REVELAÇÃO POR TRÁS DA ORAÇÃO

Há uma revelação de Deus quando oramos. O Senhor nos prometeu isto: “Clama a mim, e responder-te-ei, e anunciar-te-ei coisas grandes e ocultas, que não sabes” (Jeremias 33.3). Deus não disse que simplesmente daria uma resposta ao clamor e à oração, mas que, junto à resposta, também viria revelação, ou seja, o anúncio de coisas grandes e ocultas que não sabíamos. Em outras palavras, Deus, além de responder a oração, revela mistérios.

Vemos um claro cumprimento desta palavra do Senhor no livro de Daniel. Quando Daniel achegou-se ao Senhor em oração pelo seu povo, a consequência foi que Deus lhe deu tremendas revelações sobre sua nação. Se ansiamos pela manifestação do conhecimento por revelação, temos que orar por isso. O Novo Testamento registra orações que Paulo fazia, pedindo revelação ao Senhor:

“Não cesso de dar graças a Deus por vós, lembrando-me de vós nas minhas orações: Para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos dê em seu conhecimento o espírito de sabedoria e de revelação; tendo iluminados os olhos do vosso entendimento, para que saibais qual seja a esperança da sua vocação, e quais as riquezas da glória da sua herança nos santos; e qual a sobre-excelente grandeza do Seu poder sobre nós, os que cremos, segundo a operação da força do Seu poder, que manifestou em Cristo, ressuscitando-O dentre os mortos, e pondo-O à Sua direita nos céus” (Efésios 1.16-20);

“E peço isto: que o vosso amor cresça mais e mais em ciência e em todo o conhecimento, para que aproveis as coisas excelentes, para que sejais sinceros, e sem escândalo algum até ao dia de Cristo; cheios dos frutos de justiça, que são por Jesus Cristo, para glória e louvor de Deus” (Filipenses 1.9-11);

“Por esta razão, nós também, desde o dia em que o ouvimos, não cessamos de orar por vós, e de pedir que sejais cheios do conhecimento da Sua vontade, em toda a sabedoria e inteligência espiritual; para que possais andar dignamente diante do Senhor, agradando-Lhe em tudo, frutificando em toda a boa obra, e crescendo no conhecimento de Deus; corroborados em toda a fortaleza, segundo a força da Sua glória, em toda a paciência, e longanimidade com gozo” (Colossenses 1.9-11);

“Para que os seus corações sejam consolados, e estejam unidos em amor, e enriquecidos da plenitude da inteligência, para conhecimento do mistério de Deus e Pai, e de Cristo, em quem estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e da ciência” (Colossenses 2.2,3).

Algo que frequentemente tenho feito e aconselhado outras pessoas a fazerem é transformar estas orações à Primeira Pessoa do Singular onde quer que haja pronomes. Exemplo: em vez de orar: “Que os vossos olhos sejam (…)”, você pode orar: “Que os meus olhos sejam (…)”. Entretanto, você não tem que fazer estas orações como se estivesse repetindo uma “fórmula mágica”! O ideal é que você expresse o anseio do seu coração pela revelação da Palavra, usando estas orações ou não. Uma coisa, porém, é certa: se Deus dirigiu Paulo a orar assim e até mesmo a registrar em suas Cartas que ele realmente orava por isto, então, significa que o Senhor queria dizer-nos que nós também devemos orar dessa forma e Ele responderá!

:: LUCIANO SUBIRÁ

Por que Deus não manda meu amor agora?

É muito comum no meio cristão ouvir frases sobre esperar no Senhor, principalmente quando se trata de relacionamento amoroso. Contudo, às vezes a frase “eu escolhi esperar”, entre outras variações, é citada apenas como um jargão “evangeliquês”. Afirmamos muito sobre nossa confiança em Jesus, mas no fundo do nosso coração resta o questionamento: “Por que Deus não manda o meu amor agora?”.

Talvez já tenhamos orado muito sobre o assunto e chegamos a pensar que o Senhor não quer que casemos. Ou até mesmo concluímos que Ele está “muito ocupado” resolvendo grandes causas e problemas do mundo. Calma! Deus é onipresente, onisciente e onipotente. Essa é a natureza Dele, que alcança também a sua área sentimental!

O que isso quer dizer? Quando dizemos que Deus é onipresente significa que Ele está em todo lugar, ao mesmo tempo. Ou seja, no mesmo momento que está agindo para que o evangelho chegue aos povos não alcançados, Deus pode ouvir atentamente a nossa oração, seja ela sobre o que for. Ele quer que contemos a Ele tudo o que está em nosso coração, mesmo que para nós pareça bobo ou irrelevante.

O Senhor também é onisciente. Ele sabe de tudo; contempla o presente, passado e o que há de vir. Então, compreende-se com isso que mesmo que pensemos possuir todas as características necessárias para casar, pode ser que não estejamos preparados. Deus, em sua infinita misericórdia e sabedoria, sabe perfeitamente da nossa condição.

É importante ainda ressaltar que Deus também tem missões para nós como solteiros. Isso mesmo! Tem certas experiências que apenas uma pessoa solteira vive. O Senhor quer primeiro que vivamos maravilhosas situações e sejamos completos Nele, para depois complementar as vivências de nossos futuros companheiros.

Além disso, podemos insistir em pensar que certa pessoa é a escolhida e queremos convencer o Senhor disso. Entretanto, devemos ouvir o que Deus diz, porque Ele sabe o que é melhor para nós. Ele está preparando alguém que possa realmente fazer uma união de propósitos conosco.

Saiba também que Deus é onipotente. Ele tem todo o poder! Isso quer dizer que o Senhor pode trazer alguém exatamente como você está pedindo. Entretanto, nem sempre oramos de acordo com o que realmente precisamos. Ele é soberano para lhe dar o que você de fato necessita.

Pode haver diversos motivos para que Deus ainda não tenha mandado o nosso escolhido. Contudo, nos cabe entender que Ele não se esqueceu de nós e sabe do que precisamos.

Que nos preocupemos apenas em agradar ao Senhor, pois Ele é a melhor companhia que podemos ter em nossas vidas. O restante virá com o tempo, segundo a vontade Dele!

Deleita-te também no SENHOR, e te concederá os desejos do teu coração. Entrega o teu caminho ao SENHOR; confia nele, e ele o fará” (Salmos 37.4-5)

:: Natália Celle 

10 conselhos para os jovens resistirem ao sexo antes do casamento. Por Billy Graham

O pregador batista norte-americano Billy Graham que foi conselheiro espiritual de vários presidentes americanos e é considerado um dos mais influentes escritores cristãos compartilha de dez conselhos para os jovens a cerca de cuidados para que não venham cometer o ato sexual antes do momento “certo”.

Confira abaixo os conselhos dado por Graham:

1) Evite más companhias. Se você andar com maus elementosficará dominado por eles. A Bíblia diz: “Retirai-vos do meio deles, não toqueis em coisas impuras” (II Co. 6):

2) Evite o segundo olhar. Você não pode controlar o primeiro, mas pode evitar o segundo, que se torna cobiça.

3) Discipline suas conversas. Evite piadas e histórias com sentido duvidoso. “As más conversações corrompem os bons costumes” (I Co 15:33)

4) Tenha cuidado com a maneira de vestir-se. Deve ser um assunto entre você e Deus as roupas que usa. Uma jovem recém-convertida falou: De agora em diante vou vestir-me como se Jesus fosse o meu acompanhante.

5) Escolha cuidadosamente os filmes e programas de televisão que assiste.

6) Tome cuidado com o que você lê. Muito da literatura contemporânea apela ao instinto sexual.

7) Esteja em guarda com respeito a seu tempo de folga. Davi tinha o tempo em suas mãos, viu Beteseba e caiu em complicações.

8) Faça uma regra de nunca se envolver em namoro pesado. Jovens cristãos deviam orar antes de cada encontro. A moça que tem Jesus Cristo em seu coração possui um poder sobrenatural para dizer “não” aos avanços de qualquer rapaz. E o rapaz que conhece Jesus Cristo tem poder para disciplinar sua vida.

9) Invista grande parte de seu tempo lendo as Escrituras – “Guardo no meu coração a tua palavra para não pecar contra ti”. (Sl 119:11) – Memorize versículos e quando a tentação chegar, cite-os. A palavra de Deus é a única coisa à qual satanás não pode se opor.

10) Cultive a Cristo em seu coração e vida. Deus o ama e uma forte fé Nele tem livrado a muitos homens e mulheres de cometer imoralidades (I Jo 2:14).

Por: Billy Graham

 

Lutador evangélico Vitor Belfort explica a relação entre religião e o vale-tudo

O lutador Vitor Belford explicou ao apresentador Rafinha Bastos em um programa sobre MMA no UOL como a religião e a luta podem conviver juntas. Vitor é evangélico e tem mostrado as mudanças de sua conversão dentro e fora dos ringues.

Para o porta-voz da UFC (Ultimate Fighting Championship) no Brasil, não há motivos para deixar de agradecer à Deus após nocautear um adversário já que ali estão dois atletas e não duas pessoas comuns brigando.

Vitor deixa claro que para ele a luta sempre foi um esporte e ele sempre respeitou as regras e respeitou seus oponentes. Ele conta que começou a praticar esportes com 4 anos de idade e que a primeira coisa que se aprende é o respeito físico e moral.

O apresentador questionou Vitor sobre os motivos que o leva a agradecer a Deus quando termina a luta, se ele acabou de bater em uma pessoa. “Não é bater, é uma competição”, explica o lutador. Ele diz também que só agradece por aquilo que ele vive. “É hipocrisia agradecer a Deus e bater no filho, e trair a esposa”, completa.

Vitor que agora frequenta uma igreja em Las Vegas, onde mora com a esposa e os três filhos, aproveita o tema e envia uma mensagem para os evangélicos e pastores. “Se você agradece a Deus, se você coloca Jesus no peito, mas vai para boate, beber, encher a cara e trair sua esposa, você é hipócrita.”

