Produtores de séries de TV buscam audiência fazendo chacotas com evangélicos

As produtoras de séries de TV vêm apostando cada vez mais em piadas e sátiras que ridicularizam os evangélicos, buscando audiência com esteótipos e achincalhe da fé protestante.

As chacotas variam de teor, passando pela crença na Criação do universo, até relações homossexuais entre fiéis. A receita polêmica parece ser uma das preferidas dos profissionais de TV atuais, visto que o segmento evangélico sempre se opõe à agenda em voga, destacando que homossexualidade, aborto e ideologia de gênero são contrários à Bíblia.

Aclamada como uma das maiores séries cômicas dos últimos anos, The Big Bang Theory(Warner), costuma mostrar Mary, a mãe do nerd Sheldon Cooper (Jim Parsons), como uma evangélica devota, típica do conservador estado do Texas, e usa isso para expor a veia racional – e por vezes ateísta – do protagonista.

Nos episódios da série, debates sobre o criacionismo e o evolucionismo são constantes entre Mary e Sheldon, sempre com a mãe exposta como uma fanática religiosa e hipócrita, já que o filho a flagrou transando com o namorado.

“Essa visão de que o evangélico não pratica o discurso que prega é marca de outras comédias”, destacou o jornalista João da Paz, do Notícias da TV.

Uma das séries que seguem essa linha é Blackish (Sony), em que uma avó, interpretada por Jennifer Lewis, mostra-se uma cristã fervorosa, mas vive trocando de namorado e adapta a Bíblia ao seu interesse.

A versão norte-americana de The Office (2005-2013) costumava atacar os evangélicos através de uma personagem que era contadora. Ela se dizia cristã e sempre era vista lendo a Bíblia, mas os colegas a consideravam pouco confiável.

Netflix

A plataforma de streaming de vídeos costuma, com frequência, alfinetar a fé cristã em suas produções. Em algumas delas, o assunto preferido é o estereótipo de que igrejas são uma comunidade formada por hipocrisias e escândalos sexuais.

Greenleaf é uma série que constrói sua trama em cima de adultérios, homossexualidade, sexo no templo ao lado da Bíblia, estupro de adolescentes e desvio de dinheiro. O roteiro se resume, basicamente, em mostrar a comunidade evangélica como uma enorme hipocrisia.

Já em The Get Down (2016-2017), que conta o surgimento do hip-hop nos anos 1970, um pastor pentecostal é mostrado como um radical religioso, que não permitia que a filha cantasse músicas seculares e a agrediu antes de expulsá-la de casa por esse motivo.

Evangélicos

Essa receita no entanto, pode se voltar contra as produtoras norte-americanas. Uma pesquisa de 2015 do instituto Pew Research mostrou que 70,6% da população dos Estados Unidos é cristã, e dessa fatia, 46,6% são protestantes. Há mais norte-americanos sem religião (22,8%) do que católicos (20,8%).

Talvez por isso a Netflix tenha apostado em uma série dramática que mostra uma família evangélica enfrentando um grave problema depois que o filho foi atropelado. Sem chacotas, Seven Seconds mostra os momentos de aflição, oração e questionamento da família durante a provação.

 

Mensagens subliminares vêm sendo usadas em filmes e séries para influenciar o comportamento, alerta pastor

A sutileza na trasmissão de mensagens e conceitos através dos principais conteúdos de entretenimento popular, como filmes, séries, desenhos infantis e novelas, é um tema que causa diferentes reações entre os evangélicos: uns consideram paranoia e fanatismo, enquanto outros sempre ressaltam a importância de estar alerta sobre o tema.

O programa Bate-Papo, da Rede Super, abriu espaço para o assunto numa entrevista do pastor Eduardo Coimbra, que trouxe luz à questão lembrando que o uso do conceito de “mensagem subliminar” é ampla no marketing, como uma ferramenta de vendas, mas também é usada de forma a disseminar novos conceitos, muitas vezes antibíblicos, em filmes, séries, desenhos, música e novelas.

“É como se fosse um cavalo de Troia, vem embutido. Esse tema é pouco discutido na igreja e tem certa discriminação no meio evangélico”, comentou, referindo-se à parcela do segmento religioso que considera a discussão sobre isso um exagero. “É classificado como aquelas pessoas que são fanáticos, mas na realidade é algo que tem massacrado sobretudo as crianças e os jovens”, alertou.

“A mensagem subliminar foi uma descoberta na área da publicidade é por meio dela as pessoas poderiam alterar o comportamento de outros. Com o passar do tempo a gente percebeu também que havia influência no mundo espiritual e acabou se tornando algo muito amplo na vida das pessoas”, acrescentou Coimbra.

O pastor enfatizou que uma mensagem transmitida de maneira subliminar, geralmente, é imperceptível para a maioria das pessoas: “Quando você vai para o campo da percepção, da pesquisa, da informação, aí você começa a abrir a sua mente em relação aquela informação. Agora no dia a dia, ninguém percebe”, argumentou.

De que forma essas mensagens são transmitidas? “Um objeto neutro, quando impregnado de maldade, pode trazer maldições para as nossas vidas”, disse, lembrando que em relação às crianças, os desenhos – antigos e novos – sempre foram usados como veículo de difusão de mensagens subliminares.

“[Há] desenhos atuais, que por meio das mensagens subliminares querem embutir comportamentos, hábitos e influências nas pessoas. Não apenas em crianças, mas no espectador em geral […] Nós precisamos separar aquilo que a mensagem explícita do que é mensagem subliminar. Isso vai influenciar o comportamento direto, vai trabalhar no conceitual. Esse filme Frozen é muito mais atrativo pelo seu enredo do que subliminarmente. Foi algo colocado propositalmente”, exemplificou.

“O segredo da mensagem subliminar é você não rejeitar. Vai entrando e posteriormente vai atuar na sua vida, alterando comportamentos para te influenciar. Aquilo que é explícito ou você rejeita ou você absorve”, ressaltou.

Assista ao trecho do programa em que o assunto foi debatido:

Grupo de 50 hindus ataca igrejas cristãs e espanca a mulher de um pastor com ajuda policial

A perseguição religiosa aos cristãos na Índia está se tornando cada vez mais violenta, segundo relatos da World Watch Monitor, organização que monitora casos de perseguição religiosa em várias partes do mundo. No último dia 11, a entidade registrou mais um ataque aos cristãos indianos, no sul de Tamil Nadu, onde além de destruição aos objetos de culto, várias pessoas foram espancadas, incluindo mulheres.

O ataque foi provocado por um grupo com cerca de 50 hinduístas, considerados “extremistas”. Eles estavam acompanhados por um policial destacado pelo Estado, disseram as testemunhas do caso. O grupo pertence a organização Hindu Munnani, uma entidade criada para defender o hinduísmo, supostamente, de outras religiões.

Segundo as testemunhas, Thangam Venkatesh, um dos líderes da Hindu Munnani, foi quem coordenou a onda de ataques que atingiram quatro igrejas cristãs em Tamil Nadu:

“Por volta das 9 da manhã, Venkatesh foi ao salão de oração e atacou o pastor Ravi Jacob. Ele usava linguagem extremamente vulgar e depois bateu em sua esposa, Persis”, disse John J.Y. Arul, presidente da ordem de pastores da região, para a WWM.

“Os extremistas eram agressivos e incontroláveis. Em frente às crianças e outros membros da igreja, eles violentamente bateram no pastor Jacob e sua esposa, Persis. Eles removeram a roupa da mulher e repetidamente chutaram seu rosto”, disse ele.

O que mais chamou atenção no caso, além da brutalidade e intolerância contra os cristãos, foi a proteção do policial, representante do governo. Na prática, isto significa que os cristãos da região estão desprotegidos e abandonados pelas leis do Estado. Arul contou que o próprio policial ajudou os indus extremistas:

“Não consigo repetir as palavras que eles usaram contra Persis. Ficamos chocados com o comportamento desumano. Quando Persis estava gritando por ajuda, o guarda da polícia, que estava com o líder Munnani, pediu que ela se prostrasse aos pés de Thangam Venkatesh e pedisse perdão”, disse ele

Universidade proíbe expressão ‘Deus te abençoe’ por receio de ofender alunos muçulmanos

Em tempos de uma sociedade altamente sensível, os argumentos para censurar a liberdade de expressão, e principalmente religiosa, começam a se tornar escassos, mas a perseguição não deixa de acontecer por isso. Agora, uma universidade proibiu a expressão “Deus te abençoe” para que muçulmanos não se sintam ofendidos.

A biblioteca da Universidade Simmons, em Boston, Massachusetts (EUA) possui um Guia de Anti-Oclusão, com uma extensa lista do que pode ou não pode ser feito. E os idealizadores do material demonstraram ter uma certa obsessão com eventuais queixas de muçulmanos, e decidiram proibir a expressão mais comum usada por um cristão.

De acordo com informações do portal Charisma News, os funcionários da universidade acreditam que a frase “Deus te abençoe” pode desencadear algo pior do que uma pequena agressão, pois consideram-na islamofóbica. E até têm um novo termo para isso: “Islamomísia”.

A “doença”, denominada islamomísia, seria uma espécie de “balaio” que abrange todas as possíveis queixas que um muçulmano venha fazer: “Na América do Norte (e em grande parte do mundo ocidental), as pessoas que seguem o cristianismo têm poder institucional, portanto, a islamomísia é uma discriminação sistematizada ou antagonismo dirigido contra muçulmanos devido à sua religião ou identidade religiosa, nacional ou étnica percebida associada ao Islã”, diz o Guia da universidade.

Os bibliotecários estenderam ainda as proibições a outras frases, como “Feliz Natal” e “Feliz Páscoa”, alegando que estas saudações podem fazer com que os muçulmanos se sintam desprezados e oprimidos pelo “privilégio cristão”.

“Nos Estados Unidos e em muitas outras nações ocidentais, o cristianismo e suas diversas denominações e práticas religiosas possuem poder institucional e cultural”, repte o guia. “O privilégio cristão é o benefício não merecido que os cristãos nos EUA recebem e que os membros de outras religiões (ou pessoas não religiosas) não recebem”, acrescenta o documento, que mais parece uma queixa pessoal de quem o redigiu.

