Pilares da reforma Protestante – Pr Gean Carlos Souza

Pilares da reforma Protestante

Habacuque 2:4  Eis o soberbo! Sua alma não é reta nele; mas o justo viverá pela sua fé.

Romanos 1:17  visto que a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá por fé.

Gálatas 3:11  E é evidente que, pela lei, ninguém é justificado diante de Deus, porque o justo viverá pela fé.

Hebreus 10:38  todavia, o meu justo viverá pela fé; e: Se retroceder, nele não se compraz a minha alma.

 

No dia 31 de outubro, os cristãos protestantes comemoram o dia da Reforma. Em 31 de outubro de 1517, Martinho Lutero, protestou contra a Igreja Romana, afixando, à porta da Igreja do Castelo de Wittenberg, as famosas 95 teses contra vários pontos teológicos da doutrina romana. Tudo começou quando Lutero descobriu que a salvação era pela fé somente.

 

Além de Martinho Lutero, outros nomes são importantes para o movimento reformador. João Calvino, com sua mente privilegiada, sistematizando princípios doutrinários em sua Instituições da Religião Cristã, uma obra que tem servido, ao longo dos anos, para teólogos, professores e principalmente cristãos que buscam os valores verdadeiros do Cristianismo. Ulrich Zuínglio que, em sua época, queria fazer algo corajoso para Deus. E Menno Simons com a reforma radical, afirmando não haver outro fundamento, senão, aquele que foi estabelecido pela Palavra de Deus.

 

As proposições teológicas da Reforma Protestante são os Cinco Solas, que são frases latinas que surgiram para enfatizar a diferença entre a teologia reformada e a teologia romana. A palavra latina, sola, significa “somente” ou “apenas”, na língua portuguesa.

 

Os cinco solas são:

Sola Fide, Sola Scriptura, Solus Christus, Sola Gratia e Soli Deo Gloria.

Esses são os pilares da Reforma Protestante. Vejamos em detalhes.

 

Sola Fide – Somente a Fé

Somente a fé: é o único instrumento de posse da nossa salvação.

O princípio “Sola Fide” é a afirmação de que o homem é justificado única e exclusivamente pela fé, sem o acréscimo das obras do mérito humano. Segundo a tradição reformada é o artigo pelo qual a igreja é sustentada. A justiça do Evangelho de que não nos envergonhamos é o poder de Deus para salvação. É do princípio ao fim pela fé pois, conforme a Carta de Paulo aos Romanos: O justo viverá pela fé.

 

A fé que justifica o homem é dom de Deus, é o meio pelo qual a justiça de Cristo é imputada ao pecador. Não há glória humana nisso. Pela fé somente, os pecados do homem são lançados sobre Cristo, o verdadeiro justo de Deus, que na Cruz cumpriu toda justiça de Deus. Daí o homem, no tribunal de Deus, ser declarado, de uma vez por todas, justo diante de Deus. A Igreja que quer se manter de pé tem de viver pela fé somente.

 

 

Sola Scriptura – Somente a Escritura

Somente a Escritura Sagrada: é a nossa única fonte e regra de fé e prática.

 

A Escritura é a única regra de fé e prática da igreja. Acreditamos em sua Inspiração, Autoridade, Inerrância, Clareza, Necessidade e Suficiência. É somente na Escritura que encontramos a história da salvação. É somente na Escritura que encontramos Jesus representado de várias formas e prometido de várias maneiras no Antigo Testamento, visto e cumprido no Novo Testamento.

 

É somente na Escritura que encontramos o fundamento da nossa Teologia, seja ela sistemática, bíblica, apologética, hermenêutica, exegética ou pastoral. É somente na Escritura que encontramos o que precisamos para conhecer o Pai, o Filho e o Espírito Santo; e o Evangelho, para sustentar a fé e nortear a vida cristã.

 

 

Solus Christus – Somente Cristo

Somente Cristo: o único mediador da nossa salvação.

 

Somente Cristo foi a reação da Reforma contra a igreja secularizada e contra os sacerdotes que afirmavam sua posição especial para mediar a graça e o perdão de Deus por meio dos sacramentos. A reforma defendeu que a mediação entre o homem e Deus é feita somente por Jesus Cristo.

 

A salvação do pecador é obra de Cristo. A vida de Jesus sem pecado expiou os homens de seus pecados. Isto trouxe justificação e colocou o homem em uma nova posição com o Pai. A posição de filho por meio da reconciliação. Jesus Cristo é o único salvador. Cristo é central na reforma protestante.

 

 

Sola Gratia – Somente a Graça

Somente a graça: a única causa da nossa aceitação.

 

Além de a graça ser um dos atributos de Deus é, também, o próprio Cristo em Sua encarnação. E é o Espírito Santo quem aplica a graça ao coração do pecador.

 

A teologia divide a graça em comum e especial. A graça comum é aquela que é comunicada a todos os homens. É a que dá aos homens bênçãos sem medida. A chuva de Deus cai sobre justos e injustos. A graça especial é soteriológica, pois é por meio dela que o homem é salvo. É a comunicação da salvação de Deus ao pecador.

 

O termo “sola gratia”, refere-se a tudo que o homem possui, e, em especial, à salvação, que é pela graça somente. É pela graça somente que o homem é eleito, regenerado, justificado, santificado e glorificado. É pela graça somente que o homem recebe os dons espirituais e talentos que são usados em favor do Reino. É pela graça somente que o homem recebe as bênçãos de Deus.

 

 

Soli Deo Gloria – Somente a Deus a Glória

Somente a Deus toda glória: o único objetivo da nossa salvação.

Soli Deo Gloria é o pilar da Reforma Protestante que afirma que o homem foi criado para a glória de Deus. Como o homem foi criado para dar glória a Deus tudo que ele faz deve ser destinado à glória de Deus. Soli Deo Gloria é o princípio pelo qual toda glória é dada a Deus no processo de salvação. A vida do cristão é vivida diante de Deus e sob sua autoridade. Isso é para a glória de Deus.         A ele seja a glória eternamente! Amém. Romanos 11.36 O grito dos reformadores foi para que a Igreja voltasse aos moldes do Cristianismo primitivo. Que a Igreja retornasse à simplicidade do Evangelho. Que a Igreja vivesse apenas pela fé. Que a igreja vivesse apenas na Escritura. Que a Igreja vivesse apenas em Cristo. Que a Igreja vivesse apenas a Graça. Que a Igreja vivesse apenas para a glória de Deus.

 

Esse deve ser o nosso grito ao comemorar a Reforma Protestante!