O esposo de Joana Prado deixa bem claro que a luta é o trabalho dele e que ele faz tudo correto, vivendo aquilo que ele prega.

 

Jovens lutam para despertar a igreja evangélica no Japão

Na igreja ou em pé em uma esquina, não importa. Onde quer que estejam os membros da Igreja da Graça de Tóquio, no Japão, eles sempre aproveitam a oportunidade para cantar louvores. Os jovens dessa congregação fazem parte de um movimento de juventude que muitos cristãos japoneses têm participado com a tentativa de reavivar a igreja japonesa.

Glen Nabarrete, que serve como o pastor da Graça Tóquio, nasceu e cresceu no Havaí. Ele e sua família responderam ao chamado de Deus para o Japão em 1992.

A igreja japonesa fica menor a cada dia. A média de culto é de 30 pessoas, mas em muitas existem menos de 10 membros.

O historiador cristão japonês Masakazu Suzuki diz que as igrejas tradicionais estão desaparecendo. “Depois da guerra, muitos soldados americanos cristãos que vieram para o Japão mais tarde voltaram para cá como missionários. Então, depois da guerra, as igrejas japonesas cresceram muito”, disse Suzuki.

“Agora, depois de 50, 60 anos, muitos pastores estão ficando mais velhos, se aposentando. Além disso, muitos membros estão ficando mais velhos também”, disse ele.

Como a maioria dos cristãos, Suzuki acredita que Deus está usando os recentes desastres para abrir o coração do povo japonês. “Em centros de evacuação cristã, muitas pessoas de idade morreram. Mas, através de seu amor e da unidade, alguns membros da família que os visitaram tornaram-se cristãos. Mais de 15 deles foram batizados no mês passado”, Suzuki disse.

Despertar Espiritual

Houve mais de 1.200 tremores desde o terremoto de 11 de março e não poderia haver mais, mas os cristãos aqui estão orando por outro tipo de tremor: o despertar espiritual do povo japonês.

O empresário Yuto Matsumoto viu como o poder de Deus restaurou o seu casamento. “Eu trabalhava muito e não dava atenção para a minha família. Sua filha, que é cristã, o visitou em Nova York, para onde ele havia se mudado, e levou-o a assistir ao filme “Paixão de Cristo” na Páscoa. Depois, de volta ao Japão, ela o trouxe à igreja e a sua família tem estado junta desde a conversão dele ao cristianismo.

“Durante a pregação, eu não conseguia parar de chorar. Eu não sabia o por quê. Logo após o serviço, fui ao pastor Scott e perguntei como eu poderia me tornar um cristão. Isso foi em abril de 2004. Aceitei a Jesus como Senhor. Era o começo da minha nova vida”.

Dois anos atrás, Matsumoto,que havia se separado da sua esposa, hoje tem uma relação harmoniosa com Cristo no centro de seu casamento.

Ele também compartilha sua fé com seus colegas no trabalho. “É muito difícil, especialmente para o empresário, porque esses japoneses foram ensinados a acreditar em seu poder, ou em si mesmo”, disse ele.

No entanto, Matsumoto convida seus colegas de trabalho para visitarem a igreja Graça Tokyo, onde ele serve como um intérprete.

A alegria de Deus

Pastor Nabarrete e sua família responderam ao chamado de Deus para o Japão em 1992. “Na nossa igreja existe a realidade da alegria em servir a Deus. Eu acho que isso é uma qualidade que Deus quer trazer a esta nação”, afirma.

“Aqui os jovens também servem. Nós os deixamos trabalhar, pregar, louvar. Eles querem participar do crescimento da igreja”, afirma o pastor.

Os jovens saem para espalhar o amor de Deus, cantando músicas gospel na rua, mesmo quando repreendidos pela polícia. “A idéia é apenas louvor e adorar na rua e deixar que Deus mova a vida das pessoas e toque alguém que está próximo. Falamos com eles e os convidamos a ir à igreja”, disse o líder da juventude Gerwin Echegoyen.

“Quando me mudei em 1992, o crescimento da igreja era muito pequeno”, disse Nabarrete. “Nossa igreja em Yokohama tinha aumentado cerca de 30 pessoas em 10 anos. Então, para nós da Tóquio Graça, que em dois anos tivemos 60 novos crentes, é fenomenal. Deus tem sido misericordioso para nós”.

Os jovens cristãos crêem que através do envolvimento, as igrejas mais antigas do Japão podem ficar repletas de jovens novamente e outras igrejas que morreram podem renascer.

Movimento evangélico “Eu Escolhi Esperar”, sobre “santidade em relacionamentos”, ganha grande repercussão em mídias seculares

A Mobilização Nacional que visa santidade e pureza nos relacionamentos já foi notícia aqui no G+, revista Época e Galileu, fora outros canais regionais e dezenas de sites. Tal repercussão foi dada devido a influência que a rede MOB (Mobilizando o Brasil) causou no meio de muitos  jovens usuários de redes  sociais e consequentemente espalhando a tal “moda” no Brasil (como foi dito por muitos), em tão curto espaço de tempo, assim que a campanha “Eu Escolhi Esperar” foi lançada no Twitter .

O Twitter da mobilização Eu Escolhi Esperar está com quase cinco meses no ar e com 25.000 seguidores. Nesta semana o tema foi novamente um dos mais comentados nos twitter por dois dias, chegando ao topo de trending topics. Na última segunda-feira, 4 de julho, o ministério realizou uma entrevista ao vivo por vídeo com o cantor Lucas Souza (que assim como a banda Palavrantiga tem vestido a camisa da campanha), logo após as 22h16 lá estava novamente “Eu Escolhi Esperar” nos TT’s do Brasil, onde permaneceu até as 20h da noite de terça-feira (5 de julho) – mais de 20 horas no ar e na quarta-feira após as 21h voltou aos trending topics, ocupando o 1° lugar após as 24h .

Os jovens que tem se posicionado e buscado um direcionamento junto com a mobilização expressam um sentimento de verdadeira liberdade, ainda que tenham errado no passado. Segundo o pastor Nelson Jr. “o inimigo de nossas almas tenta gerar culpa, remorso e acusação, porém, Jesus é libertador e purifica o homem de todo pecado. Os erros de ontem não tiram a preciosidade da decisão que é tomada no hoje. Não há condenação para aqueles que estão em Cristo”.

Existem ainda aquelas situações de mães solteiras e pessoas que já viveram um casamento e por algum motivo não estão mais dentro dele, decidindo depois tomar um posicionamento e esperar por aquele(a) que Deus tem preparado, porém, muitas vezes dentro das igrejas ainda não existe um preparo para tratar destas pessoas. Neste tipo de situação, a mobilização vem preparando um material de estudos devocionais, que visam cooperar com a igreja local. Segundo o movimento “este material fortalecerá o jovem cada vez mais em Deus e também na sua decisão de esperar, pois ter apenas a boa intenção não é suficiente para vencer as tentações, é necessário realmente um suporte de liderança, além de uma série de atitudes que nos empurre a tal objetivo, entre elas, uma vida de comunhão com Deus”.

A rede de mobilizações tem recebido dezenas de testemunhos diários de jovens a respeito de como tem sido abençoados através dela, também e-mails de pais agradecendo pela dedicação em restaurar os valores de Deus para seus filhos e até mesmo um retorno de jovens não convertidos falando que depois de acompanharem matérias e post’s a respeito da campanha “Eu Escolhi Esperar” começaram a rever seus conceitos. “Isso é mais gratificante do que está no TT (Trending Topics do Twitter)” relata o coordenador e pastor Nelson Jr.

Na próxima terça-feira (12/07/2011) será realizada uma nova twitticam a partir das 22h00, trazendo como tema “A Espera”, com o Pastor Teófilo Hayashi da Dinamus – São Paulo e novamente, participação especial do Lucas Souza.

 

 

 

Na internet:
Site: www.euescolhiesperar.com
Twitter: @EscolhiEsperar

Com o corpo cheio de tatuagens, pastora sobe ao púlpito e prega para jovens

pastora-tatuadaA pastora Nadia Bolz-Weber, 42, começou a exercer sua vocação em uma igreja histórica, mas de forma não convencional. Hoje ela serve em uma igreja do Colorado, um dos Estados americanos com maior concentração de evangélicos.

 

Na última Páscoa ela foi convidada pregar numa cerimônia para cerca de 10 mil pessoas no famoso anfiteatro Red Rocks, onde a banda de rock U2 já gravou um disco ao vivo.

Ela tem uma grande audiência para seu sermões através de seu blog e conta no Twitter, sendo elogiada por grande parte do movimento cristão progressista americano. Ela se descreve no blog como “Uma luterana sarcástica… A espiritualidade mal-humorada de uma mulher pós-moderna… numa igreja emergente a la Lutero”.

Ela já foi garçonete e humorista de espetáculos stand up Hoje ela dirige a igreja House of All Sinners and Saints [Casa de todos os santos e pecadores], que ajudou a fundar enquanto ainda estudava no seminário Iliff School of Theology.

Embora seu público médio aos domingos seja menos de 100 membros, na grande maioria jovens, a influência exercida por ela vai muito além das paredes do templo. Bolz-Weber afirma que sua igreja é “anti-excelência e pró-participação “.

Ela afirma que não deseja ter uma mega-igreja. ”Jesus quer que você seja rico” atrai pessoas. Mas o conforto não é um dom do Espírito Santo. A mensagem que prego de “Venha e morra para si mesmo nunca vai fazer sucesso”, disse ela.

A pastora resume a missão de sua pequena igreja como “um grupo de pessoas tentando descobrir como serem litúrgicos, cristocêntricos, que lutam pela justiça social, aceitam homossexuais, uma igreja encarnada, contemplativa, irreverente, progressiva, mas profundamente enraizada na imaginação teológica “.