 

Milhões se convertem no Irã após assistir programas de TV via satélite

Quem viu pela televisão as imagens dos protestos no Irã nas últimas semanas talvez não entendeu tudo o que está acontecendo. Pelo menos 21 pessoas morreram em confrontos com a polícia e mais de 1000 foram presos. As agências de notícias falaram muito sobre as manifestações serem por questões econômicas e contra decisões do governo.
Contudo, em grande parte a questão religiosa foi ignorada. Vídeos compartilhados nas redes sociais mostravam que as pessoas estão fartas da teocracia islâmica.
O missionário Mike Ansari diz que a turbulência política está criando oportunidades únicas para compartilhar o amor de Cristo. Ele é presidente dos Ministérios Heart4Iran [Coração pelo Irã], que trabalha junto a 86 ministérios diferentes, com o objetivo de servir e abençoar o povo do Irã.

Ele diz que grande parte do que está realmente acontecendo dentro da nação islâmica não é vista pelo mundo por causa da censura à internet. “Deus está trabalhando no Irã”, declarou Ansari. “Jesus está edificando sua igreja, o Espírito Santo está transformando vidas e o evangelho se espalhando”, explica.
O Heart4Iran é responsável pelo canal Mohabat, que em 2006 tornou-se o primeiro a transmitir 24 horas de programação evangelística em farsi, língua falada no Irã. Hoje, existem outros três canais de televisão por satélite que transmitem programação cristã para o Irã.

“Essas transmissões de TV desempenharam um papel vital no sucesso do movimento subterrâneo da igreja doméstica”, explica Ansari.
Recentemente, 20 iranianos, muitos dos quais aceitaram Cristo após assistirem programas da Mohabat, viajaram para um local não revelado para serem batizados.
Para o experiente missionário, as igrejas domésticas do Irã estão vivendo um crescimento explosivo, assim como milhares de habitantes do Oriente Médio que estão abandonando o Islã para seguir a Jesus.
“De acordo com a Missão Mundial, a igreja subterrânea do Irã é uma das igrejas de crescimento mais rápido do mundo”, aponta Ansari, que completa: “A maioria dos líderes cristãos iranianos acreditam que o movimento das igrejas em casa é que sustenta o cristianismo dentro deste país”.

O repórter George Thomas, da CBN, entrevistou Mike Ansari recentemente, o missionário disse que um dos motivos para o crescimento do cristianismo no Irã é por que o povo está desiludido com o islamismo e eles estão procurando respostas para o sentido da vida. “Eles estão procurando por novas respostas, não estão satisfeitos com sua condição espiritual. Além disso, parece que um grande número deles está realmente tendo sonhos e visões sobre um homem brilhante, vestido de branco, muito antes de nós começarmos a lhes falar sobre Jesus”.
Ansari diz que após quase 40 anos do regime islâmico, “o iraniano médio está percebendo que o islamismo está falido e o Islã não consegue dar as respostas para os dilemas com os quais eles estão lidando, em especial os mais jovens”.
Enfatizou também que “cerca de 16 milhões de iranianos nos últimos 12 meses viram um ou mais dos nossos programas na televisão por satélite e também em seus dispositivos móveis (celulares e tablets). Isso significa aproximadamente 20% da população do Irã e esse é um número irresistível. Nos últimos 11 anos, desde que lançamos nosso canal para o Irã, tivemos um aumento de mais de 400% na audiência o que, para nós, foi absolutamente fenomenal”.
Encerrou dizendo que o canal de TV tem um call center, para onde as pessoas podem ligar gratuitamente para saber mais sobre Jesus. Segundo os registros, são em média 700 contatos por dia. Todos recebem uma oportunidade de aceitar a Jesus, o que lhes permitiu computar 3 decisões a cada hora de agora ex-muçulmanos.

Quase não há crianças cristãs na nação mais opressora do mundo

Um pastor norte-coreano, que atualmente mora na China, revelou que os cristãos da Coreia do Norte são forçados a esconder sua fé de seus próprios filhos, temendo o que as autoridades farão com a família se forem descobertas.
Lee Joo-Chan explicou à Missão Portas Abertas, que monitora a perseguição no mundo todo, que ele próprio cresceu sem saber que seus pais seguiam a Jesus. “Eu sabia que meus pais eram diferentes porque cuidavam dos doentes, dos pobres e dos necessitados. À noite, eles liam um livro secreto, o qual eu não tinha permissão para ler”, relata o pastor.
“Eu os escutava sussurrar as palavras e sabia que aquela era sua fonte de sabedoria. Também sabia que se alguma vez contasse sobre isso a outra pessoa, nossa família seria levada pelas autoridades”, testemunha.

Segundo Lee, somente quanto sua família fugiu para a China, no final dos anos 1990, sua mãe lhe contou a história da família e como eles tentaram praticar sua fé por décadas.
Algum tempo depois, a mãe e o irmão de Lee tentaram voltar para a Coréia do Norte, e foram emboscados por soldado que os mataram diante de seus olhos. Ele soube que seu pai e outros irmãos também foram mortos tentando atravessar a fronteira.

Essa experiência angustiante inspirou Lee a ira para a Coréia do Sul, onde seguiu o desejo de sua mãe e foi estudar teologia, tornando-se um pastor.
A Portas Abertas lembra que há uma série de razões pelas quais os pais não compartilham sua fé com seus filhos na Coréia do Norte, começando pelo “doutrinamento estatal” severo a que os cidadãos são submetidos desde o nascimento até a morte.
Sabidamente, é muito arriscado compartilhar o Evangelho com crianças, pois elas podem cantar um hino ou citar a Bíblia em público, o que é um crime para o regime comunista da Coreia do Norte.
“Infelizmente, na Coréia do Norte, dezenas de milhares de crianças viram suas famílias cristãs serem destruídas pela morte, prisões ou outras tragédias. A dificuldade da vida coreana dividiu inúmeras famílias, deixando marcas profundas nas crianças”, afirma a missão.

Kim Sang-Hwa, que cresceu na Coréia do Norte, compartilhou com os missionários que, quando ela tinha 12 anos, encontrou uma Bíblia dentro de um armário secreto em sua casa. Logo percebeu que era um livro ilegal. Quando ela perguntou aos pais do que se tratava, seu pai lhe explicou algumas das principais crenças do cristianismo. Foi quando ela percebeu que também precisava manter seu segredo.
“Foi a primeira das muitas conversas que tivemos sobre a Bíblia, sobre Deus, Jesus e o evangelho. Ele me contou muitas histórias bíblicas. Mas os meus irmãos mais velhos não tinham o mesmo conhecimento”, lembra Kim.
Ativistas de direitos humanos da Coalizão pela Liberdade da Coreia do Norte compartilharam a dura realidade que as crianças enfrentam no regime ateísta de Kim Jong-un. Em abril de 2017 um grupo de 17 órfãos que tentavam fugir do país foram detidos na China e enviados de volta. Quando descobriram que três deles eram cristãos, foram enviados imediatamente para o local de detenção dos prisioneiros políticos.
Segundo um dos ativistas: “De acordo com a lei norte-coreana, as crianças menores de 18 anos não devem ser tratdos como prisioneiros políticos. Mas, neste caso, eram cristãos ligados a uma igreja ilegal, por isso foram separados do grupo e torturados severamente, enquanto os demais órfãos foram enviados para um campo de reeducação com outras crianças”. Com informações de The Christian Post

Família que pedia orações pela filha no Facebook comemora milagre

Campanha de oração nas redes sociais são relativamente comuns. Mas os pais de Chloe Clark testemunham que Deus usou as redes sociais para levantar um exército de intercessores pela sua fila, que se recuperou milagrosamente de uma grave lesão na cabeça.
“Estamos muito felizes, a cada dia está ficando melhor”, disse Jared, o pai de Chloe. A menina estava brincando, no início do mês, em frente à casa que ele está construindo, no Alabama, quando foi atingida por uma viga de madeira. Ela sofreu uma grave concussão e entrou em coma. Nas últimos semanas, só ficou viva por que foi ligada a aparelhos.
A família de evangélicos começou uma campanha de oração em sua igreja. Depois, criaram a página Pray for Chloe [Ore pela Chloe], onde postaram um pedido de intercessão pela menina que viralizou. Em duas semanas, mais de 1.300.000 pessoas assistiram e a maioria se comprometeu a orar por ela. Os pais dizem que eram milhares de pessoa de todo o mundo, orando e enviando palavras de encorajamento.

Dez dias após o acidente, Chloe acordou do coma, o que os familiares acreditam ser uma resposta a tantas orações. “São tantas pessoas orando e pedindo a Deus pela Chloe. Nós sabemos que isso aconteceu pelo Seu poder e estamos dando a ela toda a glória e honra. Também queremos agradecer a todos que nos apoiaram, afirmou Jared à CBN.
Mesmo com o rosto ainda inchado, ela voltou a sorrir e esta pronta pra ir para casa. Os médicos disseram que a recuperação total deve levar até três meses. Ela fará fisioterapia, mas os pais estão confiantes que não ficarão sequelas.

“Isso mostra o que acontece quando Deus entra na história”, disse Jared. “Quando Deus entra no meio, tudo é possível. Esse é apenas mais um milagre de Deus”.

A família conta que, em determinado momento, os médicos estavam pessimistas.
“Temos um enorme encargo financeiro à nossa frente”, disse Jared. “Mas não estou preocupado com isso. Eu tenho minha filha e isso é tudo o que importa”.
Jared revela ainda que toda essa situação os motivos ainda mais para uma vida de oração. “Minha esposa e eu continuamos dizendo que tudo isso restaurou nossa fé… a história da Chloe apenas prova que a família de Deus ainda é grande e poderosa”.

