Meu ministério continua sendo pregar o Evangelho e dar testemunho do poder de Jesus. Eu trabalho principalmente com obreiros e pastores. Em amo a Igreja clandestina chinesa e considero-me seu porta-voz aqui no Ocidente.

Em seu livro, o senhor relata diversos episódios marcados pelo que considera ação sobrenatural de Deus, como a cura de seu pai e a sua fuga da prisão. Muitos crentes, contudo, acham que esse tipo de manifestação está restrito ao passado. O que é preciso para ver o milagre acontecer?
Nós precisamos ter fé, confiar no Senhor e orar para que o milagre possa acontecer. Nós precisamos obedecer exatamente às instruções de Deus, então pode acontecer um milagre. Eu acredito que milagres assim não aconteceram só na época dos apóstolos ou comigo, mas ocorrem diariamente e podem acontecer com todos os creem na verdade divina. Mesmo que o mundo se modifique, a Palavra de Deus jamais mudará. Ela permanece a mesma, sempre real e viva!

O senhor faz críticas ao materialismo da Igreja Evangélica ocidental. Na sua opinião, como essa Igreja pode exercer papel relevante no Reino de Deus?
Primeiramente, verifiquei que os pastores das Igrejas tradicionais ocidentais veem sua obra como uma profissão. Isso significa que não realizam a obra de Deus como um chamado e não querem abrir mão do seu poder aquisitivo. Na China, nossas prioridades são diferentes: primeiro, tornar-se cristão, através da conversão. Segundo, afastar-se das tentações e tentar viver uma vida sem pecado. Acredito que, apesar da influência do materialismo sobre o Ocidente, a Igreja dessa parte do mundo deve se empenhar para divulgar o Evangelho e ajudar aos necessitados.

O que a Igreja brasileira, especificamente, pode fazer em relação àqueles irmãos chineses que sofrem restrições e supressão de direitos em virtude de sua fé em Cristo?
Em primeiro lugar, orar pelas famílias dos líderes e pastores encarcerados. Eu sou muito grato aos irmãos de todo o mundo que oraram por mim e por minha família enquanto estive preso. É preciso orar também pela evangelização nos países budistas, islâmicos e hinduístas, e pelas Igrejas clandestinas chinesas, também chamadas subterrâneas, para que não sejam influenciadas pelo crescimento econômico. Pedir a Deus que, apesar da perseguição, elas continuem firmes e convictas na visão do Reino de Deus. O desejo sincero do meu coração é que cada cidadão chinês possa possuir a sua própria Bíblia.

Aos 51 anos de idade e depois de tantos sofrimentos, experiências milagrosas e realizações para o Reino de Deus, o que o senhor faria diferente em seu ministério, caso pudesse voltar no tempo?
Olha, eu agradeço a Deus por ter me convertido ao cristianismo aos 16 anos de idade. Na minha vida, já passei por muitos sofrimentos e também obtive muitas vitórias. Não me arrependo de nada. Porém, se eu tivesse a oportunidade de voltar no tempo novamente, eu faria tudo com maior convicção, dedicação e fé.

Fonte: Cristianismo Hoje

 

Site da Missão Portas Abertas, maior instituição de apoio a igreja perseguida, é atacado por hackers

O site da Missão Portas Abertas foi atacado por hackers durante a noite e a madrugada de 7 a 8 de julho. A Missão Portas Abertas é uma instituição mundial sem fins lucrativos que visa informar e ajudar cristãos em países onde a perseguição religiosa é extrema. A entidade também visa servir de suporte para missões evangelísticas.

Os hackers atacaram a sessão de notícias do site deixando mensagens possivelmente direcionadas a evangélicos, embora a entidade não atenda apenas a esse grupo cristão. Entre as mensagens estão palavrões e acusações.

O ataque parece ter sido efetuado pelos hackers de um grupo conhecido como LulzSecBrazil, o mesmo que atacou sites do governo no começo da semana. Uma mensagem com o perfil do twitter do grupo foi deixada na página do Portas Abertas.

Uma das mensagens afirma “OTARIOS LADRÕES FILHOS DA [censurado]” e completa: “kkkkkkkkkkkkkkkkk  owned otarios :D”

Até o fechamento da matéria o Portas Abertas não havia se pronunciado sobre o caso e nem apagado as mensagens que podem ser vistas aqui e aqui.

Irmão de Fidel Castro, Raúl Castro, diz que Cuba precisa de “bênçãos” das igrejas evangélicas

presidente-raul-castroO presidente Raúl Castro disse que Cuba precisava, mais do que nunca, das bênçãos de suas igrejas evangélicas para promover as reformas necessárias para o país crescer. O modelo econômico que perdurou por 50 anos na ilha caribenha precisa ser modernizado, disse a imprensa estatal. Raúl comanda o país desde que a doença impediu seu irmão, Fidel Castro, de continuar na presidência.

“Sem dúvida que precisamos, mais do que nunca, de todas as bênçãos”, disse Raúl Castro, durante culto celebrado na Catedral Episcopal da Santíssima Trindade, no 70 º aniversário da criação do Conselho de Igrejas de Cuba (CIC), citado pelo jornal Juventud Rebelde.

Segundo o jornal, o líder cubano, de 79 anos, estava respondendo ao presidente do TPI, o reverendo Marcial Hernandez, que o cumprimentou pelas mudanças empreendidas pelo governo.

O governo considera urgentes as reformas que incluem o fechamento de 500 mil postos de trabalho do Estado, uma maior abertura ao setor privado e ao investimento estrangeiro, bem como a cessação do paternalismo estatal e a eliminação de subsídios.