“Eu realmente não tenho a personalidade que se espera de um pastor”, diz ela. Ela tatuou todo o ano litúrgico nos braços e explica sua opção: “Comecei com uma imagem da Criação e do cosmos, logo abaixo vem o anjo Gabriel descendente. Isabel grávida e Zacarias estão perto da cena da Natividade: Maria, José e Jesus, juntamente com um burro e uma vaca. Em seguida, vem Jesus no deserto (Quaresma), seguido de imagens da Sexta-Feira Santa e da Crucificação. A próxima cena é o anjo e as mulheres ao túmulo vazio, na Páscoa, e a imagem final é Maria e os apóstolos com chamas na cabeça, no dia de Pentecostes. Há também imagens de Maria Madalena e da ressurreição de Lázaro, que ela afirma refletirem o que aconteceu em sua própria vida. Para ela, as tatuagens são “uma forma de colocar para fora quem somos por dentro”.

“Eu não as fiz pensando intencionalmente: “ah, com isso eu posso tentar atrair as pessoas”. Eu sou quem sou. Para mim, evangelismo é sermos autenticamente quem somos, agentes da história onde Deus nos colocou… ”

Apesar de seu visual de cantora de rock, a liturgia do culto é tradicional, com cânticos e antigos hinos tradicionais cantados a capela. Mas os membros repartem as leituras e são estimulados a criar a sua própria arte.

“Não fazemos nada realmente bem-feito”, disse ela, “mas fazemos juntos.” A maioria de seu rebanho não frequentava regularmente a igreja, quando ela começou a se reunir com eles, alguns eram ex-evangélicos feridos ou simples “curiosos”, como ela se denomina.

“Fiquei fora da igreja durante 14 anos. Eu não queria ter nada a ver com isso”, explica. “Eu odiava o cristianismo… Eu não gostava de sua arrogância.”

Quando jovem, tornou-se alcoólatra e usou drogas. Limpa e sóbria há 19 anos, ela diz que um despertar levou ao outro. Participou de outras igrejas, mas acabou escolhendo a Luterana depois de conhecer seu marido, Matthew Weber que também é pastor luterano, mas de uma linha mais conservadora. Eles casaram em 1996, e hoje tem dois filhos pré-adolescentes.

“Todos nós somos pecadores e santos ao mesmo tempo. Vivemos em resposta à graça de Deus. Ninguém está acima dos outros numa escala espiritual.”

Diferente do casal real, pastores aconselham sobre esperar no Senhor

size_590_Kate-Middleton-principe-William4Desde a infância, as mulheres são bombardeadas com a figura do príncipe encantado. Filmes, desenhos, livros, tudo remete ao encontro da princesa com seu esperado homem perfeito. Nesta sexta-feira, 29 de abril, a inglesa Kate Middleton realiza seu próprio conto de fadas se casando com seu namorado de longa data, William de Gales, o primogênito de Lady Diana e do príncipe Charles, e herdeiro do trono da Inglaterra. A história é narrada como um perfeito romance, um grande sonho. Mas, os tais contos de fadas realmente existem? Sonhar com o ‘prometido’ de Deus, é a mesma coisa que esperar um príncipe perfeito e encantado?    

     “A figura do príncipe encantado alimentada pelos filmes nos faz pensar que o príncipe nunca teve dificuldades na administração do castelo, ou problemas com seus súditos, nem mesmo esqueceu um compromisso com a princesa. Isso gera a falsa expectativa do ‘perfeitinho’”, explica Sueli Teixeira de Lima Mendonça, a Suka, líder do Projeto MAG Brasil (Marcando a Geração), ministério de jovens da igreja Comunidade da Graça. Na liderança ao lado de seu marido, Fernando Diniz, ela acredita na importância de um relacionamento que busca obedecer e agradar a Deus.

         A Bíblia fala sobre confiar e esperar. Segundo Sueli, quando a voz de Deus deixa de ser ouvida, os desejos do coração acabam ficando confusos e podem enganar. “Jeremias 7:9 fala que o coração é mais enganoso que qualquer outra coisa. A falta de foco nessa fase pode causar a troca do melhor de Deus pelo disponível”. Por isso, é importante que a espera seja marcada pela sabedoria e pela busca ao Espírito Santo.

 

     De qualquer forma, a espera é difícil e a ansiedade pode tomar conta do coração, tirando o foco principal da vida. A insistência na procura por um relacionamento amoroso pode trazer frustração, situações difíceis, tristeza e arrependimento. Além de poupar o sofrimento, as atitudes no ‘antes’ são importantes para um futuro relacionamento. A aflição pode representar a falta de confiança nos planos de Deus e acaba nos fazendo ignorar sinais importantes que expressam a vontade divina. “Quantas moças acabam trazendo marcas por más escolhas! Algumas seguem repetindo os mesmos erros na intenção de finalmente encontrar o homem perfeito. A melhor decisão, porém, é entender que muitas vezes é melhor estar só pra que possamos saber o que Deus quer tratar em nós de maneira individual”, comenta.

 

     Algumas princesas, no entanto, optam por viver sem o tão esperado príncipe. Quanto a isso, Suka acredita num verdadeiro desejo e não numa determinação. “É uma escolha e uma decisão individual que deve ser tomada com convicção e alegria”. A líder esclarece que a importância está em servir a Deus com o que se tem de melhor, seja acompanhada ou não.

 

     Às vezes, a espera é mais longa para algumas. A apreensão e o medo de não encontrar alguém que garanta companhia, cumplicidade e proteção podem gerar fragilidade e baixa auto-estima, deixando as mulheres vulneráveis. “Na ânsia de fazermos as coisas do nosso jeito, muitas vezes nós mesmos nos damos a confirmação do que queremos. Daí a importância de avaliarmos qual é a real motivação do nosso coração quando damos qualquer passo na nossa vida”. O foco e a confiança são sempre importantes e fazem a diferença.

 

     A entrega e consagração a Deus devem acontecer antes do início do relacionamento, assim será um diferencial. Sueli destaca a busca da realidade e os ‘pés no chão’. “Os melhores namoros saem das melhores amizades, por isso seja mais amiga e procure olhar mais ao seu redor. Procure fazer planos com alguém que valorize vidas. A história do príncipe encantado parece muito atraente, mas na realidade a graça está na construção de um relacionamento de respeito, amor, amizade, renúncia, confiança e disposição pra juntos servirem com referencial. O compromisso com o Reino é a melhor parte dessa história. Então avalie seu coração, veja o que realmente tem sido valor pra você, dê frutos e marque sua geração”. Ela ainda finaliza, “confie, deleite-se, entregue e descanse no Senhor”.

Cresce o número de jovens e adolescentes vivendo um cristianismo falso, afirma Pastora

thumbSe você é pai ou mãe de um adolescente cristão, Kenda Creasy Dean faz um alerta: seu filho está seguindo uma forma mutante de cristianismo e você pode ser o responsável.

Dean afirma que cada vez mais adolescentes estão adotando o que ela chama de “deísmo moralista-terapêutico”. Tradução: uma fé enfraquecida que mostra Deus como um “terapeuta divino”, cujo principal objetivo é aumentar a auto-estima das pessoas.

almost É crescente o número de conversões falsas entre adolescentes cristãosDean é pastora, professora do Seminário Teológico de Princeton e autora de Almost Christian, [Quase cristão]. Seu livro argumenta que muitos pais e pastores estão propagando inconscientemente essa forma egoísta de cristianismo. Ela afirma que essa fé “impostora” é uma razão pela qual os adolescentes abandonam as igrejas.

“Se este é o Deus que eles estão vendo na igreja, então estão certos em querer nos abandonar”, diz Dean. “As igrejas não dão motivos suficientes para eles se sentirem motivados.”

Características comuns dos jovens apaixonados pelo que fazem

Dean tirou suas conclusões no que ela chama de um dos verões mais deprimentes de sua vida. Ela entrevistou adolescentes sobre sua fé depois de ajudar a realizar uma pesquisa para o controverso “Estudo Nacional da Juventude e Religião”.

Este estudo, que incluiu entrevistas feitas em profundidade com pelo menos 3.300 adolescentes americanos entre 13 e 17 anos, concluiu que a maioria dos adolescentes que afirmavam ser cristãos eram indiferentes sobre sua fé e não se envolviam com ela.

O estudo incluiu cristãos de todas as classes – desde católicos até evangélicos, de denominações conservadoras e também das mais liberais. Os números finais indicam que embora 3 em cada 4 adolescentes americanos (75%) se declarem cristãos, menos da metade pratica sua fé, apenas metade a considera importante e a maioria não consegue falar de maneira coerente sobre suas crenças.

Muitos adolescentes pensam que Deus quer apenas que eles se sintam bem e que façam o bem – algo que os pesquisadores chamaram de “deísmo moralista-terapêutico”.

Alguns críticos disseram à pastora Kenda Dean que a maioria dos adolescentes não consegue falar coerentemente sobre qualquer assunto profundo, mas ela argumenta que existem estudos em abundância mostrando que isso não é verdade.

“Eles têm muito a dizer. Eles podem falar sobre dinheiro, sexo e suas relações familiares com detalhes. A maioria das pessoas que trabalha com adolescentes sabe que eles não são naturalmente desarticulados”, afirma Dean.

Em Almost Christian, Dean fala com os adolescentes que são envolvidos com sua fé. A maioria vem de igrejas mórmons e evangélicas, que tendem a realizar um trabalho melhor no sentido de gerar nos adolescentes uma paixão pela religião.

A escritora disse que adolescentes cristãos comprometidos compartilham 4 características, não importando suas origens: eles têm uma experiência pessoal com Deus, um envolvimento profundo com uma comunidade espiritual, um senso de propósito e um senso de esperança quanto ao futuro.

“Existem incontáveis estudos que mostram que adolescentes religiosos têm melhores notas na escola, têm relações melhores com os pais e se envolvem menos em comportamentos de alto risco. Eles fazem um monte de coisas pelas quais os pais oram”, escreve ela.

