China lança campanha para eliminar as igrejas nas casas e assim exterminar o cristianismo

O governo chinês lançou uma nova campanha em abril para erradicar as igrejas domésticas clandestinas, de maneira que só permaneçam as igrejas de Três Eu autorizadas pelo estado e fortemente restringidas.

A nova campanha, de acordo com a International Christian Concern (ICC), é chamada de retorno à zero. O objetivo é “desmantelar a escala [das igrejas], dissolver a organização e dispensar a igreja”, disseram fontes à ICC.

O objetivo final é “eliminar o cristianismo” da esfera pública, disse a ICC.

Igrejas dentro da China são obrigadas a se registrar no governo e se tornar parte do movimento Três Eu. Pastores dentro do movimento Três Eu enviam seus sermões para autoridades do governo para aprovação. Em algumas igrejas de três ou três anos, o governo proíbe que as crianças participem.

Tais restrições levaram milhões de chineses a se unirem a igrejas em lares ilegais e sem registro.

Em Return to Zero, as igrejas domésticas devem se unir ao movimento dos Três Seres ou se dissolver.

Em abril, funcionários do governo visitaram a Igreja de Zaidao em Pequim e foram orientados a participar do movimento Três Eu, informou o ICC. A congregação faz parte da China Gospel Fellowship, uma rede de igrejas domésticas.

A China fechou a Igreja Shouwang, de 1.000 membros, uma congregação da casa, no início deste ano.

“Até agora, tem havido igrejas em todo o país que foi oprimido com diferentes táticas pelo governo local, com o objetivo de forçá-las a se juntar a Três Eu ou cessar suas atividades”, disse um acadêmico cristão não identificado ao ICC. “Aqueles que se recusarem serão banidos ou terão que fechar suas igrejas. Para essas grandes redes de igrejas domésticas, a atitude do governo é atacá-los e destruí-los com firmeza”.