Jovem cristão é sequestrado, torturado e morto

somalia2Um cristão iraquiano foi sequestrado, torturado e degolado. A vítima era de Kirkuk, norte do Iraque. A polícia encontrou seu corpo nesta semana. Ele havia sido sequestrado há três dias e os criminosos pediram o resgate, no entanto, as negociações para que fosse solto não tiveram sucesso e ele foi brutalmente assassinado. Para um líder religioso de Kirkuk, a morte foi um “ato desumano” porque fere “todos os princípios humanos e religiosos”.

Os cristãos no Iraque têm vivido com medo desde a morte de Osama Bin Laden, temendo retaliação dos extremistas muçulmanos.

Ashur Yacob Issa tinha 29 anos e três filhos. O desaparecimento só chegou ao fim quando a polícia encontrou o corpo do jovem perto de uma ponte, pois mostrava diversos sinais de tortura. O crime provocou inquietação em toda a cidade, principalmente na comunidade cristã.

Os cristãos pedem que a polícia e as forças de segurança, tanto locais como nacionais, possam, agir e que todos trabalhem para proteger os cidadãos.

Fonte: Portas Abertas

Mais de 200 fiéis foram presos pelo governo chinês em um mês

Igreja-ShouwangAo menos 15 membros de uma igreja protestante clandestina da China foram detidos quando tentavam celebrar um culto ao ar livre, no último incidente de uma série na qual a polícia já deteve mais de 200 de seus fiéis em menos de um mês, informou nesta segunda-feira a imprensa local.

    Os membros da igreja de Shouwang, que tem cerca de 1.000 seguidores, estavam em uma praça de uma área comercial de Pequim, na qual havia uma forte presença policial como a cada domingo desde o dia 10 de abril, quando foram detidos ali 169 fiéis, informou o jornal independente “South China Morning Post”.

    As autoridades chinesas estão há semanas evitando que esta igreja oficie serviços religiosos em público.

   Alguns dos cristãos detidos em algumas ocasiões anteriores assinalaram que a Polícia lhes permitiu orar e cantar enquanto estavam detidos, mas também lhes pressionou para que assinassem declarações nas quais prometiam não voltar a celebrar um culto na rua.

    A igreja perdeu o lugar onde realizava seus ritos quando as autoridades locais forçaram seu senhorio a despejá-los e impediram que se mudassem para um escritório comprado pela igreja em 2009.

    A China é um Estado aconfessional que reconhece religiões, entre elas a cristã, mas só em grupos oficiais controladas pelo Partido Comunista da China (PCCh), no poder desde 1949.

 
Fonte: Portas Abertas

Cristãos são presos por participarem de culto de Páscoa

imagesApesar dos apelos dos grupos de liberdade religiosa, as autoridades chinesas continuaram sua ofensiva a uma Igreja proeminente do país, impedindo centenas de cristãos de realizar o culto de Páscoa ao ar livre no domingo. No domingo, policiais uniformizados e à paisana esperaram os membros da Igreja Shouwang, um grupo de protestantes, se reunirem para um culto de Páscoa ao ar livre em um parque rodeado por uma cerca de metal recém-construída perto de uma zona comercial de Pequim.

A polícia chinesa deteve dezenas de cristãos, no local planejado para um culto proibido no domingo de Páscoa.

Dezenas dos mais de mil membros da Igreja Shouwang, uma das maiores Igrejas protestantes não registradas de Pequim, foram detidos, enquanto pelo menos 500 foram confinados em suas casas, de acordo com a China Aid Association.

“Estamos profundamente decepcionados que as autoridades chinesas tenham decidido interromper adoradores pacíficos que foram simplesmente celebrar a Páscoa hoje,” disse Bob Fu, fundador da China Aid e pastor presidente, em um comunicado.

“Ao fazer isso, o governo chinês mais uma vez demonstra seu total desrespeito à liberdade dos cidadãos chineses de base religiosa e liberdade de culto. Continuamos a exortar o mundo livre a se manter firme em solidariedade aos fiéis perseguidos na China.”

Esta é a terceira semana consecutiva que os membros da Shouwang foram impedidos de cultuar. Embora consciente dos riscos, a Igreja evangélica começou a agendar cultos ao ar livre este mês, após a intervenção do governo tornou-se impossível para a Igreja garantir um local fechado para reunião. A Shouwang tem sido expulsa de vários locais alugados.

Antes do culto de Páscoa, a Comissão dos EUA sobre Liberdade Religiosa Internacional apelou ao governo chinês que permita que os cristãos prossigam com seus cultos de adoração durante a semana mais sagrada do Cristianismo, sem perseguição ou detenção.

O diretor da USCIRF, Leonard Leo denunciou a intolerância da China para a atividade religiosa pacífica e observou que, no caso da Shouwang, a Igreja procurou seguir as regras, mas em vão.

“O governo chinês continua mudando. A ação de Pequim ainda aliena o rápido crescimento do número de crentes religiosos na China, especialmente durante a Páscoa, a semana mais sagrada no cristianismo,” disse ele numa declaração anterior.

Enquanto a China permite a liberdade de crença religiosa e protege as atividades religiosas, os grupos religiosos devem se registrar com o governo e os funcionários e funcionar de acordo com as entidades religiosas, como a Tríplice Autonomia do Movimento Patriótico e o Conselho Cristão da China.

Não cadastrados, as Igrejas não estão proibidas, mas não estão autorizados a realizar abertamente cultos religiosos. Antes da Páscoa, os líderes da Igreja Shouwang enviaram um e-mail para a congregação para informar a localização da reunião. O e-mail revelou que vários membros da Igreja tinham sido forçados a mudar ou deixar seus empregos, de acordo com o New York Times. Eles também indicaram que esperavam ser parados pela polícia.

De acordo com a China Aid, que monitora os direitos humanos e a perseguição na China, a polícia de Pequim agiu antes detendo quatro evangelistas da Shouwang na quinta-feira. Enquanto isso, o fundador da Igreja e pastor sênior, Jin Tianming, permaneceu sob prisão domiciliar. Outras Igrejas em Pequim manifestaram a sua solidariedade para com a Shouwang se unindo em oração e jejum.