Dean é uma pastora ordenada pela Igreja Metodista Unida e que diz que os pais são a influência mais importante na fé dos filhos. Por isso, coloca sobre os adultos a responsabilidade maior pela apatia religiosa dos adolescentes.

Alguns adultos não esperam muito dos pastores e líderes de jovens. Os pais simplesmente esperam que os pastores mantenham os jovens longe das drogas e do sexo antes do casamento. Outros ensinam um “evangelho legal”, no qual a fé consiste simplesmente em fazer o bem e não machucar os outros. Não se ouve sobre o chamado cristão para correr riscos, testemunhar e se sacrificar pelos outros, conclui Dean.

“Se os adolescentes carecem dessa articulação da fé, possivelmente é porque a fé que mostramos a eles é muito fraca para merecer mérito durante a conversa”, escreveu Dean, com a autoridade de quem é professora de Juventude e Cultura Eclesiástica no Seminário Teológico de Princeton.

teen guide É crescente o número de conversões falsas entre adolescentes cristãosMais adolescentes podem estar se desviando do cristianismo convencional, mas seu desejo de ajudar os outros não diminuiu, afirma Barbara A. Lewis, autora de The Teen Guide to Global Action [Guia dos Adolescentes para Ação Global]. Ela diz que Dean está certa – muitos adolescentes estão adotando uma crença distorcida sobre quem é Deus.

No entanto, houve uma “explosão” no envolvimento dos jovens desde 1995, o que Lewis atribui a mais escolas enfatizando a necessidade de serviço comunitário. Adolescentes menos religiosos não são automaticamente menos compassivos, afirma.

“Vejo um aumento na paixão dos jovens para fazer deste mundo um lugar melhor. Muitos jovens estão buscando a solução dos problemas. Eles não estão esperando pelos adultos”, conclui Lewis.

O que os adolescentes dizem sobre seus colegas

Elizabeth Corrie encontra alguns desses adolescentes idealistas em todos os verões. Ela adotou o desafio central do livro de Lewis: incutir a paixão religiosa nos adolescentes.

Corrie, que já foi professora de religião do ensino médio, hoje dirige um programa chamado YTI – Youth Theological Initiative [Iniciativa Teológica da Juventude] da Universidade de Emory, na Geórgia.

O YTI funciona como um curso rápido de treinamento teológico para os adolescentes. Pelo menos 36 estudantes do ensino médio de todo o país reúnem-se para três semanas de formação cristã. Eles adoram a Deus juntos, visitam diferentes comunidades religiosas e participam de projetos comunitários.

Corrie diz que não há escassez de adolescentes que desejam ser inspirados e fazer deste um mundo melhor. Mas o cristianismo que alguns aprenderam não os inspira “a mudar alguma coisa que não está funcionando no mundo”.

“Adolescentes querem ser desafiados; eles querem que suas perguntas difíceis sejam levadas em consideração. Achamos que eles querem bolo, mas eles realmente desejam bife com batatas fritas, e nós continuamos a lhes dar bolo”, acredita Corrie.

Estudante de uma escola em Atlanta, David Wheaton diz que muitos de seus colegas não estão motivados com o cristianismo porque não conseguem ver o retorno disso. ”Se eles não conseguem ver benefícios imediatos, acabam se mantendo longe. Eles não querem fazer sacrifícios”, afirma.

Como pais radicais instigam a paixão religiosa em seus filhos

Não são apenas os pais, as igrejas também compartilham a culpa pela apatia religiosa dos adolescentes, afirma a professora Corrie.

Ela diz que os pastores muitas vezes pregam uma mensagem de segurança que pode atrair um número maior de fiéis. O resultado: mais pessoas bocejando nos bancos. ”Se a sua igreja não consegue sobreviver sem um certo número de membros comprometidos, você acaba não querendo pregar uma mensagem que possa irritar as pessoas. Todo mundo vai concordar se você apenas disser que devemos ser bons e que Deus recompensa os que são bons”, conclui Corrie.

Parafraseando a autora de Almost Christian, Corrie enfatiza que o evangelho da gentileza não consegue ensinar os adolescentes a enfrentar uma tragédia.

“Não consegue suportar o peso de questões mais profundas: Por que meus pais estão se divorciando? Por que meu melhor amigo cometeu suicídio? Por que, nesta economia, eu não consigo o emprego bom que me foi prometido se fosse um criança estudiosa?”

O que um pai pode fazer então? “Seja radical”, responde Dean.

Ela diz que os pais que fazem algum ato radical de fé na frente de seus filhos transmitem mais do que um grande número de sermões e viagens missionárias.

Um ato radical de fé poderia envolver algo simples como passar um verão na Bolívia trabalhando em um projeto de renovação agrícola ou recusar uma oferta de emprego mais lucrativa para ficar em uma igreja que está passando por lutas, aponta Dean.

Mas não é suficiente ser radical – os pais devem explicar que “esse é o modo como cristãos vivem”. ”Se você não disser que está fazendo isso por causa de sua fé, seus filhos dirão que os pais são realmente pessoas legais. Não se entende que a fé deveria fazer você viver de forma diferente, a menos que os pais ajudem os filhos a perceber isso”, diz Dean.

“Eles me ligaram quando eu estava sem opções”

Anne Havard, uma adolescente de Atlanta, pode ser considerada radical. Uma jovem cuja fé parece estar incendiada. Ela participou do programa da universidade Emory. Hoje, fica emocionada quando fala sobre a possibilidade de ensinar teologia futuramente e cita estudiosos de peso, como o teólogo Karl Barth.

Ela está tão entusiasmada com sua fé que, após ouvir uma questão, dispara uma resposta de 5 minutos antes de parar e rir: “Desculpe, já falei demais”.

Havard diz que sua fé tem sido alimentada pelo que Dean chama em Almost Christian “uma comunidade de fé relevante”.

Em 2006, o pai de Havard foi vítima de uma forma rara de câncer. Em seguida, perdeu uma das suas melhores amigas – uma jovem na flor da vida – também para o câncer. Foi aí que sua igreja e seu pastor entraram em cena. Segundo ela: ”eles me ligaram quando eu estava sem opções”.

Quando questionada sobre como sua fé se manteve após perder o pai e sua amiga, Havard não ficou procurando palavras como alguns dos adolescentes em Almost Christian.

Ela diz que Deus falou mais quando se sentiu sozinha – como Jesus deve ter se sentido na cruz. “Quando Jesus estava na cruz clamando: ‘Meu Deus, por que me abandonaste”?’ Jesus era parte de Deus”, diz ela. “Então, Deus sabe o que significa duvidar. Está tudo bem passar em uma tempestade, ter dúvidas, porque Deus também estava lá”.

Fonte: Pavablog

Estudantes ateus americanos dão revista pornô em troca de Bíblia

imagesCAMMR3UIEstudantes ateus americanos dão revista pornô em troca de Bíblia

     Pelo segundo ano consecutivo, estudantes da Universidade de Santo Antônio, no Texas (EUA), promovem o Smut for Smut (Porcaria por Porcaria): dão uma revista pornográfica em troca de uma Bíblia. Eles compõem o grupo Agenda Ateísta.

      A estudante Kyle Bush disse que o objetivo da permuta é mostrar que a Bíblia, Alcorão e Torá são piores do que publicações pornográficas, porque causam mais danos à humanidade.

    Ela disse que a Bíblia está repleta de violência, como genocídio e infanticídio, e de práticas sexuais reprováveis, como o incesto e o abuso de crianças.

    No ano passado, estudantes cristãos protestaram contra o  Smut for Smut e pediram à universidade que impedisse o evento. A reitoria informou que nada podia fazer, porque os ateus não estavam desrespeitando nenhuma lei.

    Neste ano, poucas pessoas têm feito a troca, mas para a Agenda Ateísta o importante é que ela, com a manifestação, está conseguindo visibilidade na imprensa, atraindo novos sócios, conforme ocorreu em 2010.
Fonte: Bule Voador

Estudo comprova que casais que só fazem sexo depois do casamento tem relacionamento e vida sexual mais feliz

casais

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Casais que esperam para ter relações sexuais depois do casamento acabam tendo relacionamentos mais estáveis e felizes, além de uma vida sexual mais satisfatória, segundo um estudo publicado pela revista científica Journal of Family Psychology, da Associação Americana de Psicologia.

Pessoas que praticaram abstinência até a noite do casamento deram notas 22% mais altas para a estabilidade de seu relacionamento do que os demais.

As notas para a satisfação com o relacionamento também foram 20% mais altas entre os casais que esperaram, assim com as questões sobre qualidade da vida sexual (15% mais altas) e comunicação entre os cônjuges (12% maiores).

Para os casais que ficaram no meio do caminho – tiveram relações sexuais após mais tempo de relacionamento, mas antes do casamento – os benefícios foram cerca de metade daqueles observados nos casais que escolheram a castidade até a noite de núpcias.

Mais de duas mil pessoas participaram da pesquisa, preenchendo um questionário de avaliação de casamento online chamado RELATE, que incluía a pergunta “Quando você se tornou sexualmente ativo neste relacionamento?”.

Quantidade de jovens e adultos abandonando o cristianismo bate recorde

broken-crossSociólogos estão vendo acontecer entre os jovens adultos dos EUA uma grande mudança: o abandono do cristianismo. Uma resposta honesta requer um exame deste êxodo e alguns questionamentos sobre os motivos desta mudança. Estudos recentes trouxeram à luz esta questão. Entre os resultados divulgados pela American Religious Identification Survey [Pesquisa de Identificação da Religião nos EUA], um aspecto merece destaque.

 A porcentagem de americanos que afirmam ser “sem religião” quase duplicou em duas décadas, De 8,1%, em 1990, chegaram a 15% em 2008. Essa tendência não está limitada a uma região. Os “sem religião”, cuja resposta à pergunta sobre afiliação religiosa foi “nenhuma”, foi o único grupo que cresceu em todos os estados americanos, incluindo o conservador “cinturão bíblico” no sul.