Eles pretendem transformar a página do Facebook “Pray for Chloe“, que agora tem milhares de seguidores, como um “grupo de guerreiro de oração” para compartilhar as necessidades de outras famílias que passam por emergências e problemas médicos.
“Eu adoraria ver isso crescer e se transformar em um ministério”, disse ele. “Termos a oportunidade de fazer com que milhares de pessoas orem instantaneamente, é algo tão bom. Queremos dividir essa bênção e devolver um pouco, porque recebemos muitas bênçãos”.

 

Alunos cristãos são atacados com facões por recusarem conversão ao islamismo

Vários estudantes cristãos foram espancados e atacados por colega islâmicos portando facões em uma escola de ensino médio em Nairobi, no Quênia, depois de se recusaram a se converter ao Islamismo.
Segundo o site de notícias Morning Star, na escola de Jamhuri alguns alunos muçulmanos se queixaram de discriminação, pois havia espaços na instituição separados para uso de cristãos e muçulmanos.
Uma testemunha explicou que vários desses estudantes muçulmanos vinham tentando forçar os colegas cristãos a recitar o credo islâmico para conversão e passar por rituais de ‘purificação muçulmana’ dia 23 de janeiro, o que gerou um conflito.

“Os que recusaram foram espancados, enquanto outros foram atingidos por golpes de facão”, afirmou. Ele disse ainda que as armas​​ vieram de fora da escola. No final do conflito, 35 alunos ficaram gravemente feridos e tiveram de ser levados ao hospital para tratar cortes e ossos quebrados.
O diretor da Escola de Jamhuri, Fred Awuor, também precisou atendimento médico depois de ser ferido enquanto tentava acabar com a violência.

A escola foi fechada e a polícia investiga quem forneceu armas aos estudantes. O principal suspeito é o grupo terrorista al-Shabaab, que vem estimulando que os jovens quenianos se unam à jihad. No ano passado ocorreu uma série de incidentes violentos em escolas do Quênia, onde cristãos foram mortos.
O maior ataque contra estudantes quenianos ocorreu em abril de 2015, quando 148 alunos foram mortos na Universidade de Garissa.
O al-Shabaab, originário da Somália, é o grupo extremista considerado o mais mortal do continente pelo Centro Africano de Estudos Estratégicos, tendo matado 4.000 pessoas em 2016. Com informações de The Christian Post

Pastor Hernandes Dias Lopes conta que sua mãe rejeitou sugestão de aborto e o consagrou a Deus

Um voto sincero, de uma mãe aflita. Essa é a história do chamado ministerial do reverendo Hernandes Dias Lopes, um dos pastores presbiterianos mais conhecidos no Brasil. Em uma entrevista recente, ele contou seu testemunho e disse que sua mãe rejeitou o aborto, mesmo com risco de morte, e o consagrou a Deus.

Dias Lopes concedeu uma entrevista ao canal Jesus Copy e contou que sua mãe o consagrou a Deus e pediu que Ele poupasse sua vida e do bebê para que, no futuro, ele pudesse se tornar pastor. Durante sua infância, no entanto, a mãe nunca contou ao filho sobre esse voto pessoal.

“É uma história muito curiosa. Quando eu estava no ventre da minha mãe, ela morava em uma região muito pobre e não tinha recursos médicos. Ela estava muito doente e um médico foi chamado para vê-la. Ele disse: ‘Essa criança não vai sobreviver’”, introduziu Dias Lopes.

O pastor contou qual foi a decisão de sua mãe: “[O médico disse] ‘ela está muito fraca e a criança em agonia de morte. A única chance que ela tem é tirar a criança’. Minha mãe tomou outra decisão: ‘Não, eu não abro mão dos filhos. Estou pronta para morrer por eles’. Ela fez um voto para Deus”, relembrou.

“’Meu Deus, se tu poupares a minha vida e a de meu filho eu quero consagrá-lo para ser um pastor’. Ela queria que Deus me chamasse e não que eu fosse sugestionado para ir ao seminário”, explicou Hernandes Dias Lopes.

No entanto, o jovem tinha outros planos para sua vida: “Meu desejo de criança era ser advogado e político até os 18 anos. E eu me filiei a um partido, mas com 19 anos Deus pois a mão sobre mim e me chamou para o ministério. Enquanto eu conversava com um presbítero da igreja disse: ‘Quando eu fizer direito, ter uma carreira promissora, eu vou entrar no seminário, fazer teologia. Vou estudar um pouco melhor para servir a Deus’”.

“Ele olhou dentro dos meus olhos e disse assim: ‘Você está querendo dar a sobra para Deus? Deus te quer agora e completo, a sua Juventude’. Então a Palavra entrou como flecha no meu coração eu saí dali plenamente convicto de que Deus me queria para o ministério. E aí a minha mãe me contou essa história que ela já estava orando por isso. Ela disse que nunca deixou de orar todos os dias para que Deus realizasse sua obra em meu coração”, prosseguiu.

A ordenação ao ministério cobrou de Dias Lopes dedicação ao estudo da Palavra e paciência: “Fui para o seminário de Campinas, estudei de 1978 a 1981, e então em 1982 eu fui ordenado ao sagrado ministério pela graça de Deus. Eu só posso dizer para você que nada para mim é mais importante do que ser pastor e pregador do Evangelho. É a coisa mais sublime do mundo”, concluiu.

 

Governo cassa licenças e cristãos da China são obrigados a se reunir em casas para cultuar a Deus

O governo da China tem protagonizado uma das mais intensas cenas de perseguição religiosa aos cristãos do país nos últimos anos. Em um dos casos, os fiéis passaram a se reunir nas casas para cultuar a Deus após as autoridades despejarem a igreja do imóvel onde ela funcionava.

A China é um país de contradições de conceitos: embora seja uma economia capitalista, todo o restante da estrutura de governo é comunista, com inúmeras regulamentações sobre todos os assuntos e interferência do Estado nos mínimos detalhes da vida privada.

De acordo com informações da China Aid, o caso da igreja perseguida na província de Hubei, região central do país, é apenas um dos inúmeros casos registrados mês após mês. Os fiéis da igreja em Yanji se viram obrigados a se dividirem em pequenos grupos para celebrarem cultos domésticos.

Os funcionários do Partido Comunista se recusaram a renovar a autorização para locação de um edifício para a igreja, e como o contrato que vigorava à época estava próximo do fim, os fiéis ficaram sem opções. Há relatos, inclusive, de que a perseguição ganhou requintes de violência, com casos de bombas lançadas contra os cristãos e agressões físicas da parte dos servidores públicos, que chegaram a atirar fiéis na lama para humilhá-los.

A igreja de Yanji recebeu um comunicado do Escritório de Assuntos Religiosos do Distrito de Echeng em dezembro de 2016 proibindo cultos e outras atividades religiosas, como grupos de estudo bíblicos, sob o argumento de que a permissão havia expirado.

Além disso, o governo proibiu a igreja de manter seus programas missionários. A China Aid, uma entidade de apoio à Igreja Perseguida no país e também aos missionários, informou também que as autoridades foram, pouco a pouco, suprimindo os direitos dos cristãos de Yanji, conforme cada uma das autorizações iam expirando.

Ore pelos irmãos da Igreja Perseguida ao redor do mundo, que sofrem na pele, literalmente, todo tipo de cerceamento da liberdade religiosa.

 

Pastor alerta cristãos a se prepararem para o fim dos tempos: “É importante estar pronto”

O fim dos tempos são cada vez mais discutidos entre cristãos, e para muitos estudiosos da Bíblia Sagrada, os sinais de que vivemos em uma época que se encaixa com as profecias são muito claros. Nesse contexto, o pastor Rick Joyner encorajou os fiéis em Jesus Cristo a se prepararem para sua volta.

Joyner é líder da megaigreja MorningStar Fellowship, sediada em Fort Mill, Carolina do Sul (EUA)e com filiais em outros estados. Ele publicou um artigo no site da denominação alertando os cristãos a permanecerem na Palavra de Deus, e estudarem o livro do Apocalipse.

“Saber o que acontecerá não é tão importante como estar preparado para o que acontecerá”, escreveu o pastor. “Não há lugar mais seguro que possamos estar do que em Sua vontade. Podemos conhecer todas as profecias com precisão, mas se não estamos permanecendo n’Ele e fazendo a Sua vontade, podemos estar com tantos problemas como aqueles que não conhecem nada”, acrescentou.

Joyner lembra que os cristãos devem defender a verdade, não importa o quão difícil isso seja e mesmo que atraia a ira da sociedade. Pois, se os seguidores de Cristo fizerem o que é aceitável para a sociedade, farão o que é detestável para Deus.

“O contrário também é verdadeiro: se fizermos o que é aceitável para Deus, estaremos fazendo o que é detestável para os homens. Alguém vai detestar o que estamos fazendo. Quem queremos ser?”, questionou.

“Se estamos tentando conquistar os homens fazendo o que aprovam, eles nunca nos respeitarão o suficiente para nos ouvir de qualquer maneira e perderemos Deus no processo”, ponderou o pastor, contextualizando que o fim dos tempos é caracterizado por escolhas de consequências graves.

“Se permanecermos em Sua justiça, teremos uma paz que o mundo não pode compreender. Isso leva a uma alegria que não depende das condições da Terra. Nunca perca a sua alegria”, concluiu o pastor.

 

Mesmo sob ameaça de prisão, cristãos ensinam a Bíblia a seus filhos na China

Apesar do discurso de liberdade religiosa, o que se vê no país mais populoso do mundo é um aumento da perseguição religiosa, sobretudo contra os cristãos. Este ano, o Partido Comunista da China emitiu um “alerta contra a celebração do Natal”, alegando que os chineses deveriam “resistir à corrosão da cultura religiosa ocidental”. Esse tipo de ação gera diferentes consequências em toda a nação.

As autoridades da cidade de Wenzhou, na província de Zhejiang, já haviam proibido a realização de classes de Escola Dominical nas igrejas desde agosto, mas os cristãos desafiam as ameaças e lutam para que as crianças continuassem aprendendo sobre Jesus e a Bíblia.

Mesmo sabendo que podem ir para a prisão, a opção dos líderes das igrejas da região foi estimular os pais a ensinarem as crianças em casa. Algumas igrejas mudaram os dias e horários das aulas, para fugir das “batidas” policiais. A mensagem de todos é a mesma: não vamos desistir de capacitar a nova geração.