Em meio à crescente pressão de grupos de direitos humanos, juntamente com a USCIRF, os Estados Unidos está agendado para manter um diálogo de dois dias sobre direitos humanos com a China, que começa na quarta-feira. Os debates estarão centrados na evolução dos direitos humanos, liberdade religiosa e a liberdade de expressão, entre outras coisas.

Fonte: Christian Post

Cristão convertido do islamismo é assassinado

somalia2No dia 18 de abril, dois extremistas muçulmanos assassinaram um integrante de uma comunidade cristã secreta como parte de uma campanha para eliminar o cristianismo do país.

     Fontes locais disseram que dois militantes do grupo al Shabaab atiraram em Hassan Adawe Adan, de 21 anos, após entrar em sua casa às 19h30.

     “Dois integrantes do al Shabaab arrastaram Hassan para fora da casa, e 10 minutos depois, dispararam diversos tiros contra ele. Ele morreu imediatamente.”

     Então os militantes gritaram “Allahu Akbar” (Alá é grande) antes de fugir.

     Hassan era solteiro e vivia com sua família muçulmana. Ele havia se convertido ao cristianismo há alguns meses. Os cristãos da área dizem que suspeitaram que alguém havia informado os militantes cristãos sobre sua conversão. Uma fonte diz que um parente que pertencia ao al Shabaab disse para a mãe do jovem que suspeitava que era cristão.

     “Esse incidente está fazendo com que muitos cristãos vivam com medo, pois os militantes sempre perseguem as pessoas que professam a fé cristã.”

     Há dois meses houve um grave conflito entre os militantes do al Shabaab e as forças do Governo Federal de Transição (TFG), em que o TFG conseguiu reaver algumas áreas controladas pelos rebeldes. Os insurgentes do al Shabaab controlam a maior parte da região sul e central da Somália.

     Os insurgentes querem impor uma versão muito rígida da sharia (lei islâmica), mas o governo de Mogadishu está lutando para controlar as terras cristãs melhor do que os extremistas fazem. Enquanto descreve a si mesmo como moderado, o presidente Sheikh Sharif Sheik Ahmed apoia a versão da sharia que ordena a pena de morte para todos aqueles que deixarem o islamismo.

 
Fonte: Portas Abertas

Conheça o trabalho evangelístico de um ministério que foi até os confins da Ásia para pregar sobre Cristo

evangelho-asiaDesempregado e viciado em drogas e álcool, Salim Banerjee passou a vagar pelas ruas de sua aldeia na Ásia. Ele nunca imaginou a sua vida estava prestes a tomar um rumo diferente. Um dia o ministério Evangelho para a Ásia com suporte missionário Benjamin Masih encontrou Salim e alguns outros homens e compartilhava as boas novas com eles.

“Quanto você vai pagar para eu me tornar cristão?” perguntou Salim.

Benjamin respondeu que não iria lhe dar dinheiro algum, mas que o ajudaria a encontrar a vida eterna e convidou Salim para ir a um culto em sua congregação. Dois meses mais tarde, Salim finalmente visitou a igreja. Ele disse ao pastor Benjamin todas as suas lutas e problemas que enfrentava, e pediu oração.

Nesse mesmo dia, Salim se arrependeu de seus pecados e aceitou Jesus como Salvador. Ele começou frequentando regularmente os cultos da igreja e logo após sua irmã Vasanti também aceitou a Cristo.

Salim também começou a frequentar as reuniões de oração em outra aldeia onde Benjamin ministrava. Ao viajar para a aldeia, Salim encontrou Jitendra, uma alcoólatra e durante as reuniões Jitendra aceitou o convite e hoje também segue a Cristo.

Através do ministério de Benjamin, Deus transformou duas vidas. Ele usou a experiência negativa de Salim e a converteu em esperança ao compartilhar com alguém na mesma situação.

Fonte: CPADNews

Bíblias são proibidas de entrar no Uzbequistão

NO_UZB~1A liberdade religiosa é um direito instável no Uzbequistão. Segundo o Fórum 18 News, Pitirimov Natalya, da Sociedade Bíblica do Uzbequistão, foi multado por violar os procedimentos sobre a importação de dois carregamentos de Bíblias infantis em 2008 e 2010. O Comitê de Estado de Assuntos Religiosos, que controla a censura de toda a literatura religiosa, não está permitindo que as Bíblias sejam liberadas, apesar dos apelos das igrejas locais. O juiz disse ao Forum 18 que as igrejas não apresentaram o seu pedido no tempo e agora as Bíblias precisam ser devolvidas.

Joel Griffith, da Associação Evangelho Eslavos, diz que esta é apenas outra tentativa de restringir a liberdade religiosa.

“Isso é parte integrante do aumento contínuo das restrições sobre as igrejas evangélicas e entidades religiosas no Uzbequistão. E é certamente muito preocupante ver isso acontecer.”

Autoridades disseram que confiscaram as Bíblias porque a Sociedade Bíblica não informou a tempo o envio para a Comissão dos Assuntos Religiosos, e eles também alegaram que não havia necessidade de importação de Bíblias no Uzbequistão, porque “há uma versão eletrônica disponível na internet.”

Griffith disse que isso é um grande erro.

“Olhe o que aconteceu no Egito, na maneira que eles bloquearam a internet. Dizem que você pode obter uma versão eletrônica na internet, mas mesmo que você consiga agora, não há garantias de que poderá ter acesso amanhã.

Somente as igrejas registradas podem solicitar permissão para material de impressão ou de importação. A literatura religiosa é muitas vezes apreendida pela polícia durante os ataques e depois destruída. Isso faz com que o alcance ao evangelho seja difícil.