Os “sem religião” são mais numerosos entre os jovens: 22% dos entrevistados entre 18 a 29 anos alegaram não ter religião, em contraste com os 11% de 1990. O estudo também descobriu que 73% deles cresceram em famílias religiosas, sendo que 66% foram descritos pelo estudo como “desconvertidos”. Outros resultados da pesquisa foram ainda mais desanimadores. Em maio de 2009, durante o Fórum Pew sobre Religião e Vida Pública, os cientistas políticos Robert Putnam e David Campbell apresentaram uma pesquisa feita para seu livro American grace, lançado recentemente.

Eles relatam que “os jovens americanos estão abandonando a religião em um ritmo alarmante, de cinco a seis vezes a taxa histórica (hoje, entre 30% e 40% não têm religião, contra 5% a 10% da geração passada)”. Houve uma queda correspondente na participação em igrejas. Segundo o centro de pesquisas Rainer, aproximadamente 70% dos americanos deixam de se envolver com a igreja entre os 18 e 22 anos. O Grupo Barna estima que 80% daqueles que foram criados na igreja serão “desligados” ao completar 29 anos.

David Kinnaman, presidente do Grupo Barna, descreve essa realidade em termos alarmantes: “Imagine uma foto do grupo de jovens que são membros de sua igreja (ou fazem parte da comunidade de crentes) em um ano qualquer. Pegue um pincel atômico grande e risque três de cada quatro rostos. Este é o número provável de desligamentos espirituais durante as próximas duas décadas “.

Em seu livro Não Cristão, Kinnaman baseou suas descobertas em milhares de entrevistas que fez com jovens adultos. Entre suas muitas conclusões está a seguinte: “A ampla maioria das pessoas de fora [da fé cristã] neste país, particularmente entre as gerações mais jovens, na verdade são indivíduos sem igreja”. Ele relata que 65% dos jovens entrevistados dizem ter assumido um compromisso com Jesus Cristo em algum momento. Em outras palavras, a maioria dos que hoje são incrédulos são antigos amigos e adoradores de Jesus, foram crianças que uma dia o aceitaram.

Para esclarecer o discurso de Kinnaman, o problema hoje não são os “não cristãos”, mas os muitos ex-cristãos. Ou seja, não se trata de um “povo não alcançado.” Eles são nossos irmãos, irmãs, filhos, filhas e amigos. Eles já estiveram vivendo entre nós na igreja.

Em seu recente livro Cristãos são hipócritas cheios de ódio… e outras mentiras que lhes contaram, o sociólogo Bradley Wright diz que essa tendência de os jovens abandonarem a fé em números recordes é “um dos mitos” do cristianismo contemporâneo. Wright vai na contramão, dizendo que cada geração é vista com desconfiança pelos mais velhos. Embora reconheça que “não podemos saber ao certo o que vai acontecer”, ele acredita que a melhor aposta é que a história vai se repetir: “…os jovens geralmente abandonam a religião organizada quando saem de casa e se desligam da família, mas voltam quando começam a formar suas próprias famílias”.

Então, jovens de 20 a 30 e poucos anos estão abandonando a fé, mas por quê? Quando pergunto às pessoas da igreja, recebo alguma variação desta resposta: compromisso moral. Uma adolescente vai para a faculdade e começa a frequentar festas. Um jovem decide morar com sua namorada. Logo, os conflitos entre a fé e o comportamento tornam-se insuportáveis. Cansados de ter a consciência pesada e não querendo abandonar um estilo de vida pecaminoso, optam por abandonar seu compromisso cristão. Podem citar o ceticismo intelectual ou as decepções com a igreja, mas isso é mais uma espécie de cortina de fumaça para a esconder a verdadeira razão. “Eles mudam de credo para coincidir com suas obras”.

Existe alguma verdade nisso, mais do que a maioria dos jovens que seguiram esse caminho gostaria de admitir. A vida cristã fica mais difícil ao enfrentar muitas tentações. Durante o ano passado, fiz entrevistas com dezenas de ex-cristãos. Apenas dois foram honestos o suficiente para citar questões morais como a principal razão do abandono da fé. Muitos experimentaram crises intelectuais que pareciam, convenientemente, coincidir com um estilo de vida fora dos limites da moralidade cristã.

O que os afastou na maioria das vezes? Os motivos de cada um são particulares, mas percebi nas entrevistas que a maioria foi exposta a uma forma superficial de cristianismo que acabou “vacinado-os” contra uma fé autêntica. Quando o sociólogo Christian Smith e sua equipe examinaram a vida espiritual dos adolescentes americanos, encontraram a maioria deles praticando uma religião que seria melhor descrita como “deísmo moralista terapêutico”. Colocam assim Deus como um Criador distante, que abençoa as pessoas “boas, legais e justas”. Seu objetivo principal é ajudar os crentes a “serem felizes e sentirem-se bem”.

A resposta cristã
As razões para o abandono são complexas. Uma parte significativa tem a ver com a nova cultura que vivemos e há muito a ser pensado sobre isso. Mas os membros das igrejas ainda têm controle sobre pelo menos uma parte do problema: o tipo de resposta dada.

Enquanto ficam perplexos, e com razão, ou mesmo arrasados, quando veem entes queridos se afastarem, não deveriam deixar que a tristeza tome conta deles. Conversei com um pai que estava deprimido ao ver seu filho adulto abandonar a fé. Ele disse que seu filho estava metido “em coisas satânicas”. Depois de uma pequena sondagem, descobri que o filho na verdade era um politeísta. Ele amava Jesus, mas via-o como uma figura em um panteão de seres espirituais. Ou seja, algo muito distante da avaliação de seu pai.

Ao falar com quem abandonou a fé, geralmente os cristãos têm uma dessas duas reações opostas e igualmente prejudiciais: partem para a ofensiva, dando um sermão cheio de julgamento ou ficam na defensiva, não se envolvendo no problema.

Observei durante as entrevistas outro padrão inquietante. Quase todos com quem falei lembraram que, antes de abandonar a fé, eram interrompidos quando expressavam suas dúvidas. Alguns foram ridicularizados na frente de colegas por causa de suas “perguntas insolentes”. Outros dizem ter recebido respostas banais às suas perguntas e foram repreendidos por não aceitá-las. Um deles recebeu literalmente um tapa na cara.

Em 2008, durante a reunião da Associação Americana de Sociologia, estudiosos das Universidades de Connecticut e do Oregon relataram que “a contribuição mais comum para a desconversão dos entrevistados foi os cristãos aumentarem as dúvidas já existentes”. Os “desconvertidos” afirmam ter “compartilhado suas dúvidas crescentes com amigo ou membro da família cristãos, apenas para ouvir respostas banais e inúteis”.

Mídia social é usada para divulgar o evangelho em países fechados ao cristianismo

midia_socialEm junho de 2009, os jovens iranianos utilizaram mídias como o twitter, e-mails, enviaram fotos e postaram vídeo em meio a agitação pós-eleitoral. Esse movimento ficou conhecido na primeira vez em que jovens se envolveram numa cyberguerra contra as autoridades que estavam tentando controlar a informação sobre a eleição presidencial do país.

 Ativistas usaram mensagens de texto, e-mail, blogs, e boca a boca para coordenar a oposição. Para eles, ferramentas de mídia social como o Facebook e o Twitter foram utilizados mais por observadores de outros países e a história varreu o mundo.

O chamado “movimento verde” foi o primeiro grande evento mundial transmitido quase totalmente via meios de comunicação. A ação revelou também uma nova tendência no Irã. Apesar das restrições, de acordo com alguns estudos, quase metade da população utiliza regularmente a internet. SAT-7 é um ministério evangelístico de televisão por satélite para o Oriente Médio e Norte da África, que tem aproveitado a tendência. David Harder, da SAT-7, diz que é hora de atuar no Irã.

“Sessenta e cinco por cento estão com 30 anos de idade, e muito bem informados sobre as novas tecnologias. Amam a internet, gostam de falar para as pessoas sobre esses assuntos e de fazer perguntas”, afirma.

SAT-7 recentemente atualizou seu site (www.sat7Pars.com). O novo portal inclui amostras de programas, a Bíblia completa em persa, que os usuários podem ler ou fazer download, uma seção com questões básicas sobre a fé, que são respondidas, e outras áreas. Mais do que isso, Harder, explica:

“A internet é algo muito útil para as transmissões, pois permite a comunicação de duas vias. Alguém pode fazer uma pergunta ou dizer: ‘Eu estou lutando com isso’, e então de repente, todos esses outros cristãos que vivem no mesmo ambiente podem responder, citar trechos das Escrituras e fornecer outras mensagens que são edificantes e encorajadoras, tentando ajudar os seus irmãos e irmãs”.

Ele fornece uma maneira dinâmica para os telespectadores interagirem, diz Harder.

“O que queremos fazer com todos os nossos sites na internet é torná-los uma forte ferramenta que as pessoas podem utilizar para obter respostas, para conversar com os outros cristãos no seu próprio país”.

No entanto, parece que o crescimento não passou totalmente despercebido. Recentemente, a equipe do SAT-7 tem notado algumas anomalias.

“O governo tem um controle muito rígido sobre a internet. Acreditamos que em alguns lugares, é possível ser bloqueado. É algo esporádico, e nós estamos tentando descobrir qual é a situação”, finaliza.

Fonte: MNN/Redação CPADNews

Pregação de jovem pastor dura 24 horas seguidas e atrai milhares de pessoas na internet

jovemExecutando o que ele chamou de a ideia mais louca e mais estúpida que já teve, o pastor Steven Furtick pregou, ao vivo, para uma audiência da web, ensinando a Bíblia durante 24 horas direto. Apesar de horas de sermão poder soar facilmente como tedioso para alguns, o evento online foi uma grande atração para milhares que são familiares com a pregação apaixonada do jovem pastor.

