Lenda do rock deixa a homossexualidade e prega contra a ideologia de gênero: “Deus fez homens e mulheres”

Richard Wayne Penniman é um senhor de 84 anos que prega contra a ideologia de gênero e vê a homossexualidade como um pecado que inverte o propósito de Deus. Descrito dessa forma, ele poderia ser compreendido como algum evangélico conservador com décadas de igreja, mas trata-se do oitavo maior artista da música de todos os tempos, ex-homossexual.

Little Richard é uma lenda no rock, construiu uma carreira sólida e amplamente produtiva em termos de composições. Teve canções gravadas por Elvis Presley e outros artistas, além de cravar outras entre as mais marcantes da música norte-americana. A vida toda se apresentou publicamente como homossexual, e suas performances exibiam trejeitos afeminados.

Em 2012, já aos 79 anos, dizia ser um “pansexual”, uma pessoa com atração por todos os sexos e orientações sexuais. Chegou a dizer que o sexo era como um rodízio: “Nós somos todos homens e mulheres. O sexo para mim é como um smorgasbord (refeição de múltiplos pratos do tipo buffet típica da Suécia). O que eu quiser, eu sou. Qualquer tipo de sexo. Eu sou pansexual”, declarou.

Em 1995, Little Richard concedeu uma entrevista à revista Penthouse que a homossexualidade era aceita por Deus, e a reprovação a isso era ódio: “Fui gay toda a minha vida e sei que Deus é um Deus de amor, não de ódio”, afirmou, citando que foi o terceiro de 12 filhos e que seu pai o colocou para fora de casa por ser quem ele era: “Ele disse que queria sete garotos, e que eu tinha arruinado isso porque eu era gay”.

Agora, uma mudança radical no modo de pensar de Little Richard foi exposta ao mundo numa entrevista concedida à emissora Three Angels Broadcast Network (3ABN). “Entregue tudo o que você tem a Jesus e você se sentirá muito melhor”, disse o músico ao entrevistador Danny Shelton.