“Qualquer um que está fazendo missões pelo mundo, especialmente em lugares como o Uzbequistão, realmente precisa trabalhar o mais discretamente possível.”

O Uzbequistão ocupa o número 11 na lista de vigilância mundial dos países em perseguição aos cristãos.

Fonte: Mission Network News

Campo Missionário Pernambuco Prs. Eliaquim e Carme

1TRINDADE – PE, O8 DE MARÇO 2011.     

    “E do modo porque Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do homem seja levantado no sertão, para que todo o que nele crê tenha a vida eterna.” João 3: 14 – 15.

RELATÓRIO DO CAMPO MISSIONÁRIO

 

NOME: Pr. Eliaquim Santana de Melo e Família.

CIDADE: Trindade – Pe.                                                                          

Endereço: Rua/Av. Central Norte Nº 221

Bairro: Centro

CEP. 56250-000 Tel. (87) 9961-1596/ (87) 3870-1857

EMAIL: eliasafe-elizair@hotmail.com

               Relatório do mês de: FEVEREIRO 2011.

 

Amados Irmãos que a Graça e a Paz do Senhor Jesus continue arraigada em vossos corações. Nossas reuniões no templo continuam-nos mesmos dias e horários, apesar de termos começado o ano fazendo um ajuste na reunião de sexta-feira, a qual é uma reunião de intercessão, ano passado fazíamos bem simples, esse ano que os irmãos estão mais maduros estamos fazendo uma intercessão mais consistente, Carme é responsável por esse dia, então ela está estudando com a Igreja o livro: “O poder da intercessão”, de Walnice Milhomens, temos tido uma boa participação. Neste mês de fevereiro tivemos orando para Deus nos dá novas estratégias de trabalho para as células, projeto missionário da igreja (exibição do filme Jesus) e o pastoreamento dos membros e congregando. Este ano queremos propagar mais o nome de Jesus como motivo de louvor e adoração nessa terra, para isso faremos trabalhos de rua, passando o filme Jesus. Nos grupos familiares Deus tem operado, a semente tem sido lançada e os resultados começam a surgir. Começamos o ano somente com um grupo familiar que está sobre minha responsabilidade. Até o mês de Maio iremos abrir mais um ou dois, mas estamos orando para um local estratégico. Neste mês, tivemos a conversão de um casal que a esposa, chamada Juliana já vinha pra igreja desde o final do ano passado, ele pouco vinha, mas este ano veio em um domingo e foi à frente para receber Jesus juntamente com a esposa, é um casal abençoado, estão firmes, sábado, dia 12 iremos começar um discipulado com o casal. Também estamos com mais um casal que veio de Petrolina morar aqui e estão na Igreja, têm sido benção. Fizemos três caixas de som para a Igreja, o som melhorou, o próximo passo será comprar os microfones. Eu voltei para a faculdade, fica em Recife é a Universidade Católica Dom Bosco, eu assisto aula via internet e duas vezes no semestre vou a Recife fazer as provas e para o encontro presencial com os professores, tem sido difícil, mas esta foi à única maneira que encontrei para terminar a faculdade sem prejudicar os trabalhos da igreja, já que posso estudar em casa e fazer meus horários, quero terminar essa faculdade, porque sei que será muito útil para o ministério e a minha vida pessoal. Aqui a visão que as pessoas têm de crente é de gentinha, que não tinha o que fazer foi ser crente, mas temos orado para que isso mude e vai mudar. Além dos trabalhos que já falamos estamos com um propósito de orar mais esse ano para que seja

 

quebrada a resistência espiritual pela adoração, temos aprendido isso e vamos começar praticá-lo, ou seja, ano passado jejuamos muito, mas adoramos pouco, esse ano vamos substituir o jejum pela adoração porque cremos que iremos ganhar mais território com essa prática, queremos gerar o avivamento e mantê-lo através da adoração, ter disciplina espiritual mesmo, para que o trabalho venha fluir em nome de Jesus.

           Pedimos as vossas orações:

  • Pelo fortalecimento do corpo do Senhor aqui em Trindade;
  • Por salvação e transformação de vidas em Trindade e seu município;
  • Pela vida financeira da Igreja e da Família Missionária;
  • Pela minha faculdade para Deus me dá forças para concluir;
  • Pelos projetos missionários de evangelização e expansão da Igreja.

Um grande abraço a todos os amados e queridos Irmãos que seguram a corda e nos sustentam com suas orações e contribuições.

             

Pastor Eliaquim Melo e família.

Carta da Missionária Renata

22

PAZ E GRAÇA AMADOS IRMÃOS

Temos vivido dias de muita benção e sobrenatural aqui em Trindade – Go. Em Janeiro deste ano vim para a minha formatura na MCM(Missão Cristã Mundial) foi um tempo de rever os amigos e matar a saudade…; foi tudo muito lindo e Deus mais uma vez demonstrou sua fidelidade para conosco. 

Esse era só o começo, assim que assumi o Programa Herdeiros de Deus – Tribos, começaram as lutas também, mas “ Maior é o que está em mim do que, o que esta no Mundo.”  

Hoje, trabalho dando suporte aos seguintes países: Afeganistão, Camboja, Butão, Djibut, Guiné- Bissau, Índia, Israel, Moçambique , Ilha de Moçambique, Nepal, Quênia, Somália, Sudão, Tibet e Nordeste(Ribeirinhos) e Tribo Xavante no Brasil. Dentre outros que não podemos divulgar. 

Em pouco tempo as coisas foram acontecendo e hoje, assumimos o site e os informativos do Tribos e Herdeiros de Deus. A responsabilidade é muito grande e tudo é muito sério, pois, trabalho com as informações de todos os missionários que a MCM tem nas Nações e no Brasil.  