“Fé audaciosa” foi a passagem principal que ele proclamou. É a mesma passagem encontrada em seu mais novo livro, Sun Stand Still: What Happens When You Dare to Ask God for the Impossible (O Sol Ainda Está Parado: O que Acontece Quando Você Ousa Pedir ao Deus do Impossível).

“Há muitas pessoas vivendo com a dor ordinária e nada supernatural parece acontecer em suas vidas,” disse.

O pastor de 30 anos relembrou os telespectadores, “Nós servimos o Deus que pode fazer o impossível.” “Por que você parou de acreditar no Deus do impossível?” perguntou ele.

Furtick, que lidera a Igreja Elevation em Charlotte, Carolina do Norte, estava comemorando o lançamento de seu primeiro livro. Ao invés de assistir aos rankings da Amazon todo o dia, ele decidiu celebrar a data em estilo épico. Desta maneira, fez 24 horas de “pregação do Espírito Santo à moda antiga.”

Não foi um truque e o pastor reconheceu que ele não era um pregador de TV ou “o Lebron James dos pastores.” Ele fez referência ao grande jogador de basquete norte-americano. Mas o evento online foi uma celebração que Deus tem posto em seu coração para compartilhar com o mundo.

Encerrando as 24 horas com um desafio, ele disse,

“Eu estou pronto para ver o que acontece quando caminhamos na fé audaciosa, clamando pela promessa e vendo Deus fazer o impossível.”

Na semana passada, o livro Sun Stand Still chegou em 28º na Amazon.

Namorando com sabedoria.

dia-dos-namorados-2010Um dos principais segredos de um namoro que dá certo é ter paciência com o parceiro, não devemos nos queixar e julgar o nosso parceiro, deixe a repreensão para Deus através do Espírito Santo (Tg 5.7-11). Não devemos fazer juras para a outra pessoa, isso pode trazer condenação sobre sua vida. Pelo contrário, saia do discurso e seja pró-ativo no relacionamento (Tg 5.12). Seja ferramenta de cura para o seu parceiro, ore por ele nas enfermidades e também nas feridas da alma. Lembre-se que você não precisa fazer isso sozinho, peça ajuda à pessoas preparadas (Tg 5.13-15). É fundamental que haja transparência no relacionamento, se você pecou, caiu ou falhou, deve, sim, confessar seu pecado para a outra pessoa, mesmo que isso acarrete no fim do namoro, sinceridade é o que dará confiança mútua. Além disso, a confissão de pecados é uma disciplina espiritual e deve ser praticada para que você demonstre arrependimento, experimente o perdão e seja livre (Tg 5.16).

A oração deve estar sempre presente no namoro, desde as decisões mais simples até as mais complexas, também a fim de interceder por outros e adorar a Deus. A oração tem um poder imensurável a favor de seu namoro no mundo espiritual. Orem juntos sempre! (Tg 5.16-18) Seja um farol na vida de seu parceiro, a fim de não permitir que ele se desvie do caminho de Deus e jamais seja instrumento para esse desvio. (Tg 5.19 e 20) Que a sabedoria que vem lá do alto esteja sempre presente no seu namoro, trazendo vitórias e alegrias!

Namoro santo é possível?

cabeca_toque

Namoro santo

“Por essa razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e eles se tornarão uma só carne” (Gênesis 2.24)

O versículo acima expressa bem a ideia de Deus sobre o casamento. Se observarmos, a Bíblia nos ensina que homem e mulher devem tornar-se uma só carne e unirem-se sexualmente após se unirem pelo casamento. Mas, o que será que isso tem a ver com namoro?

A relação do namoro com o casamento é totalmente direta, não apenas porque um antecede ao outro, mas também porque as sementes plantadas no namoro, certamente, serão colhidas no casamento, sendo elas boas ou más.

Ignorando este princípio, muitos casais insistem em manter um namoro fora de vontade de Deus, regado a impurezas sexuais. O que pode trazer frutos de pecado para o casamento. 
Todavia, isso nem sempre é algo premeditado, e sim um luta incansável que persegue jovens casais e insiste em derrubá-los.

Será que existe um forma de vencer este pecado? Será que existe um limite pré-estabelecido?

De acordo com a palavra de Deus, todas as coisas nos são lícitas, mas nem tudo nos convém. Sendo assim, as regras não criarão limites suficientes para vencer o nosso livre direito de escolher.

Então, o caminho para a santidade não está em limites religiosos, mas sustenta-se em um princípio básico e irrevogável: O CENTRO DA VONTADE DE DEUS!

Se você, homem ou mulher, deseja ter um namoro santo e plantar bons frutos para o seu casamento, busque andar no centro da vontade de Deus. Tenha seus olhos fitos no alvo, que é Cristo, e não se distraia com ofertas do mundo, nem tente se enganar com regras superficiais, apenas volte o seu coração para o Senhor e peça ao Espírito Santo para conduzir o seu relacionamento. Trate o seu amado ou a sua amada de forma agradável ao Senhor, respeite os limites do outro e tenha certeza que bons frutos você colherá.

CHRISTJITSU Lutadores criam modalidade de luta com pregação do evangelho

ChristJitsuLogo2Com uma nova estratégia de pregar o evangelho, os americanos Danny White e Garry Krueger criaram uma nova modalidade de luta, o Christjitsu, que mistura artes marciais com o cristianismo, conforme noticiou a revista Super Interessante deste mês.

     As aulas começam com um momento de oração, depois meia hora de exercícios físicos inspirados nas técnicas do jiu-jítsu (estilo de luta). Em seguida há o estudo bíblico e cada mês é escolhido um tema para ser discutido. Após o estudo tem mais 15 minutos de luta e uma oração para finalizar.

     As aulas são ministradas para homens e mulheres com idades entre 4 e 74 anos. A academia possui atualmente 220 alunos. “Nós reforçamos os valores morais passados na igreja”, disse Garry Krueger, faixa-preta em tae kwon do.

     Esse programa de treinamento tem a duração de dois anos e três meses. Quando os alunos terminam o curso podem participar de um retiro espiritual de três dias. No retiro há pregações e treinamento com lutadores de vale-tudo.

     “Os criadores desse método querem alcançar jovens que não são atraídos pelas igrejas tradicionais. Mas acho difícil conciliar esse tipo de luta com a doutrina cristã. Jesus é forte e lutador, mas nunca é violento. Pelo contrário: ele rechaça essa atitude em seus discípulos”, explicou o teólogo Matthew Boulton, acadêmico da Universidade de Harvard.

Juventude “Contato físico no namoro”

namoro_liberdadeUm dos temas mais polêmicos no namoro tem sido como deve ser o contato físico entre o casal. Essa questão tem trazido tantos problemas que muitos casais optam por simplesmente abdicar de qualquer contato físico afim de não correrem riscos. Essa atitude, que num primeiro momento parece ser bem segura, pode trazer sérios problemas depois para a relação. O que precisamos aprender é até onde podemos ir sem cometer pecado.

O maior inimigo no contato físico é a defraudação. Essa palavra aparece como pecado específico em 1 Ts 4.6, nesse texto, inclusive, refere-se a mesma com conotação sexual, e Paulo desafia os crentes à santidade. Defraudar é promover em uma pessoa um desejo que você não pode satisfazer. No caso do namoro, por exemplo, ocorre quando o rapaz ao acariciar demasiadamente sua namorada, deixa-a excitada, como ambos não podem consumar o ato sexual, ocorre à defraudação. Da mesma forma uma jovem usando uma roupa sensual pode excitar sexualmente o rapaz, cometendo o mesmo pecado. Existem beijos e abraços que não combinam com um namoro santo. Você conhece o seu limite, avise ao seu namorado, se não sabe, procure descobri-lo antes de se aventurar nessa área. Se beijar o leva a pecar, não beije, se abraçar o leva a pecar, não abrace, agora se pegar na mão da sua namorada ou do seu namorado o leva a pecar, o melhor a fazer é ir a um psicólogo, pois você tem algum problema. O mundo pressiona rapazes e moças a ter um namoro carnal, sexual, nós, cristãos, somos taxados de antiquados, puritanos ou até “maricas”. No entanto, uma relação com sexo e defraudação tem destruído os sentimentos e promovido somente dor e insegurança. É claro que é um grande desafio vencer essa área, mas é plenamente possível, se o casal buscar no Espírito Santo.

O pastor Levi Espínola no Livro, “Perigo Defraudação”, da editora Profetizando Vida, dá algumas dicas para conduzir bem essa área: Evitar namorar todos os dias. Não namorem por muitas horas sozinhos. Não namorem em lugares ermos. Não fiquem a sós na casa um do outro. Não namorem sem antes orar; estudem a Bíblia juntos e estejam sempre em ministério e célula. Evite roupas provocantes. Como diz o ditado “a situação faz o ladrão”, portanto, vigiem para que o pecado da defraudação não destrua o relacionamento de vocês!

JOVENS DE POUCA FÉ “Estudo revela que 60% dos jovens deixam igreja após período escolar”

8301_balada_molduraEstudo revela que 60% dos jovens deixam igreja após período escolar

 

     O que inicialmente começou como projetos de investigação sobre o êxodo dos jovens das igrejas depois do ensino médio e da faculdade se transformou em um movimento para ajudar a nova geração a prosperar em sua fé.

     Aproximadamente apenas 40% dos jovens continuam na igreja depois da formatura, o que significa que 60% se desviam nesse período. Apenas 16% dos calouros da faculdade se sentem bem preparados pelos ministérios de jovens de suas igrejas para continuarem na igreja depois do período escolar.

     O Instituto Juventude Completa, nos Estados Unidos, intitulou a ação de “Movimento Fé Fortalecida”. O objetivo é ajudar os adolescentes a desenvolver e a não abandonar a fé.

     Com muitos estudantes deixando sua fé durante a faculdade, o Instituto Juventude Completa abordou o sério assunto da pesquisa e começa a desenvolver um sistema operacional e recursos voltados aos grupos de jovens do ensino médio nos Estados Unidos.