Wenzhou é conhecida como a “Jerusalém da China”, devido à sua grande comunidade cristã. Mas recentemente ficou no centro do conflito entre o governo chinês e o interesse dos pais em oferecer educação religiosa aos seus filhos.

O Partido Comunista, oficialmente ateu, multiplicou nos últimos anos as tentativas de conter a influência da religião, restringindo as manifestações de fé e advertindo contra as ideias “ocidentais” do cristianismo. Contudo, os fiéis da região de Wenzhou acreditam que o partido terá dificuldade em exercer controle sobre a próxima geração de cristãos do país.

“Em minha casa, a fé vem primeiro e as notas ficam em segundo lugar”, disse uma mãe, apelidada de Chen, que prefere ocultar seu nome completo por questões de segurança. Para ela, é importante que as crianças frequentem as aulas bíblicas, pois a educação estatal não fornece orientação moral e espiritual.

“Drogas, pornografia, jogos de azar e violência são sérios problemas entre a juventude de hoje”, disse ela à Reuters. “Não podemos estar ao lado deles o tempo todo, então somente através dos princípios da fé eles vão aprender qual a coisa certa a fazer”.

As províncias de Zhejiang, Fujian, Jiangsu, Henan e a região autônoma da Mongólia Interior impediram que crianças participem de aulas sobre religião, incluindo na Escola Dominical e nos acampamentos de verão.

Em Wenzhou, cuja comunidade cristã foi iniciada por missionários do século XIX, são mais de um milhão de cristãos conhecidos. A partir de 2014, quando uma campanha do governo para demolir igrejas “ilegais” e derrubar suas cruzes gerou atrito das autoridades com os crentes, algo que só vem aumento desde então.

Os livros usados pelas igrejas em classes de Escola Dominical foram visados pela onda de repressão pois frequentemente são textos traduzidos do exterior.

Em setembro, foram assinadas novas leis que expandiram o controle estatal sobre a educação religiosa em todo o país. Escolas cristãs foram fechadas pelas autoridades, sob acusações que promoviam uma “lavagem cerebral” em seus alunos.

As autoridades dizem que as novas medidas são uma tentativa de criar uma “nova geração de líderes religiosos leais ao partido”.

Comunismo X Cristianismo

Wang Zuoan, chefe da Administração Estatal de Assuntos Religiosos da China, afirmou à Reuters que existe uma “necessidade urgente de mais líderes religiosos patrióticos”. Trata-se de uma menção ao comando deles sobre as “igrejas oficiais” onde os sermões dos pastores são supervisionados pelos líderes comunistas e não e pode pregar o evangelho abertamente. Mas para os líderes cristãos das igrejas subterrâneas, o controle do partido sobre a educação religiosa é inaceitável, pois eles colocam a ideologia comunista acima de Deus.

Nas últimas quatro décadas, o número de cristãos na China se multiplicou rapidamente. Os números oficiais dizem que há agora cerca de 30 milhões de cristãos, na maioria evangélicos. Contudo, especialistas acreditam que eles já passam de 300 milhões.

Para a senhora Chen, em Wenzhou, a fé deve ser o pilar da educação, pois ela acredita que os crentes em Jesus voltarão a ser mais numerosos que os ateus na China, como era antes da revolução comunista. “Definitivamente haverá mais cristãos na próxima geração “, disse ela, pois “a capacidade da fé cristã em ser herdada e transmitida” é incomparavelmente maior que os ideais comunistas. Com informações de Reuters

Ministério Público censura supermercado que defendeu o casamento tradicional e juristas evangélicos reagem

A revista da rede Hirota Food Supermercados que exaltava a família tradicional e os valores morais cristãos se tornou alvo de uma ação de censura do Ministério Público, que determinou a suspensão do material sob pena de um processo judicial. Em contrapartida, a Associação Nacional dos Juristas Evangélicos (Anajure) se manifestou repudiando a postura do MP.

A polêmica começou quando ativistas gays protestaram nas redes sociais contra a revista “Cada Dia – Especial Família”, produzida com textos do reverendo presbiteriano Hernandes Dias Lopes e patrocinada pela rede de supermercados, com postura de oposição à homossexualidade, aborto e ideologia de gênero.

No entanto, o Ministério Público entrou na polêmica, motivado pela repercussão nas redes sociais, e notificou a rede de supermercados por considerar o conteúdo “discriminatório”, sem considerar a liberdade religiosa, de crença e de expressão.

Segundo informações do portal G1, o MP quer que o Hirota Food atue para impedir distinção, exclusão, limitação ou preferência que cause discriminação de candidatos a empregos ofertados pela empresa motivados por questões como “gênero, orientação sexual ou por arranjos familiares entre as pessoas”.

“[O MP exige] a plena e efetiva igualdade entre mulheres e homens em seu ambiente de trabalho; que garanta o respeito à liberdade de religião, credo, de gênero e orientação sexual em seu ambiente de trabalho e da mesma forma respeite identidade de gênero, orientação sexual e forma de agir de todas as pessoas”, diz a notificação.

Repúdio

O Conselho Diretivo Nacional da Anajure publicou uma nota no último domingo, 24 de dezembro, repudiando a postura do Ministério Público e da Defensoria Pública do Estado de São Paulo.

A Anajure enfatiza que a distribuição do livreto é parte do exercício da liberdade de expressão e de religião, e garante que o caso será levado aoConselho Nacional do Ministério Público (CNMP) se o MP não recuar da determinação de suspensão da distribuição do material.

“Destacamos que os clientes ou funcionários não foram obrigados a receber a literatura”, afirma a Anajure. “Sublinhamos ainda que o devocionário não tem qualquer natureza regulamentar trabalhista, como um código de conduta, não servindo de orientação às práticas empresariais, sendo apenas um ‘regalo de fim de ano’, tal qual é culturalmente feito por várias empresas, por meio de calendários, marca páginas, agendas, canetas, etc – alguns, inclusive, com menções de cunho ideológico ou religioso”, acrescenta a nota.

“Entendemos que a simples distribuição de uma literatura que afirma o casamento heterossexual e monogâmico como obra da criação de Deus não significa que o supermercado está discriminando aqueles que pensam diferente ou adotam as práticas apontadas no texto”, contextualiza a Anajure.

“Além disso, não significa que o supermercado não contrata ou atende indivíduos que pensem de maneira diferente. Por fim, uma leitura atenta dos textos vai indicar que as mensagens não orientam ou instigam a discriminação de pessoas que não concordam com o seu conteúdo”, conclui o documento assinado pelos membros da associação.

“Pai da mentira, satanás tenta imitar a obra de Deus”, alerta evangelista Billy Graham

Aos 99 anos, Billy Graham continua exercendo seu ministério a partir de sua casa, ao responder perguntas de leitores de sua coluna no site da Associação Evangelística que leva seu nome, ou de jornais norte-americanos que compartilham os textos do evangelista.

Recentemente, um leitor questionou sobre visões do céu: “Meu tio diz que minha tia teve um vislumbre do céu antes de morrer. Como ele sabe? Talvez ela estivesse apenas tendo uma alucinação. Admito que sou um pouco cético, embora minha tia fosse uma pessoa muito espiritual que lia a Bíblia todos os dias”, disse o leitor.

A partir desse comentário, Billy Graham afirmou que, mesmo sendo incomum, Deus pode privilegiar alguns de seus servos com um vislumbre do céu, e citou o caso de Estevão, o primeiro mártir cristão.

“À medida que as pedras jogadas por seus inimigos caíam sobre ele, Estêvão ‘olhou para o céu e viu a glória de Deus e Jesus de pé à direita de Deus’ (Atos 7:55)”, respondeu Billy Graham, dispensando os argumentos de quem afirma que isso é resultado de alucinações ou reações químicas no sistema nervoso.

“Estou convencido de que, em vez disso, são realmente um vislumbre de Deus na eternidade”, declarou Graham. “Através disto, Deus está lembrando os que estão presentes – e nós também – que a eternidade é real, e Cristo está esperando para nos receber no Céu”, prosseguiu, segundo informações do portal Gospel Herald.

Judeus e cristãos sofrem mais com “crimes de ódio religioso” que muçulmanos, aponta levantamento

Um levantamento realizado pelo Escritório para as Instituições Democráticas e os Direitos Humanos (ODIHR, na sigla em inglês) constatou que os cristãos são os maiores alvos dos “crimes de ódio” resultantes da intolerância e perseguição religiosa ao redor do mundo.

O ODIHR é ligado à Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) e divulgou o relatório anual a respeito do tema, chamando atenção para o fato de que os dados constantes no documento haviam sido colhidos por 125 entidades sociais internacionais ao longo de 2016.

Além da Europa, os dados cobrem também informações colhidas por países da Ásia ocidental, Estados Unidos e Canadá, segundo informações da própria OSCE, que divulgou o relatório em sua página no último dia 16 de novembro, como parte das ações do Dia Internacional da Tolerância.

A despeito do grande alarde feito pela grande mídia sobre um suposto aumento da islamofobia (termo usado para se referir a casos de intolerância religiosa a muçulmanos motivada pelos casos de terrorismo praticado por extremistas adeptos da religião), os dados mostram uma realidade diferente: as maiores vítimas dos crimes de ódio religioso são, na verdade, os cristãos.

O grande questionamento a ser feito à imprensa internacional é, porquê os casos de ataques a cristãos ao redor do mundo são omitidos das páginas de notícia e telejornais, na maioria das vezes. Exceto agências missionárias e portais de notícias dedicados ao público cristão, nenhum outro veículo costuma dedicar manchetes a esses casos.

Embora exista uma paridade nos casos de “ataques violentos” entre vítimas cristãs (106) e muçulmanas (107), nos casos de danos à propriedade que os cristãos sofrem em maior escala. O relatório mostra que 369 cristãos sofreram com o vandalismo em suas casas e comércios ao longo de 2016, contra 185 muçulmanos, nos países listados.