Depois de trabalhar nessas informações filtrando tudo, ai sim, posso passar para as pessoas. Tenho muito temor quanto a isso, pois o que devo escrever ou até onde as pessoas podem saber, acrescentar ou tirar, tudo é cobrado depois pelo próprio Deus. É preciso ter muito temor e ser diligente o tempo todo! 

As lutas são enormes, mas ver a mão de Deus movendo as Nações através do nosso trabalho aqui, não tem preço!

Estou fazendo o curso de inglês e há pouco surgiu a possibilidade de fazer um curso intensivo de Capelania Internacional ( o que significa portas abertas nas nações, kkk), estamos orando e se Deus permitir vamos estar fazendo esse curso em Goiânia para a Glória de Deus Pai. 

Estamos juntos nessa, confiamos, acreditamos e vamos até o fim…; conto com a oração e intercessão de vocês, pois sem isso não vou conseguir combater o bom combate e completar a carreira. 

PS: Não existe nenhuma atividade mais importante para um ser humano do que a oração, portanto, Ore, Ore, Ore!!

 

Com amor e muitas saudades: Missionária Renata.

Mulher é morta na Somália por causa de sua fé

imgMCM_2812011110415971A mãe de quatro crianças foi assassinada por causa de sua fé cristã, no dia 7 de janeiro, na periferia de Mogadíscio, Somália, por extremistas islâmicos da milícia de Al Shabaab, disse um parente da vítima.

    O parente, que pediu para não ser identificado, disse que Asha Mberwa, 36, foi assassinada no vilarejo de Warbhigly: os islâmicos extremistas cortaram sua garganta na frente dos moradores, que saíram de suas casas como testemunhas.

    Ela deixou seus filhos – de 12, 8, 6 e 4 anos – e seu marido, que não estava em casa na hora em que ela foi capturada. O marido dela, Abdinazir Mohammed Hassan, mudou-se para um lugar desconhecido.

     O parente que falou conosco disse que tinha ligado para ela no dia 5 de janeiro, para planejar levar sua família para outra área.

    Os extremistas da Al Shabaab, que controlam uma grande parte de Mogadíscio, tinham como monitorar as ligações e confirmaram que ela tinha se tornado cristã. Ele disse que “Asha estava recebendo mensagens ameaçadoras”, depois que Al Shabaab monitorou suas comunicações anteriores com ela.

    O parente de Mberwa, que tem sua localização sob sigilo por motivos de segurança, disse que um  “bom samaritano” em Mogadíscio está cuidando dos quatro filhos dela, que continuam a chorar por sua mãe.
 

Fonte: Portas Abertas

Cristãos voltam à Coreia do Norte e formam células clandestinas

bandeiracoreiaSegundo informações das próprias igrejas, cerca de 90% dos convertidos que voltaram à Coreia do Norte foram descobertos pela polícia e executados ou enviados ao campo de concentração de Yodok, a 300 quilômetros da capital, Py. A fronteira que separa a China da Coreia do Norte é uma das mais policiadas do mundo. Minas, radares, mirantes, postos de controle pontuam as margens dos rios Yalu e Tumen para impedir a passagem de desertores.

 Mesmo assim, o fluxo de refugiados vindos das províncias do norte do reino de Kim Jong-il é constante desde 1995, quando a epidemia de fome, que matou cerca de um milhão de pessoas, provocou o primeiro grande êxodo dos sobreviventes para a China.

E agora, alguns desses refugiados fazem o caminho de volta por conta própria, e com uma perigosa missão. Convertidos ao cristianismo por missionários, eles querem espalhar sua nova religião entre os compatriotas, formando uma rede clandestina de resistência cristã ao regime comunista e ateu da Coreia do Norte.

Segundo o Alto Comissariado para os Refugiados das Nações Unidas, entre 200 mil e 500 mil súditos de Kim Jong-il teriam optado pelo exílio nos últimos dez anos, atravessando a fronteira não somente para fugir da repressão totalitária, mas, sobretudo, para não morrer de fome. Muitos foram detidos pela policia chinesa, que os entregou aos vigias da fronteira porque a China não concorda em conceder-lhes o estatuto jurídico de refugiados, como exige a ONU.

Pequim os qualifica de “traficantes” e, por isso, eles não podem reivindicar o direito de asilo. Muitos conseguiram se esconder, graças à cumplicidade da comunidade coreana que vive na região autônoma chinesa de Yanbian, apelidada de Terceira Coreia. Os de mais sorte sobreviveram porque foram recolhidos pelas missões protestantes da Coreia do Sul, país que é hoje o segundo maior exportador de missionários, atrás somente dos Estados Unidos.

Execução ou prisão para os capturados
Representantes das igrejas batista, metodista e outras denominações evangélicas estão presentes na fronteira desde 1995. Na época, o objetivo era alimentar e dar alojamento aos fugitivos. Aos poucos, os missionários decidiram batizá-los porque os norte-coreanos pediam para se converter, em reconhecimento à coragem com que os religiosos desafiavam a polícia chinesa para ajudá-los.

“O dever dos cristãos é combater Kim Jong-il e sua dinastia vermelha”, decreta o reverendo Park, transferido da Igreja Saemmul de Seul para Yanbian.

Ele compara o trabalho dos missionários cristãos à atuação do papa João Paulo II, que teve papel importante no enfrentamento do comunismo em sua nativa Polônia, contribuindo para o fim da União Soviética em 1991. Chegar até a comunidade cristã de Yanbian não é fácil e parece romance de espionagem. É preciso ir de bicicleta até o ponto de encontro indicado, depois pegar um automóvel discreto e, ao chegar ao primeiro apartamento, ter a surpresa de não encontrar ninguém, apenas um envelope contendo um recado curto: Atravesse a rua e vá ao segundo andar do prédio em frente”.