     O Instituto lançou a versão piloto de um novo currículo para fortalecimento da fé entre os jovens, com o objetivo de obter um feedback de pastores antes de liberar a versão revisada e completa no próximo ano.

     O propósito da iniciativa é ajudar os alunos a desenvolver uma fé que faça parte dos seus pensamentos e emoções interiores, e pois isso também exteriorizada nas escolhas e ações.

     Esses comportamentos incluem a frequência regular à igreja, leitura da bíblia, oração e o afastamento de comportamentos de risco, como o consumo de álcool.

     Pesquisa realizada pelo Instituto revelou que os jovens não estão abandonando a sua fé por causa de um ambiente universitário hostil – como professores universitários e seus colegas que confundem suas crenças. O interesse na espiritualidade também não foi encontrado como uma ameaça à fé cristã.

     Na verdade, de acordo com o professor associado de Sociologia na Faculdade de New Jersey, Tim Clydesdale, “o que muitos estudantes universitários estão fazendo, no entanto, é armazenar as suas crenças e práticas religiosas em um cofre de identidade”, explicou.

     O Instituto mostra que o desenvolvimento da identidade cristã é fundamental para a criação de fé inabalável. Identidade, o instituto diz, é uma mistura daquilo que pensamos sobre nós mesmos e que os outros pensam e retratam de nós, o que inevitavelmente influencia, se não determina, as escolhas que fazemos e a forma como nos relacionamos com Deus e com os outros.

     O novo currículo de ensinamento cristão do Instituto para os jovens oferece exercícios para os alunos pensarem sobre sua fé e a sua identidade e onde querem estar, particularmente na sua relação com Deus, daqui a um ano. Ele também aborda o problema de muitos estudantes universitários continuarem em uma igreja após a formatura.

     O novo projeto foi criado após o Instituto lançar o Transition College Project, um conjunto de iniciativas que orientou mais de 400 grupos de jovens formados nos Estados Unidos durante a sua transição para a faculdade.

     O objetivo do projeto foi compreender melhor a dinâmica da vida a partir da juventude, e identificar atitudes que os pais, líderes de jovens, igrejas e os próprios alunos poderiam seguir para a trajetória ao longo da vida de fé e de serviço a Deus.


Fonte: adiberj

Kaká se encontra com presidiárias e realiza sonho das mulheres

KakaBelongsToJesus_225740

 

 

 

 

 

 

 

 

MADRID (Espanha) – No mês passado, quando Florentino Perez visitou a oficina de artesanato da Prisão de Alcalá, na Espanha, descobriu que as mulheres da equipe tinham o sonho de conhecer o jogador Kaká, do Real Madrid. A fundação Real Madrid, que pertence ao clube, aceitou cumprir um dos desejos da maioria das presas: conhecer os jogadores e visitar o Santiago Bernabeu. Após várias semanas de espera, a memória daquele dia permanecerá por muito tempo para aquelas mulheres. A Cidade Real Madrid foi a primeira parada da manhã. De mãos dadas,  um grupo de 16 detentas chegou para realizar o sonho. Pacientemente, elas aguardaram a chegada dos jogadores que vieram dos treinos da manhã.

Eles chegaram acompanhados por dois professores e quatro voluntários evangélicos que trabalham na prisão de Alcalá.

Um por um, todos os jogadores sentiram a admiração destas mulheres e, como não poderia deixar de ser, a visita teve direito a fotos e autógrafos dos ídolos.

“Sem dúvida que foi um dia muito especial. Só a alimentação fora da prisão já é um momento de liberdade para elas, ainda mais ao lado desses jogadores. Tentar ajudar na reintegração de reclusas é um compromisso muito grande para todos nós “, disse Juan José Roman, presidente da Fé Evangélica uma associação que trabalha na cadeia feminina.

KAKÁ
Um dos mais procurados e badalados foi o meia Kaká. Ele recebeu do professor de trabalhos manuais uma caixa com uma passagem bíblica.

“Nós trouxemos um presente para o Kaká. É uma obra feita em muitas horas de trabalho e tem a forma de uma Bíblia, o que ganhou grande significado para nós”., disse uma das detentas.

“Depois de ver o treinamento elas foram visitar o Estádio Santiago Bernabeu . Elas foram surpreendidas ao ver a sala de troféus uma camisa assinada por Kaká, na época da transferência para o Real Madrid em que se lê Deus é fiel.

Com a emoção de chegar perto dos jogadores, a próxima parada era vê-los treinar, o que também foi feito e a alegria tomou conta do grupo e dos acompanhantes, que nunca tinham tido essa oportunidade.

“Estamos muito gratos ao Real Madrid por nos dar a possibilidade de satisfazer o desejo de muitas meninas, além de alguns de nós que também somos fãs de futebol”, declarou Francisco Mata, coordenador da prisão Madrid e que também é evangélico.

Tradução e adaptação: Milton Alves
Fonte: Protestante Digital
Foto: Assessoria de Imprensa Real Madrid

Parkour – Entre vídeos, quedas e manobras, jovens evangelizam através desse novo esporte no Brasil

parkour-jump1

 

 

 

 

 

 

 

 

Jovens praticando esportes radicais você encontra em quase todos os lugares, mas o Parkour tenta ser totalmente diferente disso. Saindo do óbvio, o parkour não utiliza nenhum instrumento para ser radical, apenas a concentração, força e habilidade de seus praticantes, que correndo, pulando ou se equilibrando se divertem em qualquer lugar, já que além de ser uma prática com custo zero, o le parkour pode ser feito tanto em zonas urbanas como em áreas rurais, basta um pouco de coragem e alguns “pulinhos”.

O Gospel Parkour surgiu como um projeto evangelístico, atuando nas ruas e em eventos. O grupo é formado por jovens de diversas regiões do Brasil. O projeto começou em julho de 2009 com os tracers (praticantes) Samuel, Thiago Silva e Chamel que iniciaram o projeto e sua divulgação nas ruas. O esporte chama atenção de quem passa e vê os jovens treinando. Normalmente os treinos acontecem em locais públicos como praças, calçadas e parques. Uma das estratégias de evangelismo do grupo é aproximar-se dos expectadores e entregar-lhes um folheto evangelístico. Há muitos casos de jovens que se interessam pelo esporte e passam a participar dos treinos. Após algum tempo integrando o grupo, o jovem é convidado a ir à igreja.

“O Gospel Parkour divulga o esporte entre os cristãos e desmistifica o preconceito contra ele”, diz Samuel Maciel, líder do grupo. “Se você quer conhecer um pouco mais do projeto ou até mesmo agendar uma apresentação ou participar (o ministério Gospel Parkour não aceita somente pessoas que treinam parkour, mas aceita pessoas nos seus ministério internos como consolidação, divulgação e intercessão), entre em contato pelo e-mail: gospelparkour@hotmail.com“, avisa Samuel. O Parkour Gospel possui um site oficial onde interage com os outros praticantes do esporte. No Youtube o grupo tem um famoso canal, nele você pode ver vídeos de parkour.

Vídeo de Parkour Gospel

Apesar de ser feito por jovens, o Parkour Gospel não levado na brincadeira por seus membros, segundo Samuel é pelo fato de “porque do mesmo jeito que o diabo não brinca, nós não brincamos”.

Para que um jovem entre no ministério é precisa aceitar 10 tópicos e fazer de tudo para cumpri-los, segundo o site Parkour Gospel esses tópicos se baseiam em “santidade, consagração, testemunho de vida, obediência, temor a Deus, boa aparência, ir aos cultos, batismo nas águas, amor pelas almas e entregar o parkour para Deus”.

O Gospel Parkour possui integrandes e praticantes do esporte em diversos estados brasileiros e já está fora do Brasil. No total “são 54 jovens, todos com missão de evangelizar e adorar a Deus através do parkour”, segundo o idealizador do grupo que concluiu: “O Gospel Parkour se baseia no versículo de I Coríntios 10:31 ‘Portanto quer comais quer bebais ou façais outra qualquer coisa fazei tudo para a glória de Deus’”.

LÚCIO ABRE AS PORTAS “Zagueiro da seleção brasileira diz que Bíblia é uma manual”

lucio2Zagueiro da seleção brasileira diz que Bíblia é uma manual

 

     Em entrevista ao ‘Na Estrada com Galvão’, no programa Esporte Espetacular deste domingo, 21, o zagueiro da seleção brasileira e do Inter de Milão, Lúcio, que é evangélico, apresentou sua família, falou sobre carreira e como comandar o Brasil na Copa do Mundo a menos de três meses da Copa do Mundo da África do Sul.

     O zagueiro Lúcio, ex-Internacional e Bayern de Munique, é sinônimo de raça e dedicação dentro de campo. O que muitos não sabem é que, fora das quatro linhas, o capitão da seleção brasileira é um pai de família dedicado e marido carinhoso. Hoje jogador do Inter de Milão, ele recebeu a equipe do Esporte Espetacular em sua casa, na Itália, e conversou com o apresentador Galvão Bueno, no quadro “Na Estrada com Galvão”.

     A menos de três meses da Copa do Mundo da África do Sul, Lúcio falou sobre ser o capitão do Brasil em uma Mundial, lembrou o início da carreira no Rio Grande do Sul, os conselhos da mãe e a carreira na Alemanha e, agora, na Itália.

     Mas quem roubou a cena durante a entrevista foram os filhos do jogador (Vitória, João Vitor e Valentina). Com 11 anos, Vitória, a mais velha, falou alemão e disse que sonha em ser atriz ou cantora. Galvão Bueno aproveitou e brincou que tentaria uma vaga para ela no Projac (Central Globo de Produções – local onde são gravadas novelas, seriados e programas da TV Globo). Ela ainda mandou beijos para os amigos que ficaram no Brasil e depois apresentou seu quarto para o Esporte Espetacular.