Como o trabalho da OSCE é bastante amplo e voltado a questões sociais em geral, o levantamento também traz números sobre crimes de ódio praticados contra homossexuais, pessoas com deficiência, imigrantes e ciganos.

O documento aponta ainda que o grupo social que mais sofre, em todos os aspectos, são os judeus, pela característica de serem um povo com religião, cultura e etnia próprias.

 

Igreja realiza primeiro culto após massacre e pastor perdoa assassino de sua filha

Em um templo improvisado com uma tenda, num campo de beisebol, a Primeira Igreja Batista de Sutherland Springs realizou o primeiro culto após o massacre perpetrado pelo ativista ateu Devin Patrick Kelley, 26 anos, que tirou a vida de 26 pessoas com idades entre 5 e 72 anos.

A igreja texana recebeu centenas de pessoas, e as abas laterais da tenda usada para o culto precisaram ser abertas para que todas as pessoas presentes pudessem acompanhar a celebração.

Dentre os presentes, duas pessoas chamaram atenção: a ex-sogra do atirador, que é membro da congregação, e o senador John Cornyn, que entregou uma mensagem de condolências. “A dor de perder 26 membros é esmagadora. Muitas vidas foram mudadas para sempre. Não consigo imaginar o que essas pessoas estão passando desde então”, disse.

De acordo com informações da emissora Christian Broadcasting Network, o pastor da igreja, Frank Pomeroy, perdeu a filha de 14 anos na tragédia, Annabelle. “Ao invés de escolher a escuridão, escolhemos a vida. Temos a liberdade de escolher, e ao invés de escolher a escuridão como aquele homem fez naquele dia, eu digo que escolhemos a vida. Amém? Aqueles 26 que não estão mais conosco estão dançando em Sua presença hoje”, afirmou.

Outro pastor, Mark Collins, que no passado dirigiu a Primeira Igreja Batista de Sutherland Springs, revelou que o encontro do último domingo, 12 de novembro, foi o maior da história da congregação. O líder evangélico afirmou que os membros agora estão prestando apoio à família do ativista ateu: “Nossos corações e orações vão para a família dele”.

A ex-mulher do atirador, Tessa Brennaman, 25 anos, falou sobre Kelley: “Ele tinha muito demônios e muito ódio dentro dele”, disse, lembrando de uma situação em que foi ameaçada por ele: “Ele tinha uma arma no coldre, então ele pegou a arma e colocou na minha testa e me disse: ‘Você quer morrer? Você quer morrer?’”, relembrou.

Memorial

O templo da igreja já recebeu reparos, mas provavelmente não voltará a ser usado como local de culto. Os membros decidiram transformar o local em um memorial das vítimas do incidente.

Todo o interior foi reparado, com os buracos de balas todos tapados, e paredes, piso, palco e púlpito pintados de branco. Todas as cadeiras foram removidas, assim como os equipamentos de som e carpetes. No interior, restaram apenas 26 cadeiras, também brancas, representando cada vítima do atirador.

Os próximos cultos serão feitos no terreno onde o templo está, mas não em seu interior. Os membros decidirão se o local deve ser demolido para a construção de um novo, ou se outro templo será erguido em outro local.

 

O QUE VOCÊ QUER OUVIR DE DEUS NO FINAL? | PR. DOMINGOS JARDIM

O QUE VOCÊ QUER OUVIR DE DEUS NO FINAL? (Josué 13.1)

Introdução: O objetivo dessa palavra de hoje é despertar você para fazer a obra de Deus da melhor maneira possível para que no último dia você receba um elogio de Deus. Esse texto nos mostra o que o Senhor Deus disse a Josué no final de sua vida. Como termina é que conta; melhor do que começar bem, é terminar bem, aprovado em Cristo; é alcançar a incorruptível coroa da vida.“…Todo atleta em tudo se domina; aqueles, para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, a incorruptível…” (1 Cor. 9.24-27).

Como você quer terminar a sua caminhada com Cristo? O que você quer ouvir de Deus no final de sua vida?

 

1 – O QUE NOS IMPEDE DE CONQUISTAR TUDO O QUE DEUS PROMETEU?

Vejamos o que nos impede de conquistar as promessas de Deus para a nossa vida:

. Desobediência à palavra e a direção de Deus.

Exemplo: Moisés, quando Deus o mandou falar com a rocha, ele desobedeceu e bateu na rocha com o seu cajado, por causa dessa atitude de desobediência, ele não pôde entrar na terra prometida (Números 20.7-12).

Exemplo: O profeta jovem que Deus enviou a Betel; o Senhor disse que ele não deveria comer, não beber água, nem voltar pelo mesmo caminho, ele desobedeceu e foi morto por um leão (1 Reis 13.1-24).

. Falta de fé e confiança nas promessas do Senhor nosso Deus.

. Omissão… (Tiago 4.17).

. Procrastinação, deixar sempre para depois, para amanhã…

. Infidelidade a Deus e à sua Palavra (Lucas 16.10).

. Olhar para os pecados, os escândalos, as falhas de outras pessoas; se o seu pastor, supervisor, discipulador falhou com você, Jesus nunca falhou, jamais falhará, jamais te abandonará, então, olhe para Jesus.“…corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus…” (Hebreus 12.1,2).

Cada um de nós dará contas de si mesmo a Deus. (Rom. 14.12).

Como você quer se apresentar diante do tribunal de Cristo? (2 Cor. 5.10).

. Andar com más companhias, com pessoas erradas. “o vos enganeis: as más companhias corrompem os bons costumes” (1 Cor. 15.33).

. Envolver-se com negócios que te levam para fora da missão que Jesus te confiou.Nenhum soldado em serviço se envolve em negócios desta vida, porque o seu objetivo é satisfazer àquele que o arregimentou” (2 Timóteo 2.4).

. O pecado da cobiçaidolatriaimoralidadecolocar o Senhor à prova e murmuração (1Coríntios 10.6-10). Por causa desses cinco pecados cerca de um milhão de israelitas morreram durante os quarenta anos no deserto, não alcançaram a terra prometida.

. Perder o foco da visão. “… esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo…” (Fil. 3.13,14).

. Valorizar o cansaço… Exemplo: Esaú, valorizando o cansaço, abriu mão do seu direito de primogenitura, trocando-a por um prato de lentilhas… (Gênesis 25.29-34; Hebreus 12.16).

Um grave problema, é chegar no final da vida e descobrir que não conquistou tudo que Deus gostaria que você conquistasse… A maior de todas as frustrações é chegar no final de vida e ouvir Deus dizer: “Você está velho, avançado na idade, e ainda há muita terra para ser conquistada” (Josué 13.1).

Deus disse: “Eu esperava mais de você; Eu esperava que você conquistasse toda a terra; Eu esperava que você produzisse mais frutos; você deixou a desejar; você não fez tudo o que Eu ordenei que fizesse; você falhou…”

Deus está dizendo: “O seu tempo acabou e você não completou a obra que eu te confiei; você não completou a missão que eu te dei.” O Senhor Jesus deu a cada um de nós uma missão de fazer discípulos. (João 20.21).
Deus está dizendo: “Presta contas da tua administração, da missão que Eu te confiei.”(Lucas 16.2).

2 – AS PROMESSAS DE DEUS NÃO FALHAM.

Todas as boas palavras do Senhor se cumpriram, nenhuma delas falhou.(Josué 21.45).
Se não conquistamos as promessas é por falha nossa; porque todas as promessas de Deus se cumprem no detalhe da vírgula. “Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, vim para cumprir. Porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da Lei, até que tudo se cumpra” (Mateus 5.17,18).
Podem passar o céu e a terra, porém, as palavras de Deus jamais passarão. (Mateus 24.35).
O nosso Deus, é Deus de promessa, de aliança, todas as suas promessas são inteiramente confiáveis, Ele nunca falhou e jamais falhará. Nós estamos debaixo das promessas que são superiores a todas as outras. (Hb 8.6).

 

3 – VIVA PARA CONQUISTAR AS PROMESSAS DE DEUS.

Jesus nos escolheu para produzir muitos frutos, porque Ele acredita em você.
“… eu vos escolhi a vós outros e vos designei para que vades e deis fruto…” (João 15.16).
O que causou a tua existência foi o propósito eterno de Deus, temos viver para o propósito Deus para a nossa vida.“Antes que eu te formasse no ventre materno, eu te conheci, e, antes que saísses da madre, te consagrei, e te constituí profeta às nações (Jeremias 1.5).

A expectativa de Jesus é que possamos fazer discípulos em todas as nações, para isso, Ele nos capacita com o poder do Espírito Santo. “Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém (Marilia) como em toda a Judéia (São Paulo) e Samaria (Brasil) e até aos confins da terra” (Nações) (Atos 1.8).
Temos o alvo de conquistar toda a cidade de Marilia para Jesus em nossa geração.

Construir a nossa nova sede. Plantar 100 novas igrejas. Treinar 100 mil pastores e líderes.

Jesus quer que conquistemos a cidade para Ele em nossa geração. (Atos 18.9,10).

Deus quer salvar todas pessoas de nossa cidade. (1 Timóteo 2.3,4).

Temos que realizar o trabalho de Deus agora, enquanto temos tempo, enquanto é possível. (João 9.4).

Faça tudo o que te vier às mãos para fazer, agora. (Ecl. 9.10).

 

4 – COMO DEVEMOS TERMINAR?

. Jesus aos 33 anos disse: “Pai, eu te glorifiquei na terra completando a obra que me confiaste para fazer.”
“Eu te glorifiquei na terra, consumando a obra que me confiaste para fazer” (João 17.4).

A maneira correta de terminar é:

. Com as nossas lâmpadas acesas; o azeite é a unção, a lâmpada é o fogo do Espírito Santo (Mateus 25.1-13).

. Aprovados em Cristo! (Romanos 16.10).
. Cumprindo o propósito de Deus para a nossa geração… (Atos 13.36).

. Declarando como Paulo: “Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé.” (2 Timóteo 4.7,8).

O que o Senhor Jesus quer dizer a você no último dia?