No pequeno quarto e sala onde só uma cruz enfeita a parede, o reverendo Park apresenta Pok Yol, desertor proveniente da província norte-coreana de Hamhung. Jovem, ar saudável, terno novo e tênis modernos, Pok prefere esquecer os tempos de miséria e só falar do presente. Diz que descobriu Deus, a Bíblia e que a religião é uma forma de substituir a carência afetiva provocada pelo exílio. Como outros desertores convertidos, Pok passou por um treino intensivo de oito horas por dia para aprender a Bíblia de cor e tornar-se, por sua vez, um missionário com futuro determinado.

“Ele voltará à Coreia do Norte para integrar a comunidade cristã clandestina. A Coreia do Norte é hoje a nova terra de missão para divulgar a palavra de Cristo”, assegura o reverendo, falando em nome do refugiado.

É difícil saber quantos desertores foram assim “recuperados” pelas igrejas e retomaram à Coreia do Norte para formar o que o reverendo Park chama de “células adormecidas”, isto é, grupos de cristãos que, em silêncio e com discrição, praticam a religião e divulgam a Bíblia. Sabe-se, porém, que poucos assumiram a missão até o fim, pois na Coreia do Norte as denúncias são frequentes e o sistema repressivo, brutal.

Segundo informações das próprias igrejas, cerca de 90% dos convertidos que voltaram ao país foram descobertos pela polícia e executados ou enviados ao campo de concentração de Yodok, a 300 quilômetros da capital, Pyongyang.

“São os mártires”, diz o reverendo Park.

As autoridades da Coreia do Norte confirmaram indiretamente tais detenções em julho de 2009, quando a TV local divulgou as imagens de Ri Yong-ok, de 33 anos, fuzilada na praça de Ryongchon, pequena cidade situada a 70 quilômetros da fronteira da China, porque distribuía a Bíblia. Depois da execução, os pais, o marido e os filhos de Ri Yong-ok foram transferidos para um campo de concentração em Hoeryong, dividido em dois setores: o dos “prisioneiros recuperáveis”, que poderão ser libertados um dia, e o dos “irrecuperáveis”, cujo destino é a morte.

Classificação de países por perseguição de 2011

Classificação de países por perseguição de 2011

     A Portas Abertas Internacional lançou na última quinta-feira, dia 6, a Classificação de países por perseguição 2011, uma lista que classifica os 50 países mais intolerantes ao cristianismo e, tem como objetivo, monitorar a situação daqueles que decidem servir a Cristo ao redor do mundo. O período analisado para esta versão é de 01 de novembro de 2009 a 31 de outubro de 2010.

20110110121001

 

 

 

 

 

 

 

Como a lista é formada

     A classificação é produzida por meio de um questionário com 50 perguntas, que cobre vários aspectos da liberdade religiosa, tais como questões sobre o estado legal e oficial dos cristãos (por exemplo, a constituição e/ou as leis nacionais preveem a liberdade religiosa?; as pessoas têm o direito por lei de se converterem ao cristianismo?) e a situação real de indivíduos cristãos (os cristãos estão sendo mortos por causa de sua fé?; os cristãos estão sendo sentenciados às prisões, campos de trabalhos forçados ou estão sendo enviados a sanatórios por causa de sua fé?). Além disso, o papel da igreja na sociedade recebe atenção (os cristãos tem liberdade de imprimir e distribuir literatura cristã?; as publicações cristãs são censuradas ou proibidas neste país?) e, também, os fatores que podem impedir a liberdade religiosa no país (os lugares de encontro dos cristãos e/ou as casas dos cristãos têm sido atacadas por motivos anticristãos?). 

     A pontuação é atribuída dependendo da maneira como cada questão é respondida e o número total de pontos é o que vai determinar a posição do país na classificação. A lista divide esses países em cinco graus de intolerância: perseguição severa, opressão, limitações severas, algumas limitações e alguns problemas.

 

       Posições

  

     O que já era esperado se confirmou: a Coreia do Norte continua em primeiro lugar como o país mais fechado ao evangelho há 9 anos consecutivos. A grande “surpresa” este ano foi o Iraque, que subiu 9 posições.

 

     Mais uma vez, algumas nações mudaram de posição na lista. Países como Afeganistão, Iraque, Paquistão, Vietnã, Argélia, Norte da Nigéria, Kuweit, Turquia, Marrocos, Tunísia, Síria e Quirguistão subiram no ranking por conta das difíceis condições impostas aos cristãos. Outros como Mauritânia, China, Comores, Líbia, Mianmar, Índia, Norte do Sudão, Djibuti, Cuba e Sri Lanka desceram de posição e a Malásia entrou na classificação. Caso houvesse um 51º país, esse seria a Rússia, local onde houve vários incidentes em 2010. Dez cristãos foram presos e três líderes de igrejas foram mortos por conta de sua fé. Apenas o Quênia saiu da classificação, o que não significa, necessariamente, que a situação no país tenha melhorado, mas, sim, que a perseguição em outras nações piorou a ponto de estrearem no ranking. 

1. Coreia do Norte
2. Irã
3. Afeganistão
4. Arábia Saudita 
5. Somália
6. Maldivas
7. Iêmen
8. Iraque
9. Uzbequistão
10. Laos
11. Paquistão
12. Eritreia
13. Mauritânia
14. Butão
15. Turcomenistão
16. China
17. Catar
18. Vietnã
19. Egito
20. Chechênia
21. Comores
22. Argélia
23. Nigéria (Norte)
24. Azerbaijão
25. Líbia
26. Omã
27. Mianmar
28. Kuweit
29. Brunei
30. Turquia
31. Morrocos
32. Índia
33. Tadjisquistão
34. Emirados Árabes Unidos
35. Sudão (Norte)
36. Zanzibar (Tanzânia)
37. Tunísia
38. Síria
39. Djibuti
40. Jordânia
41. Cuba
42. Belarus
43. Etiópia
44. Palestina (Território)
45. Barein
46. Quirguistão
47. Bangladesh
48. Indonésia
49. Sri Lanka
50. Malásia/Rússia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Acompanhe na página http://www.portasabertas.org.br/classificacao informações completas sobre a nova Classificação e a situação dos 10 países mais intolerantes.

