Guardados na Caminhada

Jo7: 1, 10, 25, 30 e 32

Um dia Judas, de maneira louca, decidiu que entregaria o Senhor aos judeus que queriam prendê-LO. Para alguém sem o entendimento de Deus na época, ao olhar esse fato e tudo que depois dele se transcorreu, poderia ver a situação como uma fatalidade na vida de Jesus. Porém não há fatalidade na vida dos servos do Senhor; daqueles que estão vivendo em Deus.
Fica claro dentro do entendimento Bíblico que o Senhor só foi preso pelos judeus que o perseguiam porque Ele decidiu se entregar. (Nosso Senhor vivia dentro da dimensão de um fruto do Espírito chamado “DOMÍNIO PRÓPRIO”, veremos sobre isso logo à frente). Ele disse: ninguém tira minha vida. Jesus ensinou claramente que por livre e espontânea vontade se entregou; só por isso os judeus conseguiram seu intento. Graças a Deus por Seu amor e graça pois nessa entrega na cruz todo aquele que crê é salvo em Jesus Cristo, e pode andar como Ele andou. É interessante notar o fato de Judas precisar “trair ou entregar o Senhor” aos judeus a fim de que eles conseguissem pegá-LO. Jesus estava sempre em lugares públicos ministrando. Uma hora no templo, outra hora em uma sinagoga. As vezes num monte, na beira da praia, na casa de alguém. Ele sempre de certa forma estava acessível a todos, inclusive aos próprios judeus que queriam sua morte. Porque Judas procurou os Judeus que pretendiam matá-LO e propôs a eles uma negociação suja, a fim de conseguirem prendê-LO? Jesus disse que era para que se cumprisse a escritura, e também porque os judeus temiam o povo e procuravam prendê-Lo fora da vista do povo. Havia uma conspiração contra Jesus e Judas sabia disso. Mas porque o diabo entrou em Judas e o impeliu a uma condição daquela? Simples, o inimigo (em todas as suas dimensões) nunca sabia onde Ele estaria. Havia uma imprevisibilidade no caminhar do Senhor. Ele não tinha um programa revelado com o qual o inimigo podia trabalhar. Suas ordens vinham do céu, direto do coração do Pai. Jesus era guiado pelo Espírito Santo. Quando Herodes decidiu matá-LO, Ele simplesmente continuou fazendo o que estava fazendo e não se retirou de onde estava; com certeza Ele não teve essa testificação dentro de Si e permanceu onde estava sem se preocupar com o que o fariseus disseram com respeito a Herodes. Jesus vivia na imprevisibilidade para os homens; claro, imprevisibilidade em termos dos seus inimgos. Porém tudo muito claro em termos de Deus. Ele era guiado por Seu Pai. Ele disse certa vez: O Filho nada pode fazer de Si mesmo; senão somente aquilo que vir fazer o Pai. Muitas vezes, pela forma que alguns servem ao Senhor, fica mais facíl ao inimigo tentar pará-los. Tudo é muito previsível, muito revelado. Muito claro. Não há segredos deles com o Senhor. Havia um agir invisivel de Deus em Jesus que o deixava sempre um passo a frente de seus adversários. Quando eles o pegaram, “FOI PORQUE ELE DEIXOU”. Se não fosse a hora, o plano de Judas e dos seus adversários simplesmente teria sido frustrado. É interessante como em Davi também vemos isso. Saul estava sempre um passo atrás de Davi e o Senhor sempre o livrava. Com Paulo foi a mesma coisa. Certa vez um grupo de judeus entrou em um voto de não comerem nada até que conseguíssem matar Paulo. Como o diabo tentou destruir Paulo! Tentaram matá-lo com esse voto, seu navio naufragou, uma víbora o picou. O fato é que o Senhor sempre tinha condições de livrá-lo.

Se vivermos e andarmos no Espírito, por mais que o diabo nos ataque e tente nos tirar da rota. Por mais que as portas do inferno tentem prevalecer, estaremos sempre um passo a frente do inimigo, pois quem conheceu a mente do Senhor que o possa instruir, nós porém temos a MENTE DE CRISTO (1Co2: 16). Se estivermos atentos à ministração do Espírito, dentro de nós e seguirmos em fé a essa ministração, sairemos ilesos todas as vezes. Por isso o orar em línguas é tão importante. Quanto mais oramos em outras línguas, mais conhecemos a mente do Senhor e mais podemos dar passos firmes em fé que nos colocarão fora da vista da serpente (Ap12: 14). Em Judas se diz nos versos vinte e vinte e um: “Vós porém amados, edificando-vos na vossa fé santíssima, orando no Espírito Santo, GUARDAI-VOS NO AMOR DE DEUS”. Através da oração em línguas e da meditação da Palavra, podemos ser ministrados por dentro, dentro da Verdade de Deus e assim optarmos pela Palavra; isso nos manterá fora do alcance do inimigo. Paulo disse no fim de sua vida: Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé. Em Romanos oito verso um está escrito: Portanto, agora, nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o espírito. Como podemos estar dentro de um ambiente hostil e mesmo assim vivermos livres? Como poderemos estar sob constante ataques e não sermos atingidos? A chave está no entendimento que podemos receber do Senhor e viver segundo ele. É a sabedoria do Senhor que permitimos ativar o nosso comportamento. Por viver cem por cento no Espírito, Jesus nunca era apanhado pelo inimigo. O diabo nunca conseguiu pará-lo em nada. Paulo diz-nos em segunda Coríntios quatro verso dezesseis a dezessete:Por isso não desfalecemos: mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia. Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente; não atentando nós nas coisas que se vêem mas nas que se não vêem; porque as que se vêem são temporais, e as que se não vêem são eternas.