. Servo bom e fiel entra no descanso do teu Senhor. (Mateus 25.21-23).
. Venha bendito de meu Pai, entre de posse do Reino que está preparado. (Mateus 25.34).
                                                                          CONCLUSÃO

Agora é a hora de conquistar tudo o que Deus tem para você. Seja um servo que vai além, faça mais do que te foi ordenado por Deus (Lucas 17.10). Seja sábio na administração do seu tempo (Efésios 5.15,16).

“Só temos uma vida para viver, logo ela passará, só o que fizermos por Cristo, permanecerá.” Faça a sua vida valer, conquiste tudo para Deus agora! Como você quer terminar? Você decide o final da história, como será o final de sua vida, o que você ouvirá de Deus no último dia. Viva de tal maneira que no último dia você possa receber o elogio de Jesus dizendo: “Servo bom e fiel…”Aleluia! Amém!

Entenda a importância da obediência

Nós, que estamos debaixo de autoridade, devemos obedecer. Sabendo que nossos líderes estão se empenhando por exercer uma liderança sábia e justa, nada nos resta senão a fiel obediência. E por que o faremos? Todo grupo tem um objetivo que justifica sua existência. Se obedecermos, estamos contribuindo para que o objetivo seja alcançado. Se desobedecemos estamos traindo a nós mesmo e prejudicando todo o grupo.

O grande problema da história de Israel foi a desobediência. Aliás, o grande problema da história humana é esse. Adão e Eva tinham um único mandamento para cumprir e conseguiram desobedecê-lo. Assim continua até hoje. O povo de Israel foi desobediente ao Senhor. As consequências foram maldições diversas, inclusive o cativeiro, a perda da terra de Canaã e a dispersão pelo mundo afora.

As palavras “lei” e “mandamento” parecem pesadas. Contudo, todos os mandamentos de Deus foram estabelecidos para o nosso próprio bem e para que o objetivo da nossa existência seja atingido em plenitude. Portanto, devem ser obedecidos. (Não estamos advogando a favor da lei mosaica, mas da vontade de Deus, de modo geral). Muitas vezes queremos entender as ordens de Deus. É melhor obedecer do que ficar tentando compreender.

Se o aluno desobedecer ao professor, estará prejudicando a si mesmo. E se o paciente desobedecer ao médico? Pode ser fatal. O soldado precisa obedecer ao capitão para que a tropa possa alcançar a vitória. Cada músico da orquestra precisa obedecer ao comando do maestro para que se consiga harmonia e beleza. Se um deles resolver tocar sua própria música ou no seu próprio tom, poderá ter uma sensação de liberdade e independência, mas todo o grupo ficará prejudicado.

O maior exemplo é o próprio Senhor Jesus. Em seu ministério terreno, Cristo demonstrou total obediência ao Pai. Portanto, além de ser o melhor exemplo de líder, ele é o melhor exemplo de filho e de servo (Hebreus 5.8; Filipenses 2).

Extraído da Apostila “Autoridade Espiritual” 

Descubra os principais compromissos e responsabilidades de um líder de célula

São vários os compromissos e responsabilidades de um líder de Célula:

  1. Compromisso de frequentar o TADEL toda semana e participar da reunião com o seu supervisor de setor
  2.  Compromisso de liderar a reunião principal da Célula toda semana
  3.  Compromisso de ser discipulado
  4. Compromisso com o pastoreio das pessoas da sua Célula. Isso significa:
  5. Compromisso de preencher e ENTREGAR OS RELATÓRIOS para o supervisor de setor
  • Orar diariamente por cada pessoa da sua Célula;
  • Visitar ou delegar alguém para visitar frequentemente os membros da sua Célula;
  • Discipular (ou delegar para alguém) e edificar os novos convertidos;
  • Preparar (ou delegar para alguém) os novos candidatos ao batismo;
  • Socorrer (ou delegar para alguém) através da assistência social e espiritual cada pessoa necessitada da sua Célula;
  • Praticar 1 Tessalonicenses 5.14 “exortamos vocês, irmãos, a que advirtam os ociosos, confortem os desanimados, auxiliem os fracos, sejam pacientes para com todos…”

6. Compromisso de preencher e ENTREGAR OS RELATÓRIOS para o supervisor de setor

 

 

Cristãos não deveriam participar do Halloween, alerta ex-bruxo

De acordo com uma pesquisa da rede Christian Broadcasting Network (CBN), 87% dos evangélicos acreditam que os cristãos não devem comemorar o Dia das Bruxas, enquanto 13% acredita que não há problema.

Durante o programa Prayer Link, da emissora, o ex-satanista John Ramirez advertiu aqueles que não levam em conta os aspectos espirituais do “dia das bruxas”.

“Eu era um general no reino das trevas, mestre da feitiçaria”, testemunha Ramirez, que hoje é um evangelista. “Eu me sentava com o Diabo e falava com ele como estou falando com você hoje. Era esse tipo de comunicação que eu tinha”, disse ele a Charlene Aaron, que apresenta o programa.

Para Ramirez, o Haloween não deveria ser visto como uma brincadeira, um dia onde as pessoas usam fantasias e comem muitos doces, pois há uma realidade muitas vezes ignorada. Segundo ele, quem toma parte nisso “abre portas” para o mundo das trevas.

“Você acaba amaldiçoando a sua família”, enfatizou. “Você precisa entender o que é uma maldição… Você deve identificar onde errou e renunciar isso em nome de Jesus Cristo. Peça a Deus que o perdoe por isso e feche essa porta, livrando a sua família”, afirmou.

Com parte de seu testemunho, Ramírez explica que nessa data ele sacrificou animais como parte dos rituais satânicos. Afinal, desde a origem desta festividade pagã, acreditava-se que esta é a noite onde o mundo dos vivos e dos mortos se aproxima e seriam abertos “portais de comunicação”, por isso sua aproximação com a ideia de fantasmas, vampiros e outros símbolos relacionados com a morte até hoje.

O festival que deu origem ao que chamamos de Halloween era o Samhain, que tinha como objetivo dar culto aos mortos. Na wicca, uma forma moderna de bruxaria, esta é considerada a noite mais importante do ano. Com informações CBN

Vida sob comunismo é “inferno para cristãos”, diz desertor da Coreia do Norte

Um desertor da Coreia do Norte está fazendo novas revelações sobre os horrores do regime comunista de onde fugiu anos atrás. Choi Kwanghyuk, de 55 anos, descreve como as torturas e a perseguição praticadas contra os cristãos força-os a viver se escondendo.

Temendo por sua vida, ele fugiu do regime comunista em 2013, e descreve sua nova vida no Ocidente como “viver no céu”. O governo de Kim Jong-um, terceiro da dinastia que comanda o país desde a divisão da antiga Coreia em duas nações, segue o que fazia seu pai e seu avô e mantêm um controle rigoroso sobre as comunicações. Somente os testemunhos dos desertores é que oferecem um vislumbre de como é a vida por lá.

Choi deu uma entrevista para a Fox News, onde revelou que em 2008 as autoridades o prenderam por liderar uma igreja cristã clandestina. Contou ainda que as autoridades tentaram forçá-lo a renunciar a sua fé em Cristo.

As lesões que sofreu com longos períodos de tortura e encarceramento o impediram de trabalhar. “Eles me torturaram”, lembra, “mas eu continuei me negando a fazer isso [negar Jesus]”.

Revela que os cristãos presos nos campos de prisioneiros não aceitam acordos de liberdade se isso significar desistir de suas crenças. “Decidi fugir do país porque pensei que se fosse enviado para um campo de concentração iam me matar”, relatou Choi, que consegui escapar pela fronteira com a China.

Igreja subterrânea

Embora Choi nunca tivesse ouvido falar no termo “igreja subterrânea”, comumente usado para descrever os encontros secretos como aqueles que ele liderava, explica que sua igreja por vezes se encontrava literalmente debaixo da terra. Eles usavam um grande buraco cavado pelos agricultores para armazenamento no inverno.

“Na Coreia do Norte, cavamos buracos no chão para armazenar kimchee [comida típica coreana] e batatas durante o inverno. Como faz muito frio, se não enterramos a comida no subsolo, ela congela. Não temos aquecimento”, destacou.

“Nos reuníamos em um buraco retangular e usávamos uma lanterna para estudar a Bíblia. Como não podíamos cantar em voz alta, para louvar apenas murmurávamos os cânticos”, detalhou. “A vida na Coreia do Norte é um inferno para os cristãos”, lamenta Choi.

A Coreia do Norte, que vive sob regime comunista há mais de 50 anos é o lugar mais opressivo do mundo para os cristãos, segundo o relatório da missão Portas Abertas.  Calcula-se que existam 300 mil cristãos na Coreia do Norte, sendo que de 50 mil a 70 mil estão em campos de prisioneiros.

“Em uma nação onde o regime dominante exige controle total sobre o público em geral, tudo o que desafia o poder do governo é visto como uma ameaça, incluindo a religião”, destacou Jeff King, presidente da International Christian Concern. “Como resultado, o regime norte-coreano faz tudo o que está ao seu alcance para esmagar a expansão do cristianismo”.

O relatório da Human Rights Watch publicado no início do ano afirma que “O governo comunista pratica o castigo coletivo por supostos crimes antiestatais, escravizando centenas de milhares de cidadãos, inclusive crianças, em campos de prisioneiros e outros centros de detenção”. Execuções públicas, junto com a tortura, os trabalhos forçados e a prisão arbitrária são as formas usadas para manter um clima de medo e controle.

 

Homem é feito refém e oferece Bíblias a bandidos: “Foi um livramento de Deus”

Vinte minutos nas mãos de sequestradores foi tempo suficiente para que um homem de 45 anos falasse sobre Deus e até oferecesse Bíblias para os criminosos.

“Eu ofereci a verdade”, disse o corretor de imóveis que foi abordado por um casal de criminosos na noite de sexta-feira (27), em Vila Velha, no Espírito Santo.

Os sequestradores, identificados como Vinicius Lacerda de Souza Januário, de 19 anos e uma adolescente de 15, abordaram a vítima enquanto conversava ao telefone, na calçada da casa de amigos, no bairro Jaburuna.