     Lucimar, conhecido como Lúcio, contou como surgiu seu codinome. O jogador também falou a respeito do valor que dá à família: “Aqui dentro de casa a gente costuma falar que é um oásis, um paraíso separado…Quando eu passo aquela porta eu deixo tudo lá fora”.

     Evangélico, Lúcio expôs a importância de ser um exemplo com suas ações para a família e a sociedade. “A Bíblia para mim é um manual. Você tem instruções ali que Deus deixou bem calro para você usar no dia-a-dia. Eu procuro passar alegria para os meus filhos, um estilo de vida que Deus nos ensina”, falou.

Evangelismo para transformar a Cracolândia em Cristolândia

cristolandiaMais um passo está sendo dado para que a Cracolândia possa ser chamada de Cristolândia. Isso porque, no dia 27 de março, Missões Nacionais inaugurará um espaço destinado ao atendimento integral dos marginalizados do centro da capital paulista. O imóvel, alugado com a ajuda da Igreja Batista Bom Retiro, estará de portas abertas 24 horas por dia.

A Missão Batista Cristolândia, como já está sendo chamada, será a sede dos radicais e de todos os batistas que desejarem capacitação no trabalho de evangelização e discipulado de dependentes químicos e excluídos socialmente. Como apresenta a coordenadora local do Radical Brasil, missionária Soraya Machado: “A Missão é a resposta dos batistas brasileiros a esta atrocidade chamada cracolândia”.

O quartel general do Radical Brasil está localizado dentro da cracolândia e nesse espaço serão oferecidas 300 refeições diárias – café, almoço e janta, espaço para banho, lavanderia, doação de roupas e calçados. Além do amparo social, o investimento espiritual será alto, com quatro cultos por dia nos períodos da manhã, tarde, noite e madrugada. Na missão também funcionará um centro de capacitação para o trabalho com excluídos. “Os interessados estarão, no período de três meses, residindo no alojamento do projeto e depois retornarão para suas igrejas como um agente multiplicador”, comentou a missionária. A primeira turma deve começar em abril desse ano, com inscrições sendo feitas pela Sede Regional de Missões Nacionais em São Paulo.

Por que a juventude evangélica vive como o resto do mundo?

juventudeEm minha opinião, a principal razão porque vivemos como o resto do mundo é: somos fruto de uma cultura ocidental que está formando indivíduos quebrados, herdeiros de um mundo enfermo. O conceito de pessoa, que vem das nossas raízes cristãs e que se baseia na Trindade, tem se perdido de maneira dramática. Deus nos criou como “Imago Dei”, reflexo do seu ser, convidados ao seu vínculo de amor: o Filho está revelado no Pai, o Espírito revela Cristo; estamos em Cristo, Cristo está em nós. Nossa humanidade é relacional, espelhando a comunhão íntima da trindade. Por isso, uma pessoa existe porque depende, porque chora junto, porque ama.

Há alguns séculos vivemos a negação da pessoa e a substituímos pelo conceito de indivíduo, que significa “aquele que não se divide”. Não existe pessoa humana integrada e saudável se é alguém isolado e independente. Por isso precisamos resgatar a possibilidade de encontros: nossa pessoalidade é construída na relação. No encontro nos tornamos humanos, e nele, de modo misterioso, Deus se revela. Jacó chega a afirmar que ver a face de seu irmão Esaú “é como ver a face de Deus”!

O oposto disso é descrito pelo apóstolo Paulo em Romanos 1: “A humanidade não reconheceu a glória de Deus [e a sua natureza relacional], e por isso se entregou a suas depravações”. Em nossa cultura, com o processo de despersonalização, a promiscuidade é ainda mais acentuada: se simplesmente ligamos a TV, vemos a negação da pessoa (corpos são objetos, frutas, tudo! Menos gente).

A igreja evangélica brasileira, como reação à promiscuidade e ao pecado sexual, costuma cair no legalismo. Este lida com o comportamento e foca “no que pode e o que não pode; no que está certo ou não”. Mas não vai mais fundo… Pelo que a pessoa está gritando? Que drama aquela dor está expressando?

Não podemos viver como se nossos corpos fossem somente expressão de pecado. Deus criou o corpo humano como reflexo, sinal de sua própria beleza! A ressurreição corporal de Jesus nos lembra que a matéria e o corpo são valiosos para Deus; é o lugar onde ele se encarnou, expressão da graça e da verdade. A sexualidade no casamento é uma festa, onde beleza e intimidade podem se expressar como um reflexo daquele laço de amor eterno que decidiu nos criar.

Precisamos de uma terceira via, um caminho que vá além do promíscuo e do legalismo, e que leve em consideração a formação da pessoa. Irineu de Lyon dizia que a glória de Deus é expressa em um ser humano inteiramente vivo. Podemos viver um caminho humano pleno que revela a glória do Deus eterno ou o caminho da fragmentação e isolamento da nossa cultura. Este atalho nos faz perder o senso da glória e da nossa própria humanidade.

Nosso momento exige profunda reflexão e humildade. A igreja evangélica brasileira pode ser um canal dessa restauração, porque tem a força contracultural do reino de Deus. Em Cristo nossos vínculos são restaurados, e na cruz ele reconciliou consigo todas as coisas, inclusive nossos corações quebrados e a nossa dificuldade em viver a sexualidade. Eu creio no poder do evangelho para a transformação e restauração. Em Cristo somos pessoas novas. Uma discussão importante é se a igreja evangélica está pregando o evangelho de Cristo ou doutrinas falsas, mas isso é assunto de outro fórum. Tenho esperança que, se nos firmarmos no evangelho, em nossa geração veremos sinais reais do reino de Deus entre nós.

Carta de um filho pródigo

desanimoCARTA DE UM FILHO PRÓDIGO
Carlos Roberto de Souza

Uma história fictícia com uma mensagem real

 Querido pai:

     Há algum tempo eu queria escrever, mas estava com vergonha. Quando saí de casa, estava com uma boa grana na mão, cartões de crédito e com o canudo da faculdade. Achei que poderia enfrentar tudo sozinho e sem depender de ninguém. Queria uma vida independente, ser dono do meu nariz.

     Encontrei uma pá de amigos quando cheguei aqui.

     As baladas se sucediam e eu vivia emoções fortes a semana inteirinha. Além disso, minha aparência ajudava muito e tinha ao meu lado as garotas mais descoladas do pedaço.

     Sabe pai, o carro, numa madrugada de sexta para sábado, eu estava tirando um racha numa avenida daqui e quando fui dar um cavalo de pau, acabei capotando. Fiquei dois dias em coma, mas felizmente me restabeleci.

     Nessa época a grana já estava acabando, mas achei um amigo que me pareceu muito legal e que me deu o maior apoio. Cedeu-me um lugar em sua casa já que morava só. Ele só tinha um problema, estava envolvido com o uso de cocaína e depois ele me confessou que para manter o vício ele batalhava para vender a droga para outras pessoas. O Giba me ofereceu a cocaína e me garantiu que ficar careta não era para jovens como nós.

     Quando dei por mim, já estava fazendo uso da farinha (é assim que a gente chama a cocaína). Sentia uma inquietação muito forte e o Giba disse numa boa que não podia mais sustentar o meu vício.

     Pai, até tentei me firmar num emprego, mas não consegui e a coisa começou a engrossar. O Giba foi preso com quinze papelotes de cocaína e foi autuado em flagrante por tráfico de entorpecente. Eu não podia mais permanecer na casa dele pois estava devendo para o dono de um ponto de tráfico.

     Umas garotas que participavam das baladas com a gente, também entraram para o time dos drogados, inclusive, a Jose e a Jéssica morreram, uma de overdose e a outra, foi morta no carro do namorado, que era da pesada.

     Pai, aos poucos eu fui me aprofundando nesse abismo e agora, estou dormindo na rua. Às vezes tomo banho num posto de gasolina que tem um frentista gente boa, o Ceará, ele me deixa tomar um banho lá, até me deu uma camiseta de propaganda.

     Me alimento com restos de comida de um restaurante e de vez em quando eu  vou até o  CEAGESP onde consigo frutas que ainda servem pra gente comer.

     Pai, hoje de manhã, acordei pensando se seria certo ou não, afinal resolvi escrever essas linhas. Estou envergonhado, pois pensei que sabia de tudo e que ninguém tinha nada a me ensinar. Lembro das  nossas homéricas discussões que terminavam com o choro da mamãe e com a revolta da Cássia e do Léo, meus dois irmãos, pessoas  que eu achava tão caretas para o meu gosto e que só pensavam em estudar e fazer tudo dentro de regrinhas rígidas e nada mais.

     Pai,gostaria de ter uma chance, principalmente agora, descobri que sou soropositivo. Sabe o que é isso pai, quer dizer que em breve já não estarei mais nesse mundo. O médico me disse que morando na rua o meu fim será abreviado, já que adquiri um problema sério nos pulmões e cheguei a por sangue pela boca e desma iei.

     Pai, sabe aqueles dois cômodos que tem nos fundos e que são utilizados como depósito de quinquilharias? Gostaria que o senhor permitisse eu morar ali  de favor e nem precisa me chamar de filho, pois eu não mereço esse tratamento. Quero do fundo do coração que vocês me perdoem e tenham misericórdia de mim.

     Prometo que não vou trazer mais aborrecimentos para ninguém.

     Caso o senhor concorde, mande uma cartinha para o albergue onde estou por mais duas semanas (o endereço está no rodapé). Se a cartinha não chegar eu entendo a sua posição, vou tentar me arranjar.

     Desculpe a qualidade do papel, mas foi o que arranjei para escrever essa cartinha. Não liguei para casa, pois tenho certeza de que não agüentaria ouvir a voz de mamãe, a sua ou a de qualquer dos meus irmãos. 

Um abraço para o senhor, para a mamãe para a Cássia e para o Léo.

Perdoem-me  por tudo tá?

São Paulo, 23 de abril de 2007.

Guilherme A. Prado.

(Os nomes são fictícios e o texto é uma contextualização da parábola do Filho Pródigo).