Oito mortos em mais uma onda de violência religiosa na Nigéria

nigeriaJOS (Nigéria) – Jovens cristãos atacaram um carro com muçulmanos que voltavam de um casamento na cidade de Jos, no centro da Nigéria, matando sete pessoas. A ação gerou retaliações que deixaram mais uma pessoa morta. Tudo aconteceu neste sábado, dia 8.

 Foi a mais recente confusão em uma região que teve mais de 500 mortes por conflitos religiosos no ano passado, numa briga entre os considerados cristãos (católicos romanos, coptas e evangélicos) e muçulmanos.

No sábado, os ecos dos tiros na conturbada cidade de Jos, fizeram com que lojistas fechassem as portas e levassem suas famílias para se esconder. A violência começou na sexta-feira à noite, quando cristãos jovens bloquearam uma estrada que leva a uma aldeia vizinha aldeia, prendendo os muçulmanos dentro dos seus carros, disse o advogado Ahmed Garba, membro de um grupo religioso islâmico. Sete pessoas morreram no ataque e uma sobreviveu.

Onze horas depois surgiram as notícias da retaliação dos mjuçulmanos nas ruas de Jos, o que deixou pelo menos uma pessoa morta.

Manassie Panpan, secretário da Cruz Vermelha, disse que funcionários da organização humanitária encontraram várias outras pessoas feridas nas ruas. A NIgéria, um país rico em petróleo e com população de cerca de 150 milhões de pessoas, é quase que igualmente dividido entre muçulmanos no Norte e um Sul predominantemente cristão. Jos está localizado no que chamam de cinturão do meio, onde dezenas de grupos étnicos também brigam pelo controle das terras férteis.

Fonte: Msnbc.com

Menina adolescente somali é morta a tiros por aceitar Jesus Cristo como salvador

i_love_somalia_tshirt-p235296654401050875ye1a_400NAIRÓBI (Quênia) – Uma menina de 17 anos na Somália, que se converteu ao cristianismo do islamismo foi morta a tiros em um aparente “crime de honra”, disse fonte da área. Nurta Mohamed Farah, que tinha fugido da sua aldeia Bardher, região de Gedo Galgadud, para viver com parentes depois que seus pais a torturaram por deixar o islamismo, morreu no dia 25 de novembro.

 Fontes disseram que que dois homens não identificados atiraram no peito e na cabeça dela com uma pistola. Acredita-se que eles ou eram parentes ou que agiram a pedido dos familiares dela.

“O crime aconteceu pouco depois que os parentes dela souberam que a jovam havia entregue seu coração a Jesus Cristo. A maior suspeita é de que a família seja responsável pela morte. Nurta foi morta no bairro Galgadud, que fica a cerca de 200 metros de onde ela estava hospedada com parentes”.

Os familiares enterraram a jovem, que tinha sido espancada pelos pais por ter deixado o Islã. A jovem teria ficado algemada a uma árvore em sua casa, segundo fontes. Ela estava confinada na residência dos pais desde o dia 10 de maio, data em que a família descobriu que a menina tinha se convertido a Jesus Cristo.

Seus pais também a levaram a um médico que diagnosticou e prescreveu medicamentos para quem possui alguma doença mental. Alarmados com a sua determinação em manter a sua fé, seu pai, Hassan Kafi Ilmi, e a mãe, Hawo Godane Haf, decidiram que ela tinha enlouquecido e forçaram-na a tomar a droga que não alterou sua fé. Muitos somalis acreditam que o Alcorão cura os doentes, especialmente os mentais. Assim, a escritura islâmica foi recitada para ela duas vezes por semana.

Fonte: Compass Direct News

Nova onda de perseguição aos cristrãos da Eritréia

NOTÍCIAS

imgMCM_1012201012113720708Nova onda de perseguição aos cristrãos da Eritréia

 

 

As forças de segurança na região sul da Eritreia iniciaram uma campanha vigorosa para abalar os cristãos locais.

As forças de segurança encontraram uma lista de pessoas que estão envolvidas com a igreja subterrânea na Eritreia, e esta lista está sendo utilizado na “caça” aos cristãos e às suas famílias. Estima-se que até 40 homens e mulheres foram detidos, e a busca continua.

Os cristãos são extremamente vulneráveis na Eritreia, que é uma das piores do mundo em perseguição aos cristãos. Muitos destes são detidos e presos por sua fé, alguns morreram como resultado da tortura, doença e desnutrição.

Esta última onda de detenções seguinte a uma reunião em outubro, onde o governador da região, Mustafa Nur Hussein ordenou uma “limpeza de fim de ano” sobre os cristãos na região. Isto pegou os cristãos de surpresa, pois o governador já foi considerado mais compreensivo e relativamente justo em seu tratamento quanto às queixas em nome dos cristãos locais.

Pedidos de oração:

  • Ore para que o Senhor proteja o seu povo na Eritreia.
  • Ore especialmente aqueles que vivem com medo ou até mesmo tem se escondido.
  • Ore por todos aqueles que foram presos, para não serem prejudicados e sejam rapidamente liberados.
  • Ore pelas autoridades locais, para que o Senhor mova-os de acordo com o Seu propósito.

Fonte: Portas Abertas

Brasil e Portugal firmam parceria para envio de missionários

bandeiras_portugal_-_brasil_-_bomNo início deste ano foi assinado um acordo de intenções, em Portugal, entre a Convenção Batista Portuguesa – CBP e a Junta de Missões Mundiais da Convenção Batista Brasileira – CBB. O evento contou com as presenças dos pastores João Marcos Barretos Soares (Diretor Executivo da JMM), Sócrates Oliveira de Souza (Diretor Executivo da CBB) e Abel Pêgo (Presidente da CBP).

