Cristãos são torturados até a morte por Terroristas por não negar Jesus

Cristãos são torturados até a morte por Terroristas por não negar Jesus. Cristãos são mortos cruelmente por não negar Jesus. Na imagem é possível observar que está surgindo uma onde de genocídio anticristão neste fim de semana que se desenrola no Egito depois que 29 cristãos foram massacrados perto do Cairo por seguir Jesus.

Sobreviventes desse ataque sangrento de ônibus estão revelando o que o Estado Islâmico fez, matando suas vítimas apenas porque eram cristãos e faziam culto todos os finais de semana em suas casas escondidos com medo de serem pegos pelo EI.

Pelo menos 10 seguidores do Estado Islâmico mascarados forçaram os evangélicos a deixar o ônibus um a um, perguntando se eram cristãos.

Segundo testemunhas que estava no local, à medida que cada pessoa deixou o ônibus, eles foram solicitados a renunciar à sua fé cristã e a professar a crença no Islã, mas todos que eram cristãos se recusaram.

Cada pessoa foi morta com um tiro na cabeça ou na garganta, incluindo crianças.

Pe. Azra Fakhry, Vigário da Arquidiocese de Maghagha e El-Idwa, disse ao World Watch Monitor que os terroristas exigiam: “Preste testemunho de que não há deus a ser adorado senão Alá e que Maomé é o mensageiro de Alá“.

Os cristãos se recusaram a se converter ao islamismo. “Somos cristãos”, responderam eles. Então eles foram baleados e mortos cruelmente pelo Estado Islâmico .

O Estado Islâmico reivindicou a responsabilidade por este ataque terrorista no Sinai que matou os 29 cristãos e feriu mais de duas dúzias.

O Egito respondeu ao ataque com um ataque aéreo sobre o que diz ser bases de treinamento para terroristas na Líbia. O presidente Abdel-Fattah el-Sissi ordenou a retaliação apenas algumas horas após o ataque.

“O que você viu hoje não ficará impune. Um ataque extremamente doloroso foi dado às bases”, disse El-Sissi em um discurso televisionado à nação. Ele também pediu aos Estados Unidos e ao presidente Donald Trump para liderar a guerra contra o terror.

O presidente Trump disse em um comunicado na sexta-feira: “Este massacre impiedoso de cristãos no Egito rasga nossos corações e aflige nossas almas”.

“Os EUA também deixam claro para seus amigos, aliados e parceiros que as adoradas e históricas Comunidades Cristãs do Oriente Médio devem ser defendidas e protegidas. O derramamento de sangue dos cristãos deve acabar, e todos os que ajudarem seus assassinos devem ser punidos”, disse Trump. .

Os cristãos de coptas estavam a caminho para orar no remoto mosteiro de São Samuel, o Confessor, a cerca de 240 quilômetros ao sul do Cairo.

A televisão egípcia mostrou fotos de um ônibus com suas janelas abertas e pessoas feridas no ataque sendo levadas para o hospital.