O homem foi forçado pelos bandidos a dirigir seu próprio carro com uma arma apontada na cabeça. Depois de 20 minutos, dois policiais em motocicletas conseguiram encontrar o veículo e passaram a acompanhá-lo.

“A todo instante ele dizia que ia me matar. Pior que ele, era a menina. Isso me assustou mais, pois ela era a que mais falava coisas assustadoras. Ofereci até a minha Bíblia e a da minha esposa para que eles tivessem a palavra de Deus e também o carro para me deixarem, mas gritaram que não queriam”, relembra o corretor de imóveis.

Quando visualizou uma viatura, a vítima passou a frear o carro diversas vezes para dar um sinal aos policiais, que entenderam o recado e acionaram a ajuda de outros militares. Em poucos minutos, mais de 10 viaturas já faziam o cerco para pegar os suspeitos.

“Eles mandaram eu acelerar ainda mais e eu fiz isso, pois era tudo ou nada. Quando me aproximei, freei uma vez, e depois de novo, fazendo com que o rapaz armado no banco do carona batesse a cabeça no painel. Foi aí que consegui escapar, já a 3 metros dos policiais”, detalhou o homem.

O suspeito e a adolescente foram conduzidos para a 2ª Delegacia Regional de Vila Velha, localizada no bairro Cobilândia, onde foram autuados em flagrante pelo crime de roubo majorado pela restrição da liberdade da vítima, emprego de arma e concurso de pessoas.

O homem, que é evangélico, disse que ofereceu as Bíblias e conversou com os criminosos em todo o tempo para tentar acalmá-los. “Foi Deus quem me ajudou, falou comigo de coisas que vão acontecer na minha vida por isso eu sabia que não ia acontecer nada comigo naquele momento. Foi um livramento de Deus”, disse ele.

 

“Adoração é uma arma espiritual”, diz cantora do Hillsong

Taya Smith fala sobre sucesso e espiritualidade

Provavelmente todo evangélico que esteve em um culto na última década cantou alguma versão de músicas do ministério Hillsong, da Austrália. A voz mais conhecida atualmente é de Taya Smith, vocal principal da Hillsong UNITED.

Em um vídeo divulgado recentemente, ela falou um pouco sobre a busca pelo sucesso, algo que ela nega. “Adoração é uma arma espiritual”, afirmou Smith.  “Quando você dá às pessoas as palavras certas, numa canção, ela funciona quase como uma espada. Nossas letras são baseadas na Bíblia e a Bíblia é a verdade… Então na adoração usamos palavras que funcionam como uma arma pra limpar meus pensamentos”, explica.

A canção mais popular do grupo é Oceans – regravada em português por Ana Nóbrega. Mas Taya diz que o louvor sempre foi a maneira que ela usou para lidar com situações difíceis em sua vida.

Lembrou ainda de momentos quando foi acusada de cantar músicas que lhe renderam fama e dinheiro. Para a vocalista, isso nunca foi importante: “Adoração é sobre ser sincero diante de Deus”, rebate.

“Nós fomos chamados para sermos adoradores em espírito e verdade e precisamos ser verdadeiros”, lembra, acrescentando que muitas vezes isso é difícil. A cantora admite que por vezes é confrontada pelas “partes feias se sua vida, incluindo dúvidas, maus pensamentos e sentimentos”. Mesmo assim, ela continua em frente.

“Experimentei a bondade de Deus nos momentos em que teria sido mais fácil me afastar”, mas ao invés de sentir-se desencorajada em liderar a adoração, ela acredita que esses momentos a fizeram “prosseguir, buscar as coisas de Deus e Ele colocou as palavras na minha boca quando eu precisava acreditar”. Com informações de

Assista a entrevista:

 

Avon não quer que você chame sua filha de “princesa”

O documentário “Repense o Elogio”, usado pelo Fantástico como base de sua matéria que mostrava a ideologia de gênero como “brincadeira de criança” foi patrocinado pela Avon.

A empresa de cosméticos nos últimos anos já vinha fazendo campanhas que apostavam no “gênero neutro” para maquiagem e no chamado marketing de lacração, que usa pautas liberais como mote principal.

Após a repercussão negativa da matéria do Fantástico e da campanha fracassada do sabão em pó OMO os internautas conservadores estão denunciando a Avon por ter bancado a produção do documentário dirigido por Estela Renner.

No Youtube, o vídeo já acumula quase 10 mil “não gostei”. Na descrição, afirma que o objetivo é fazer “a reflexão sobre a maneira como os filhos e filhas são elogiados”. Contudo, há cenas onde claramente promove uma troca de lugares, com meninos se vestindo como meninas e meninas rejeitando a feminilidade.

O material também tem um viés feminista, nada apropriado para crianças, onde mostra que as meninas deveriam receber os mesmos elogios. Ou seja, ao invés de “lindas, princesas e delicadas”, deveriam, como os meninos serem “fortes, inteligentes e corajosas”.

No finalzinho  do documentário, a mensagem deixada na tela é clara:  “o que você diz às meninas hoje, influencia quem elas serão amanhã.”

 

Nick Vujici testemunha 400.000 conversões na Ucrânia

O evangelista Nick Vujicic, que nasceu sem braços nem pernas, disse que sua equipe testemunhou cerca de 400 mil pessoas se arrependendo publicamente de seus pecados e decidindo seguir Jesus Cristo em um evento recente na Ucrânia. Essa foi a maior resposta que seu ministério já viu.

“O maior evento que a equipe da Life Without Limbs já viu e talvez o maior evento da Europa: foram 800 mil pessoas nas ruas de Kiev, Ucrânia! Obrigado, Deus”, escreveu Vujicic no Facebook na terça-feira.


“400.000 se arrependeram de seus pecados e começaram sua jornada espiritual com Jesus – Agora comemoramos o testemunho de 1 milhão de decisões de pessoas que irão caminhar e confiar em Deus em tudo”, acrescentou.

Vujicic é famoso por seu testemunho de vida. Ele nasceu com uma grave deformidade, mas já fez centenas de palestras ao redor do mundo convidando pessoas para seguirem a Cristo.

 

Ele esteve na Ucrânia em setembro, onde fez cruzadas durante vários dias.Também fez uma parada na Rússia durante sua mais recente viagem.


“Infelizmente, não consegui encontrar o presidente nesta viagem, mas continuamos a plantar sementes de amor e esperança em todo este país até algumas portas sejam abertas para compartilharmos o evangelho- obrigado pelo seu apoio”, escreveu ele.

Os evangélicos ucranianos vêm realizando vários grandes eventos na Ucrânia. Mês passado, mais de 500 mil deles chegaram às ruas de Kiev para celebrar o 500º aniversário da Reforma Protestante.

Sergey Rakhuba, da Missão Eurasia, disse que a Igreja ucraniana vem enfrentando grandes desafios por cauda do conflito armado entre a Rússia e a Ucrânia. Com informações de Christian Post

Perdemos o melhor de Deus por não pedirmos a Ele o impossível, afirma pastor Rick Warren

Em um devocional publicado recentemente, o pastor Rick Warren afirmou que os cristãos devem, em suas orações, pedirem a Deus coisas impossíveis como forma de conhecerem a extensão de Seu poder e exercitarem a fé.

Warren, autor do livro Uma Vida Com Propósitos, abordou o assunto lembrando que todas as pessoas enfrentam adversidades e lutam com situações para as quais não têm solução em mente.

“Você já se encontrou em uma situação difícil? Fico surpreso se você respondeu não! Todos enfrentamos lutas, provações e tentações em nossas vidas; momentos em que sentimos que uma saída é simplesmente impossível. Mas é nesses momentos exatos que devemos gritar a Deus por ajuda”, contextualizou.

“Quando você é colocado em uma situação impossível, seu talento, lógica e educação não resolverão seu problema”, pontuou o pastor, acrescentando que “só Deus pode”.

Citando um exemplo bíblico, o pastor Rick Warren falou de Daniel, que pediu ajuda a Deus para interpretar o sonho do rei Nabucodonosor: “Ele precisava do Senhor para mostrar o que ele nunca seria capaz conseguir por conta própria. Daniel poderia adivinhar por mil anos e nunca descobrir o sonho do rei. Mas Deus poderia dizer a ele em um instante”, constatou.

“Muitas vezes, perdemos o melhor de Deus simplesmente porque nunca pedimos a Ele“, concluiu Rick Warren.

Após militância LGBT influenciar mudança doutrinária, Igreja Anglicana celebra primeiro ‘casamento gay’

A secularização das Igrejas Anglicanas na Europa segue a todo vapor, e pela primeira vez na história, uma cerimônia de união homossexual foi realizada em um templo da denominação na Escócia.

Os homossexuais Peter Matthews e Alistair Dinnie se tornaram os primeiros a oficializarem sua união em uma cerimônia realizada em uma Igreja Anglicana no Reino Unido. O “casamento gay” aconteceu em Edimburgo, com aprovação da Igreja Episcopal Escocesa e comemoração por parte dos ativistas gays.

Os jornais The Times Scotland e Telegraph repercutiram o fato anunciando que desde que a cerimônia foi realizada, no começo de setembro, outros homossexuais oficializaram suas uniões em templos cristãos das cidades de Glasgow e Moray.

O reverendo Markus Dunzkofer afirmou à BBC que era “um privilégio e uma honra” celebrar a união de Peter e Alistair, já que a permissão havia sido dada desde a alteração da lei canônica da Igreja Episcopal durante o Sínodo Geral em Edimburgo, realizado em junho.

“Estou encantado que os dois se uniram e tiveram o casamento na igreja. O amor que eles têm um pelo outro é bastante óbvio. Ele não alimentou apenas a mim, mas a muitos membros da congregação. São membros muito ativos e solidários da igreja. Não estaríamos onde estamos sem eles”, acrescentou o reverendo Dunzkofer.

A mudança nas regras da igreja só foi implementada porque os membros votaram pela retirada da cláusula doutrinária que estipulava o casamento apenas como a “união de um homem e uma mulher”. Agora, o texto diz que “o clero que não desejar presidir casamentos do mesmo sexo, não será obrigado a fazê-lo contra a consciência”.