 Em recente visita ao Brasil, o pastor Abel Pêgo acertou essa parceria entre as convenções, cujo objetivo é o envio de missionários brasileiros para Portugal, a fim de revitalizar e plantar igrejas naquele país. Novamente o presidente da CBP se reuniu com a liderança batista brasileira – agora com a presença do pastor Lauro Mandira (Gerente de Missões da JMM) – e já estão agilizando os trabalhos nesse sentido.

O primeiro casal missionário, como resultado da parceria entre a CBP e Missões Mundiais da CBB, pastor José Patrício e Suely Calixto já está em Portugal. O culto de posse do casal missionário aconteceu na Igreja Baptista de Vila Real, que fica na Província de Trás-os-Montes, no norte de Portugal.

“O pastor Abel nos desafiou a enviar outros obreiros, além de plantadores e revitalizadores de igrejas para o seu país. Mas há outros desafios, como pastores-professores com doutorado para preparar líderes no Seminário de Portugal e ajudar a implantar o curso de Mestrado; líderes jovens para atuar junto às igrejas no despertamento da juventude portuguesa; missionários com conhecimento da Linguagem de Sinais para treinar obreiros portugueses a fim de evangelizar os 350 mil surdos do país”, disse o pastor Lauro.

Fonte: JMM / Gospel+

SUDÃO “Cristãos perdem posse do terreno da igreja”

sudão]Cristãos perdem posse do terreno da igreja

 

     No dia 4 de outubro a polícia no Sudão expulsou a equipe da Igreja Evangélica Presbiteriana no Sudão (SPEC, sigla em inglês) do seu escritório localizada na capital Khartoum, o que ajudou um empresário muçulmano na tentativa de apossar-se da propriedade.

     Cristãos da capital sudanesa contaram à Compass Direct News que a polícia entrou no complexo da SPEC e ordenou aos trabalhadores para sair, alegando que a terra pertencia ao negociante muçulmano Osman Al Tayeb.

     A igreja assinou um contrato com Al Tayeb estipulando os termos sob o qual ele poderia obter a propriedade – incluindo fornecer documentos legais tal como uma construção permite, e então obter a aprovação final da SPEC – mas aqueles termos permaneceram não atendidos, segundo o oficial da igreja.

     O líder da igreja, Deng Bol, disse que sob os termos do contrato não cumprido, a SPEC devolveria toda a propriedade para Al Tayeb para construir um centro de negócios no local, com a denominação para receber e repartir os lucros do comércio e recuperar a posse da propriedade após 80 anos.

     Líderes da SPEC já tinham aprovado o projeto por causa do alto risco de perder a propriedade permanentemente e empreenderam ação legal para recuperá-la. A disputa é pelo terreno de 2.232 m2 que tem sido usado para reuniões cristãs e atividades relacionadas.

     O reverendo Philip Akway, secretário geral da SPEC, disse à Compass que o governo pode ser contrariado já que as atividades cristãs têm crescido ali por muitas décadas. Os líderes da SPEC disseram que os muçulmanos têm assumido o controle de muitas outras propriedades cristãs através de estratagemas similares.

     Ante a condição de anonimato, um presbítero disse que os líderes da igreja acreditam que a propriedade entrou na antecipação de proposta de divisão norte-sul do Sudão. Com menos de três meses até o referendo de separação do país de nove de janeiro, de acordo com o Acordo de Paz de 2005, líderes da SPEC tem diversas recursos para se defender contra a interferência do governo nos assuntos da igreja, como muitos sudaneses cristãos com medo de perder a cidadania caso o sul do Sudão votem a favor da secessão.

 
Fonte: Portas Abertas

Cristão evangeliza a Turquia através da medicina

turquiaPara comemorar o dia do médico, que foi no dia 18 de outubro, a equipe do CPAD News apresenta a história de um médico cristão quem tem feito a diferença na Turquia. Ele utiliza os conhecimentos adquiridos na faculdade de medicina para ajudar a população. Mas não para por aí. Ele aproveita para falar do amor de Deus aos pacientes.

 O doutor Hamit Kaya é o primeiro plantador de igrejas no leste da Turquia. Uma vez por mês ele viaja para sua cidade natal e as suas aldeias. Ele usa a sua formação médica para atender às necessidades dos moradores.

Por ter nascido naquela região, o médico consegue transmitir a Palavra de Deus numa linguagem que todos entendem. “No primeiro dia da viagem, ele visitou grupo após o grupo, indivíduo após indivíduo, aprofundando as amizades”, conta um trabalhador da igreja Batista do Sul, que viajou com ele.

Com a ajuda dos Batistas do Sul, Kaya compra remédios de uma farmácia local e distribui à comunidade. Ele também doa alimentos básicos para as famílias, incluindo óleo de cozinha, farinha e outros produtos.

Kaya é conhecido e querido pelo chefe do hospital, pastores, professores, médicos, empresários, agricultores, comerciantes, hoteleiros, donos de restaurantes e pelo prefeito da cidade.

Ele conheceu Jesus durante um chá que tomava com um cristão na faculdade. Depois de ganhar seu diploma e ajudar feridos na Turquia, o coração de Kaya virou-se para seu próprio povo. Além do ministério da medicina, Kaya foi o primeiro plantador de igrejas indígena. E as primeiras porções das Sagradas Escrituras na língua Zaza já estão disponíveis.

Ore por Hamit Kaya para que leve o evangelho ao povo de Zaza. Ele trabalha atualmente em uma pequena cidade de 3 mil pessoas. O próximo alvo é uma pequena aldeia, que tem cerca de 30 pessoas e fica a 100 quilômetros.

Fonte: BP News/Redação CPAD News/Guiame