O que podemos ver no momento do ataque? O que podemos perceber quando estamos debaixo de um ataque em termos naturais? As hostilidades do inferno. Os sinais da mentira. Circunstâncias temporais. E o que não vemos? O que não vemos é a ministração do Espírito no íntimo. Ela é invisivel mas real. A ministração do Espírio no íntimo do nosso coração é invisível a olho nu, porém real aos olhos do coração. É uma realidade presente em nós que só pode ser acessada pela fé. Jesus disse em João cinco verso dezenove: “Então, lhes falou Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que o Filho nada pode fazer de si mesmo, senão somente aquilo que vir fazer o Pai; porque tudo o que este fizer, o Filho também semelhantemente o faz”.

A conexão com o coração do Pai na batalha espiritual é o recurso mais importante a fim de nunca sermos parados pelo inimigo. O caminho que o Senhor nos propõe no espírito é um caminho invisível aos olhos do diabo. Diz-nos o Senhor em Apocalipse doze que a mulher ao ser perseguida pelo dragão recebeu as asas da Grande Águia e vôou para o deserto, FORA DA VISTA DA SERPENTE. O mesmo João nos diz em sua primeira carta: quem é nascido de Deus O guarda e o maligno NÃO LHE TOCA. Os fariseus quando quiseram matar Jesus não sabiam onde Ele estaria. Não havia um programa humano funcionando Nele. Jesus não se movia por métodos e regras, Ele se movia no Espírito. O amor do Pai operante Nele era Sua grande força motriz. Com o amor com o qual o Pai O amava, Ele amava os outros. Como Ele era amado, Ele amava. Jesus vivia o céu e na terra e esse modo de relacionamento em Deus o separava de qualquer possibilidade de ser atingido pelo inimigo. Ele era guardado pelo poder de Deus. Como está escrito em primeira Pedro um verso cinco: sois guardados pelo poder de Deus, mediante a fé, para a salvação preparada para revelar-se no último tempo.

Como satanás e os homens tentaram parar o caminhar do Senhor nessa terra. Se formos analisar à luz da Palavra, veremos como o diabo e os homens tentaram impedir a obra do Messias na terra. Porém, todos seus intentos foram frustrados. Se observarmos a Palavra veremos como pelo menos uma vez no Antigo Testamento (No tempo de Ester) tentaram destruir Israel COMPLETAMENTE. Várias vezes no Novo Testamento houve um ataque para morte na vida do nosso Senhor (Porém Ele não morreu antes de Seu tempo). Quando Ele nasceu Herodes tentou matá-lo, porém o Pai o guardou sobrenaturalmente através da obediencia de José; no início de Seu ministério quando trouxe uma exortação em uma sinagoga, os homens O levaram até o topo de uma colina a fim de atirá-LO precipício abaixo; Está escrito em Lucas quatro verso trinta: “Mas Jesus passou por entre eles e retirou-se”. Creio que houve ali também o sobrenatural de Deus. Não sei se Ele se tornou invisivel, ou se passou pelo meio da materia dos corpos das pessoas ali; nao sei, o fato é que eles não puderam fazer nada com Jesus ali. Durante toda a vida de Jesus situações adversas se seguiram. Quando certa vez dormia num barco veio sobre eles uma forte tempestade de vento e quase o barco foi a pique. Ele em fé ordenou ao vento que se acalmasse e foi o que se deu. Uma vez os fariseus vieram ao Senhor e lhe diseram: Vai-te daqui porque Herodes quer matar-te. Ele, porém, lhes respondeu: Ide dizer a essa raposa que, hoje e amanhã, expulso demônios e curo enfermos e, no terceiro dia, terminarei. Depois de um determinado tempo em Sua caminhada na terra, havia sempre uma conspiração contra a vida do Senhor. O fato é que nada aconteceu antes do tempo. Jesus viveu exatamente no tempo de Deus em cada etapa de Sua Vida. Que interessante, em uma vez o Pai o livra pela obediencia de José, outra vez nosso Senhor passa por entre a multidão; no barco, no meio de uma tempestade Ele exerce fé e faz o vento se acalmar. Aqui, no caso de Herodes, Ele simplesmente não faz nada e continua fazendo o que já estava fazendo, e ainda manda um recado para Herodes. Jesus, além de não parar o que estava fazendo, ainda ficou ali por três dias, depois da ameça. Vivendo segundo o Espírito, Deus nos faz intocáveis.