No entanto, a mudança não é do agrado de todos na Igreja Episcopal Anglicana. O secretário geral da Comunhão Anglicana, Josiah Atkins Idowu-Fearon – que teve o nome omitido pela reportagem do Telegraph – destacou que a decisão “está em desacordo com a posição da maioria de que o casamento é a união ao longo da vida de um homem e uma mulher”.

 

Veja publica artigo com discriminação a evangélicos: “Gente incômoda”; Pastores reagem

Ao longo do texto, Guzzo dispara contra os evangélicos de forma generalizada e expõe toda sua irritação com a liberdade religiosa, aparentando apoiar o fim desse direito. A certa altura, suas palavras tomam uma conotação ainda mais preconceituosa: “Esse povo, em grande parte do ‘tipo moreno’, ou ‘brasileiro’, vem sendo visto com horror crescente pela gente de bem do Brasil”, escreveu o jornalista, sugerindo de forma pejorativa um estereótipo racial para os fiéis.

Na vião de J. R. Guzzo, a “gente de bem” não são necessariamente classificadas por sua honestidade e conduta irrepreensível. Ele explica: “Sabe-se quem são: os mais ricos, mais instruídos, mais viajados, mais capacitados a discutir política, cultura e temas nacionais. São geralmente descritos como esclarecidos, liberais, intelectuais, modernos, politizados, sofisticados e portadores de diversas outras virtudes. Toda a esquerda nacional, por definição, está aí dentro”, argumenta.

O “gente de bem”, na visão de J. R. Guzzo, seria o oposto do que são os evangélicos, e o jornalista não se contenta com pouco no que se refere à crítica a esse setor da sociedade: “Retrógrados, reacionários, repressores, fascistas e inimigos da democracia. Já foram condenados como machistas, homofóbicos e fanáticos”.

Indo além, o colunista da revista Veja diz que o que torna os evangélicos incômodos “está nas suas convicções como cidadãos”. Sem falar francamente, Guzzo dá indícios de quais pontos o incomodam na forma de ver, ser e pensar dos evangélicos: a oposição ao “progressismo”, à relativização de valores e a desidratação da família como instituição.

Resposta

A reação à postura do jornalista foi automática da parte de fiéis, nas redes sociais, e lideranças religiosas de diversas denominações. O deputado Ezequiel Teixeira (Podemos-RJ); o apóstolo Rina, da Igreja Bola de Neve; e o pastor e escritor Asaph Borba foram alguns dos que repudiaram as colocações do jornalista.

Teixeira – que também lidera o Ministério Projeto Vida Nova – destacou que o artigo publicado pela Veja é uma incitação ao “ódio a pessoas que são pacíficas e estão na vanguarda dos princípios e valores éticos desta nação”.

O deputado afirmou que os evangélicos realmente são um “povo que incomoda”, porém só se sentem incomodados os que se opõem à moralidade: “Somos um povo que verdadeiramente luta pelos valores da família, contra o lixo moral e a pedofilia. E nós vamos continuar incomodando, doa a quem doer”, avisou o parlamentar.

Rina levantou questões sobre o objetivo do jornalista e da revista com o artigo: “Por que o esforço em ridicularizar um povo que só promove o bem e o amor ao próximo, que atua diariamente e longe dos holofotes e do reconhecimento da mídia, a serviço das reais necessidades da sociedade, que inspira o altruísmo, ensina valores e princípios morais e éticos, como honestidade, integridade e lealdade, que recupera e reintegra vítimas das drogas e de tantas outras mazelas?”, questionou.

“Porque esse povo não concorda com a agenda de destruição da família? Porque são os poucos que se opõe? Onde está a liberdade de expressão que tanto se defende?”, contrapôs o apóstolo da Bola de Neve, em sua coluna no portal Guia-me.

“Numa democracia todos são livres para expressar e defender suas ideias e ninguém é obrigado a concordar com elas. Estamos incomodando? E aí vale usar termos preconceituosos na tentativa de desqualificar os cristãos diante do restante da sociedade? Como se não houvesse contribuição nenhuma dessa parcela da população na construção e evolução da nação? Aqui estão alguns morenos, dessa ‘incômoda religião’, que segundo a matéria, se tornou um ‘problema sem solução’”, acrescentou.

Asaph Borba pontuou que Guzzo foi infeliz de diversas formas: “Como evangélico e jornalista, quero dizer que o artigo é muito mal escrito, pois é confuso em sua abordagem e, comete erros básicos, como se referir ao público em questão com termos discriminatórios de raça e cor e ainda com uma conotação pejorativa”, pontuou.

“O articulista não deixa claro quais são as pessoas de bem a quem os evangélicos tanto perturbam. Fico livre, então, para imaginar quem seriam esses baluartes da honestidade e da intelectualidade que estão perturbados pelo aumento da fé evangélica. Quem são os políticos preocupados com o aumento da bancada evangélica? Essa gente ‘de bem’, por certo, deve ser a elite que cuida e direciona a educação e a cultura brasileira e quer impor goela abaixo da população suas práticas liberais, contrárias à Palavra de Deus, e que não são defendidas pelos evangélicos”, criticou Borba.

Lenda do rock deixa a homossexualidade e prega contra a ideologia de gênero: “Deus fez homens e mulheres”

Richard Wayne Penniman é um senhor de 84 anos que prega contra a ideologia de gênero e vê a homossexualidade como um pecado que inverte o propósito de Deus. Descrito dessa forma, ele poderia ser compreendido como algum evangélico conservador com décadas de igreja, mas trata-se do oitavo maior artista da música de todos os tempos, ex-homossexual.

Little Richard é uma lenda no rock, construiu uma carreira sólida e amplamente produtiva em termos de composições. Teve canções gravadas por Elvis Presley e outros artistas, além de cravar outras entre as mais marcantes da música norte-americana. A vida toda se apresentou publicamente como homossexual, e suas performances exibiam trejeitos afeminados.

Em 2012, já aos 79 anos, dizia ser um “pansexual”, uma pessoa com atração por todos os sexos e orientações sexuais. Chegou a dizer que o sexo era como um rodízio: “Nós somos todos homens e mulheres. O sexo para mim é como um smorgasbord (refeição de múltiplos pratos do tipo buffet típica da Suécia). O que eu quiser, eu sou. Qualquer tipo de sexo. Eu sou pansexual”, declarou.

Em 1995, Little Richard concedeu uma entrevista à revista Penthouse que a homossexualidade era aceita por Deus, e a reprovação a isso era ódio: “Fui gay toda a minha vida e sei que Deus é um Deus de amor, não de ódio”, afirmou, citando que foi o terceiro de 12 filhos e que seu pai o colocou para fora de casa por ser quem ele era: “Ele disse que queria sete garotos, e que eu tinha arruinado isso porque eu era gay”.

Agora, uma mudança radical no modo de pensar de Little Richard foi exposta ao mundo numa entrevista concedida à emissora Three Angels Broadcast Network (3ABN). “Entregue tudo o que você tem a Jesus e você se sentirá muito melhor”, disse o músico ao entrevistador Danny Shelton.

Líder muçulmano ressuscita após experiência sobrenatural com Jesus, se converte e passa a evangelizar

O testemunho de conversão de um imã muçulmano ao Evangelho envolve uma experiência sobrenatural e sua ressuscitação momentos antes do enterro. O relato do caso foi feito por missionários da Bibles 4 MidEast.

Identificado pelo nome fictício de Munaf Ali, por razões de segurança, o imã de 46 anos liderou por muito tempo uma mesquita na região onde vivia, e certo dia recebeu a visita de um grupo de missionários em sua casa, e ouviu deles a mensagem do Evangelho, contrariado.

Quando os missionários da Bibles 4 MidEast deixaram o local, Munaf expressou toda sua fúria com aquela situação e planejou um ataque aos cristãos. Para tanto, reuniu uma turba de extremistas muçulmanos que frequentavam sua mesquita e foi até o local onde o grupo estava baseado, com gritos de “Allahu Akbar” (“Alá é grande”, em árabe).

Ao chegarem no destino, no entanto, não encontraram ninguém e assim o protesto se dispersou. Poucos dias depois, Munaf estava no caminho de volta para sua casa após ter liderado a tradicional oração de sexta-feira na mesquita quando desmaiou. Nesse momento, passou a ter visões de demônios que o cercavam para “levar sua alma”.

Essa experiência foi relatada por Munaf aos missionários posteriormente. Ele contou que no meio do tumulto, enquanto os demônios tentavam matá-lo, Jesus apareceu acompanhado por um exército de anjos, afugentando os demônios, e oferecendo a ele uma oportunidade de redenção.

O primeiro Adão desobedeceu a Deus e pecou sob influência de satanás. Eu sou o segundo Adão, a Palavra de Deus, o Messias, Filho do Altíssimo. Eu nasci sem pecado para redimir o primeiro Adão e todos os seus descendentes, inclusive você. Tenha fé em mim e seja minha testemunha. Eu darei sua vida de volta, pois tenho autoridade para dar vida”, disse Jesus a Munaf durante essa experiência.

Porém, as visões não foram apenas um momento de inconsciência: Munaf foi encontrado caído e dado como morto. Seus parentes já haviam levado seu corpo para ser preparado para a cerimônia de velório e sepultamento, quando ele voltou à vida, assustando todos os presentes.

Em meio àquele tumulto, Munaf tentou explicar o que havia acabado de vivenciar, a mensagem que tinha recebido e o significado do Evangelho aos parentes, mas a reação de todos foi achar que ele estava louco.

Nas semanas que se seguiram a esse episódio, Munaf continuou a falar sobre Jesus ao parentes e amigos, dizendo que havia se transformado em um cristão, já que tinha crido no Evangelho e reconhecido o nazareno como Filho de Deus e Salvador.

O resultado de tudo isso é que Munaf passou a ser perseguido pelos antigos amigos, foi destituído da posição de imã e removido da liderança da mesquita. Assim, ele agora se dedica a evangelizar, apesar das perseguições, todas as pessoas da comunidade, assumindo a liderança de uma nova igreja local.